sábado, 31 de dezembro de 2011

Tchau 2011!

O ano de 2011 vai acabar e não vai deixar saudade para a torcida avaiana. Foram poucos os momentos de alegria. Entre Campeonato Catarinense, Copa do Brasil e Série A, o Avaí jogou 66 partidas e venceu apenas 19. Destas vitórias, acho que só dá para destacar:

- Semi-final do 2 turno: vitória de 2x0 sobre o Tombense lá dentro. O estilo pega-ratão do Silas venceu a prepotência dos amarelos e da imprensa que já dava a vitória deles como certa. Acho que foi nossa maior alegria no ano, ver a cara de decepção dos multicoloridos.

- Quartas de final da Copa do Brasil: a vitória de 3x1, de virada sobre o São Paulo, foi um momento inesquecível para a torcida, que viu um time guerreiro e que lutou até o fim. Novamente calamos a boca da imprensa e dos secadores. Acredito que aquele time (com aqueles jogadores), com o Silas no comando, teria feito coisa melhor na série A.

- Última rodada do primeiro turno da Série A: vitória de 3x2, de virada, sobre o Tombense, novamente na casa deles. O Leão só teve 7 vitórias neste campeonato e este foi especial. A situação na tabela era horrível (como foi no campeonato inteiro), mas a torcida fez a maior festa e calou novamente os multicoloridos que falavam até em goleada. Chegamos a acreditar que o TC ia mudar o rumo da história, mas foi apenas sonho de uma noite de verão.

É claro que tivemos outras vitórias, como contra o Flamengo e o Corínthians na série A e até alguns empates históricos, como contra o Botafogo na Copa do Brasil, que também aliviaram um pouco o sofrimento que a torcida teve durante todo o ano.

A campanha ridícula no primeiro turno do catarinense (3v, 2e, 3d) foi o primeiro sinal que as coisas estavam erradas. Benazzi não poderia ter iniciado o ano como treinador do Avai. Já a eliminação no segundo turno, empatando a final contra a Chapecoense lá na casa deles, considero como um resultado normal no futebol. Tivemos a chance nos pés do Rafael Coelho que conseguiu acertar o poste numa trave que não tinha mais ninguém para defender. Não ter a vantagem de jogar em casa foi uma consequência da campanha do 2 turno, que se não foi ruim (5v, 1e, 3d), não foi suficiente para garantir a vantagem de jogar pelo empate.

A história deste ano poderia ter sido outra se Silas (que eu não queria que tivesse voltado), tivesse permanecido no comando. Apesar das suas teimosias clássicas, o time até dava mais esperança de dias melhores. Mas o pior estava reservado para depois da Copa do Brasil. A saída de Silas e depois Marquinhos, ajudaram a definir nosso destino. Não os culpo de sair e nem posso acusar a diretoria, pois o dinheiro manda em tudo. Mas espero não vê-los tão cedo na Ressacada fazendo juras de amor ao Leão e não quero mais escutar a diretoria falar que ninguém mais vai sair. É tudo mentira, de todos.

A chegada dos outros treinadores não resolveu nada, mas a troca constante deles foi ainda pior. Muitos jogadores sendo contratados ao longo do ano e nenhum time base. Brigas internas, vaidade, jogador se achando mais importante que todo mundo, diretor cego, treinador teimoso, torcida impaciente. Foi o enredo certo para o final que era mais do que esperado.

Por último, quero registrar minha indignação com a prática da diretoria em deixar a torcida adversária ocupar o espaço da torcida avaiana no dia dos grandes jogos. Isto é um desrespeito com seu torcedor. E não me interessa se o torcedor do Avaí vai ou não ao jogo. Esta é a hora de se perder dinheiro, pois o resultado do jogo é mais importante que o da bilheteria. Não existe coisa mais doída para o torcedor avaiano do que ver a torcida adversária em grande número e fazendo a festa dentro do nosso estádio. Tem que vender apenas o exigido por lei e não permitir que os espertinhos comprem ingresso onde não podem.

