domingo, 18 de setembro de 2011

Quando a burrice que atrapalha

Hoje o Avaí mostrou mais uma face dos vários adjetivos que poderia receber pela campanha que está fazendo. Não vou escrever sobre a falta de qualidade dos jogadores, o péssimo preparo físico, da desorganização dos jogadores em campo ou da falta de raça para jogar. Vou falar da burrice de um time que não sabe jogar com dois jogadores a mais.

Existem jogadores que possuem habilidade. Sabem fazer e muito bem determinados movimentos, são rápidos e dominam a bola com perfeição. Porém, parece que os treinamentos os automatizam de tal maneira, que não sabem fazer algo diferente, diante de uma situação nova. Tudo bem que os jogadores considerados gênios são aqueles que pensam na frente dos outros, mas será que os jogadores do Avaí não poderiam apenas pensar um pouquinho, só um pouquinho e nem precisa ser antes dos demais, pode ser ao mesmo tempo.

Se completo, o time do Felipão vem fazendo a maioria dos gols só na base da bola parada, imagina o que não ia tentar com um jogador a menos. Este é o momento que um time que tem menos jogadores pode oferecer mais perigo contra o adversário, pois tem tempo suficiente para os zagueiros irem para a área e ficarem, pelo menos durante aquele lance, em número igual ao adversário. Aí um jogador como o Pedro Ken, que graças a Deus não vai jogar a próxima partida, por suspensão, faz uma falta totalmente desnecessária na lateral do campo. O Felipão e o Marcos Assunção agradeceram a oportunidade dada. Falta cobrada, desvio de leve de cabeça, bola na rede.

Mesmo assim, no segundo tempo, o time paulista tentou ajudar o Avaí, tendo mais um jogador expulso (devia pegar uns 5 jogos de suspensão por aquele carrinho criminoso). Aí, o time mostrou um pouco mais da sua burrice. Com dois jogadores a mais, é claro que o time tinha que tocar a bola de um lado para o outro, até encontrar alguém desmarcado. O time do Palmeiras não ia aguentar marcar em cima o tempo todo e em algum momento, alguém ia aparecer livre para fazer o gol. Mas não foi o que vi. Era um tal de ir na lateral e cruzar a bola para a área, onde tinha muito mais jogador de verde do que de azul. Cheguei a ficar com raiva.

Para piorar, o Rafael Coelho, que para não perder o costume, estava no lugar errado do campo, faz uma falta daquela. Não era para expulsão, mas estava muito claro que o juiz não ia perder aquela oportunidade para compensar um pouco os cartões vermelhos que tinha dado para os jogadores verdes.

No resto do jogo, pouquíssimas chances e mais uma vitória que não veio. E não conseguimos sair do buraco.

Ah, fizemos um gol por acaso. É claro que vale, mas parece marcar muito cedo faz mal para o Avaí, que depois dali, não jogou mais.

Assim fica difícil de ter esperança.

Time burro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários com ofensas ou palavrões não serão publicados