sexta-feira, 14 de junho de 2013

Os inhos e o retorno de HM

Ricardinho já é passado. Hémerson Maria é o presente. Vamos torcer pelo seu sucesso. Mas antes, quero refletir sobre o que aconteceu.

Antes de mais nada, uma breve história: fui na padaria e perguntei ao dono, que é avaiano e havia ido ao jogo na terça: jogaram mal ou fizeram corpo mole? Ele respondeu, sem titubear: fizeram corpo mole para demitir o técnico.

Ricardinho não é um mau técnico, mas não conseguiu os resultados que precisava. Agora está na moda dizer que ele não conseguiu dar um padrão de jogo ao Avaí. A maioria que diz isso nem sabe definir o que é padrão de jogo. Falam porque ouviram ou leram em algum lugar e ficam repetindo como donos de uma verdade que não existe. O que faltou ao Ricardinho foi a primeira das qualidades do técnico: liderar o grupo. Ele não conseguiu se impor e não tinha as costas quentes.

Além disso, parece que não conseguiu colocar o M10 ao seu lado. E isto é um problema para qualquer técnico no Avaí. Ter um ídolo e craque que é torcedor do time é sempre bom, pois ele realmente veste a camisa. Porém, se ele for maior que o comandante, que foi o caso do Marquinhos em relação ao Ricardinho, é problema. Ficar pedindo a bênção para o galego não deve ser fácil para nenhum técnico. Quando no elenco existem jogadores que são mais fortes que o técnico, isto pode se tornar um grande problema.

M10 é craque, tem história, já fez muito para o clube, mas isso não o isenta de críticas e não lhe dá o direito de fazer corpo mole para tirar o técnico. E não foi a primeira vez que fez isso. Apesar do sobrenome, não é santo. Isto não significa que eu o quero longe do Avaí. Como já disse, é craque e o Avaí só melhora com ele. Mas ele precisa querer jogar. Tem que entender que apesar de ídolo, não é maior que o clube. Ele vai parar de jogar e o Avaí vai continuar.

O Avaí não pode ser refém dele e de mais alguns que se acham os maiorais dentro do time: Diego, Leandro Silva, Eduardo Costa, Marquinhos Santos e Cléber Santana. São bons jogadores e líderes do grupo. Eles também devem ser cobrados pelo desempenho da equipe. É quase meio time. Não dá para culpar somente o técnico e a diretoria. Se incluirmos Márcio Diogo, que também é bom jogador, vamos ver que mais da metade do time tem qualidade garantida. Então não é por falta de elenco. A cobrança que querem fazer da diretoria e do técnico, também deve ser feita aos jogadores, principalmente esta turma que citei, que ganham muito bem.

Agora vem o Hémerson Maria. É curiosa a reação de muita gente na blogosfera. Falam que ele nem devia ter saído, que foi uma injustiça, etc. Pesquisei na blogosfera como tinha sido a reação deste pessoal, em março de 2012, quando a diretoria anunciou que ele assumira o comando no lugar do Mauro Ovelha. Alguns cravaram que não ia dar certo:

"Se vai dar certo? A chance é tão pequena que eu duvido que alguém esteja realmente apostando nisso."
"O que quer dizer? Que o Avaí não tem dinheiro para contratar um técnico de verdade."
"Com todo o respeito a dupla apresentada mas, Hemerson Maria, desde que chegou ao Avaí para treinar o Sub-20 em 2011, se não me engano, nunca ganhou nada".
"... não sei se terão pulso para comandar a equipe profissional de garotos mimados..."

Toda a blogosfera desejou boa sorte ao técnico, mas só vi um acreditar de verdade que ia dar certo.

HM foi campeão e virou santo e super competente. Um pouco mais e já poderia treinar a seleção brasileira. Mas daí veio a série B e o encanto acabou. Mas como um título sempre amacia a torcida, a cada derrota, a culpa era da diretoria. Não era dos jogadores nem do técnico. Ainda assim, muita gente reclamava do jeito defensivo que HM armava o time quando jogava fora de casa. Quando a diretoria o demitiu, aí virou novamente santo e injustiçado. Interessante que ele comandou o time durante 25 jogos na série B e nunca conseguiu colocar o time no G4. Fosse outro técnico, a torcida já tinha pedido sua cabeça antes de acabar o turno.

Acredito que ele possa neste ano, ter um desempenho melhor que no ano passado. O elenco é melhor e o técnico está mais experiente. Como conta com o respeito do CS88 e imagino também do M10, poderá conseguir liderar o grupo. Tem a seu favor o título estadual do ano passado e o apoio do torcedor.

A situação poderá ser parecida com o ano passado, que com o mesmo elenco, que a torcida disse que podia mandar tudo embora depois da derrota para o Camboriú, conseguiu levar o time para a decisão e conquistar o título.

Vamos torcer para que HM entre de vez para história do Avaí como o técnico que subiu o Leão novamente para a série A.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Não precisamos de inimigos

Quem não sabe os resultados e lê alguns blogs e comentários, pensa que o Avaí perdeu todas as partidas que disputou até agora na série B, tamanha é a vontade que alguns torcedores tem em demitir o técnico Ricardinho.

Talvez ele não seja uma sumidade, mas se o critério mais usado pela torcida para pedir a cabeça de um técnico seja o critério dos resultados, então é preciso esperar um pouco mais para justificar sua demissão, pois 7 pontos em 12 disputados, sendo 3 partidas fora de casa não me parece suficiente para isto.

Leio alguns falando sobre falta de padrão de jogo do time avaiano. Com todo respeito, mas a maioria dos ispecialistas nem sabe identificar o padrão de jogo de qualquer time. Aliás, a maioria dos times nem tem padrão de jogo.

Em relação a escalação, os torcedores mudam de opinião como o vento muda em Florianópolis. Antes o Reis é a solução, agora, está quase virando um poste. Alguns querem Tauã, mas ao lado do Márcio Diogo, certamente, no primeiro revez, seriam alvo de críticas, por serem baixinhos. Aliás, já li que o defeito do time era ser um grupo de baixinhos. Eduardo Costa era a experiência que o time precisava lá atrás, só que agora o correto é torná-lo um espécie de líbero ou zagueiro da sobra. O M10 estava sobrecarregado, mas agora com o CS88, qual será a justificativa para a produção baixa dos dois?

A torcida pode inventar qualquer escalação, fazer quantas mudanças quiserem, ou sugerirem as substituições mais criativas possíveis, pois não tem a responsabilidade do resultado. Eu também acho que em algumas partidas a substituição pode não ter sido a ideal, mas não garanto que a minha teria mais resultado.

Vejo que em alguns casos, a blogosfera repete exaustivamente uma opinião até que ela vire verdade. A verdade agora é que o Ricardinho não é um bom técnico. Se o time vence, foi por causa dos jogadores, mas se perde, certamente será culpa do Ricardinho. Não vou defendê-lo, até porque não sou fã do seu trabalho, mas também não vejo nada de errado no que vem fazendo até agora. 

A série B está no começo e para quem não se lembra, em 2008, sob o comando de Silas, o Avaí, levou 5 rodadas para chegar a 7 pontos, vencendo a primeira, fora de casa, e empatando 4 seguidas, sendo duas, dentro da Ressacada. Naquela época a cabeça do Silas também já estava começando a ser pedida, mas o maior acerto da diretoria foi tê-lo mantido, assim, como fez no ano seguinte, mesmo após aquele começo desastroso na série A.

Pra encerrar, que técnico burro este do Coritiba que escala o Robinho como titular. Se ouvisse os ispecialistas da torcida avaiana não faria esta besteira.