Espero que a diretoria olhe para trás, desde de 2009, e veja o que deu certo lá atrás e o que não pode ser repetido neste ano, que nos fez ir para o fundo da tabela. Não vou criticar o time antes dele entrar em campo, mas vou confessar que não estou muito animado com o que estou vendo. Não espero nenhum título para o próximo ano e nem tenho esperança de voltarmos para a série A já em 2013. Acho mais provável ficarmos alegres com as derrotas do Tombense (e quem sabe um novo rebaixamento) do que propriamente com nossas vitórias.

Entretanto, como sou torcedor, na hora que a bola rolar, vou estar lá no estádio, incentivando este time sueco de muitos sons do Ovelha. Quem sabe eu me surpreenda e no início de maio estarei comemorando mais um título para a coleção avaina. É futebol, tudo pode acontecer.

Desejo a todos, avaianos, multicoloridos e torcedores de outras cores, um ano de 2012 de muita saúde, paz e alegrias. Que saibamos nos divertir, tendo em mente que o futebol é a coisa mais importante das coisas sem importância da vida. Não vale nada e muito menos um briga. O que vale é saber vencer e brincar e saber perder e escutar a gozação na boa. A nossa vida segue, independente dos resultados do nosso time.

FELIZ 2012 e até o ano que vem.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

A arrogância da imprensa

Antes de mais nada, quero deixar claro que vou escrever sobre a imprensa esportiva que se dedica ao futebol (mas que dá pitaco em todos os outros esportes). Talvez muito do que vou escrever possa se aplicar a outros esportes e até outros setores da imprensa, mas não é meu objetivo.

Acho que este pessoal que trabalha na imprensa esportiva não lê o que escreve, nem escuta o que fala. A grande maioria dos "especialistas" achava que o Santos poderia conquistar o título mundial de clubes e agora, na maior cara de pau, dizem que o resultado do jogo de domingo era esperado. Eles realmente ainda estão na época do "futebol é uma caixinha de surpresa" e "dentro de campo são onze contra onze".

Nas mesas redondas, quadradas e até nas bicudas espalhadas pelo Brasil, o assunto de hoje era o jogo, ou o baile, como queiram, que aconteceu na manhã de domingo. Análises das falhas táticas do time do Muricy, exaltação da organização e eficiência do time do Guardiola e críticas ao modelo do futebol brasileiro, seus cartolas, técnicos e jogadores.

É óbvio que os times europeus são mais organizados e mais ricos e que os melhores atletas atuam nos times daquele continente. É também claro que o time do Barcelona é um fenômeno e uma exceção a regra, mesma dentro da Europa, onde o adversário com mais chances, mesmo que pequena, de derrotá-lo, é o arqui-rival Real Madrid. Os demais também são facilmente dominados pelo time catalão. A diferença é que não fazem o papelão que os protegidos da imprensa fizeram no Japão.

Entretanto, acho que estes "especialistas" também deveriam refletir sobre a qualidade da imprensa brasileira. A grande maioria não entende nada de futebol e vive repetindo os bordões e as idéias de mais de 30 anos. Muitos deles não têm curso de jornalismo e sequer fizeram qualquer curso sobre futebol. São autodidatas e seu embasamento teórico, quando existente, é firmado na leitura (não muitos) e na escuta de outros pares. Ou seja, cegos guiados por cegos. O que falam num jogo, não vale para outro. O discurso de uma partida é substituído por outro completamente contrário em outro certame, mostrando toda a falta de coerência, característica daqueles que, por não terem solidez nos conhecimentos, mudam de idéia a todo momento.

Desconfio que muitos deles utilizam na sua vida profissional o mesmo artifício que acusam acontecer nos gramados, que é o de usar o QI para conseguir uma vaguinha aqui ou ali. É constrangedor ver a babação de ovo que acontece, por exemplo, nos programas comandados pelo locutor-estrela da rede da família Marinho. Quanto mais novo, maior a lambida. Todos de olho numa futura promoção, que com certeza, deve passar pelo aval do mestre-mor. O mesmo acontece em outros canais e estações, como alguns perto de nossa casa. É a continuidade da mesmice e da mediocridade, em seu pior sentido.

É claro que nesta terra de cego você encontra caolhos, alguns que precisam usar óculos, mas pelo menos enxergam alguma coisa e até alguns privilegiados com visão clara do que acontece nos campos de futebol. Destes últimos existem poucos, pouquíssimos, que se você pensar muito, não vai lembrar de mais do que 10 nomes. São profissionais que demostram conhecimento da história dos clubes, das regras do futebol, do regulamento do campeonato, dos jogadores de diversos times, da tática utilizada em vários times do mundo e muitas outras coisas. Nada mais natural esperar isto de quem vive do futebol. É como um médico que tem que se atualizar sobre os diagnósticos, exames, medicamentos, equipamentos e tratamentos que estão surgindo a cada dia. Ele não pode continuar exercendo sua profissão apenas com os conhecimentos que adquiriu na faculdade. Se em outras profissiões isto é obrigação, no futebol, é coisa rara.

A qualidade do futebol brasileiro reflete a qualidade da imprensa esportiva e vice-versa. Há brilhos individuais, mas no coletivo, estamos atrás de outros países. O pior é ver a arrogância destes torcedores que escolheram trabalhar na imprensa esportiva mas esqueceram de se preparar para isto, criticando e acusando a todos, sem olhar para o próprio umbigo.

domingo, 18 de dezembro de 2011

Que vareio!

O time do Santos, babado em verso e prosa pela imprensa brasileira, caiu de 4 contra o Barcelona, num baile como nunca se viu numa final do mundial de clubes. O mimadinho e companhia mal conseguiram tocar na bola. Acho que os gandulas tiveram mais posse de bola que o time da Vila. A cada 10 minutos de bola rolando, o time da Catalunha ficava com ela durante 7 minutos.

Se o time do Barcelona tivesse que ganhar de 8, era capaz de forçar o jogo e conseguir marcar. A diferença foi gritante. Os "craques" da Vila foram espectadores privilegiados, podendo assistir de perto o toque de bola do time espanhol. Em alguns momentos do jogo, parecia que os jogadores do time grená estavam brincando de bobinho com os jogadores de branco.

Era o resultado esperado. O chato é assistir a imprensa tentando minimizar o fiasco santista. Se seu time leva de 4 numa final, fica com apenas 29 % da posse de bola, como dizer que não foi vexame? Não interessa se do outro lado tem um time espetacular. Eles não achavam que o time da Vila podia encarar o campeão europeu? Agora ficam dizendo que o Santos está de parabéns, que fez bonito, que isso que aquilo. A verdade é que pensavam que podiam e descobriram já nos primeiros 15 minutos que não ia dar.

Para terminar, fico com a frase do mimadinho, que pelo menos na entrevista, teve bom senso:
“Tomamos uma aula de futebol do melhor time do mundo”.

sábado, 3 de dezembro de 2011

Vamos encher a Ressacada

Chegamos na última rodada de uma maneira que nenhum avaiano queria. Estamos rebaixados e vamos jogar dentro de casa contra o Tombense ainda vivo e disputando uma vaga para as Américas.

Desde o começo achei esta fórmula de fazer clássicos na última rodada um perigo. Não é porque o Avaí está sem nenhuma chance, mas é porque se fosse em outra rodada no meio do campeonato, teríamos casa cheia e um jogo eletrizante. Apesar de que desta vez, vários jogos valerem alguma coisa, sempre é um risco, pois poderia muito bem acontecer de alguns clássicos não estarem valendo nada, causando um prejuízo para o mandante, como o é o caso do Avaí, num jogo, como já falei, que seria casa cheia se acontecesse em qualquer outra rodada.

O jeito é fazer uma limonada com os limões que temos na mão. Não tem como escapar do rebaixamento? O rival já está garantido na Sulamericana? Ok. Sobrou a esperança de acabar com o sonho deles de ir para a Libertadores. De quebra, temos a chance de impedi-los de fazer uma campanha melhor no brasileirão que o Leão fez em 2009, quando conquistou 57 pontos e terminou na sexta colocação.

A diretoria fez muita besteira em 2011? Os jogadores não renderam nem perto do esperado? A maioria não serve para vestir a camisa do Avaí? Tudo é verdade, mas neste domingo tem clássico e pelo menos durante os 90 minutos do jogo, temos que esquecer isto tudo.

Temos que encher o estádio que é nosso, apoiar o time o tempo todo, vibrar com os  gols que hão de vir e fazer a festa por mais uma vitória no clássico.

Protestar? É claro que pode, mas depois do jogo, independente do resultado. Tudo, é claro, sem violência. Aliás, o torcedor tem que ir no jogo com o espírito desarmado. A vida vai prosseguir e não vale a pena, mas não vale mesmo, brigar ou se meter em confusão por causa de futebol.

Se queremos no futuro brincar com eles e querer que tudo acabe numa boa, temos que mostrar agora que sabemos levar na esportiva. O futebol é cíclico e o vento que sopra de um lado hoje, haverá de soprar para outro amanhã.

Apesar do desânimo, ainda é possível gritar:

Eh, oh, eh, oh, vai pra cima deles, Leão!

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Os ingressos

Estava para escrever sobre este assunto na semana passada, por conta da celeuma sobre a compra dos ingressos dos corintianos nos setores para a torcida do time do Estreito. Agora, com a aproximação do clássico, parece que o mesmo problema irá ocorrer, com a turma de lá querendo comprar ingresso nos setores reservados para os torcedores avaianos.

Tanto no primeiro como no segundo caso, tenho a mesma opinião.

1 - Quem está comprando ingresso no lugar errado não poderia nem entrar. E o pior é a polícia proteger estes malas que se acham no direito de sentar onde não podem. Tinha é que pegar os caras pelo cangote e expulsar do estádio. Se comprou onde não podia (e sabia que não podia), não tem nem que reclamar da devolução do dinheiro. O que não se pode é beneficiar o cara que faz a coisa errada.

2 - É um desrespeito ao sócio que tiver que sair do seu lugar reservado, para não correr o risco de entrar numa confusão. Ele paga o anda inteiro para ter a comodidade e o sossego de sentar naquele lugar. Não é justo que ele tenha que sair do lugar. Quem está errado são os outros.

3 - Para evitar esta confusão, bastaria a diretoria tomar uma única atitude: com exceção do setor dos visitantes, todos os demais ingressos só serão ser vendidos para sócios. Todo torcedor avaiano deve conhecer um sócio e por isso não teria problema nesta venda.

4 - A diretoria tem que entender que mais importante que o dinheiro que vai arrecadar com os visitantes extras, é ter a maioria absoluta no estádio. Não tem sentido dar armas para o adversário, e deixar ter mais torcedor adversário do que a lei exige, é fazer isto.

5 - Esta situação não é exclusiva do clássico. Infelizmente esta diretoria já fez isto em muitos outros jogos, deixando torcedores do Vasco, Inter, Grêmio, etc., sentarem na área coberta, onde deveria ficar apenas torcedor avaiano.

6 - Deixar o torcedor visitante tomar o lugar do torcedor avaiano é um desrespeito para o torcedor do Leão. Não me importo se os lugares vão ficar vazios, o que eu não quero é ver a torcida adversária num lugar que deveria ter só avaiano.

7 - Agora que a m. já está acontecendo, sugiro que a torcida avaiana chegue cedo na Ressacada e se espalhe por todos os setores, de maneira a não deixar a torcida deles se amontoar em qualquer canto. Eles só vão ter coragem de se manifestar se estiverem em um grande grupo. Separados, vão ficar quietinhos o jogo inteiro.

8 - O torcedor tem que estar consciente que isto é apenas futebol e que a violência não leva a nada. Vamos ter que aturar gozações, mas nossos dias de fazer as brincadeiras não demorarão a voltar.

Será que a diretoria aprende algum dia, ou estou me iludindo?

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Novo (?) plano de sócios

O Conselho Deliberativo aprovou um novo plano de mensalidades. O que falar dele?

A redução da mensalidade mostra que eles estão preocupados. Será que se o time tivesse se escapado do rebaixamento teriam feito isto? Tenho sérias dúvidas em relação a isso. Deram as costas para os sócios durante os últimos dois anos e agora acham que vão me convencer que estão preocupados comigo? Estão preocupados é com as cadeiras vazias que vão ficar na Ressacada no próximo ano. Sabem que fizeram muita besteira e agora mudaram o discurso.

O que a diretoria e os gênios que transitam por lá precisam entender é que a hora de tratar bem o sócio era justamente na época das vacas gordas, para que na época de vacas magras que estamos começando, ele permanecesse fiel ao clube que lhe tratou com respeito. Mas isso não aconteceu. Infelizmente, o pensamento da maioria destes caras (muitos deles que acho que não pagam um tostão para ver os jogos) é que na hora que o time está em alta, aproveitam para meter a faca, pois sabem que muitos se mantém associados com receio de sair e não ter mais vaga quando quiser voltar. Eles se aproveitam da maré boa para fazer gato e sapato com a gente. Agora, que sabem que vai sobrar vaga, estão com medo do torcedor dar o troco e dizer: agora quem não quer sou eu.

Não vou discutir os valores, pois cada um tem seus argumentos e alguns irão dizer que assim está bom, outros que ainda está caro e talvez até alguns possam dizer que nem precisava tanto (quase ninguém). A única coisa que não entendo é porque os valores do setor A não tiveram nenhuma redução. Se todos dizem que o preço dos ingressos em setores semelhantes do estádio não podem ser diferentes (é por isso que não dá para aumentar o preço dos visitantes sem aumentar o preço do outro lado), como que os preços das mensalidades do setor A podem ser diferentes dos setores C, D e E?

Qual a diferença entre os dois setores? Não me venham dizer do sol na cara, pois daí vou querer um bom desconto na minha cadeira que pega chuva quando bate o vento, enquanto quem está 5 degraus acima de mim está na boa, mas pagando o mesmo que eu. Também não vale dizer que o pessoal do setor A tem mais dinheiro que os demais porque o preço tem que estar relacionado pelo que se oferece e não por quem está pagando. No meu caso, R$ 95,00 por mês faz muita diferença e aqui em casa não tem plantação de dinheiro pra eu colher.

Será que nos setores C, D e E não tem banheiro? Será que não tem bar vendendo comida e bebida? Será que as cadeiras de lá são piores para sentar (aliás, acho que são até melhores, pois são mais novas)? Será que o setor A é mais caro porque as casamatas ficam deste lado e é mais fácil xingar o treinador? Será que o setor A é mais caro porque as cabines da imprensa ficam daquele lado e dá para xingar o MAL e apontar o dedo médio para ele?

Também não vou aceitar alguém dizer que se não quero pagar este dinheiro, que mude de setor. O que estou reclamando é justamente do tratamento diferenciado que estão dando para torcedores que ocupam lugares semelhantes no estádio.

Esta é mais uma mancada desta diretoria, entre muitas que já deu. Já estou de saco cheio de tudo isso.

É o Avaí me convencendo a cada dia para deixar de gastar meu suado dinheiro com ele.

domingo, 27 de novembro de 2011

Derrota feliz

Estava em outro compromisso e só consegui assistir aos últimos 15 minutos de jogo, quando ainda estava 0x0. Não fiquei nem um pouco triste com o gol que levamos, até porque, como já escrevi antes, estava pensando até em torcer para o Coritiba, pois era o resultado que podia dar chance ao time paranaense chegar a Libertadores e consequentemente, tirar a vaga do Tombense. Não vibrei com o gol, mas foi aquele sentimento: é, ..., acho que foi melhor assim.

Não estou preocupado com a lanterna, pois o fato de ser rebaixado é o pior que pode acontecer. A colocação é o de menos para mim. Os torcedores de Ceará, Cruzeiro ou Atlético-PR não vão ficar menos tristes se forem rebaixados na 17a colocação. O destino, que é a série B, é o mesmo. Como não vi o jogo, não posso comentar sobre ele, e mesmo que tivesse visto, acho que nem valeria a pena.

O que vale agora é pensar no clássico e daí sim uma vitória pode significar duas coisas importantes:

A primeira é a não classificação dos amarelões para as Américas. Acho que as últimas duas vagas ficarão com Flamengo e Coritiba. A segunda, se refere a melhor campanha de um time catarinense na série A. Se o Leão vencer o time das letras no próximo domingo, manterá o "título" que conquistou em 2009. Pode não significar muito, mas podem ter certeza que se eles não se classificarem, mas conseguirem pelo menos um empate, a turminha da imprensa vai logo estampar isto como uma grande conquista.

O ano que vem será cruel, mas o fim deste ano ainda pode nos proporcionar uma leve alegria. Mesmo que isto possa esconder uma verdade maior, que é o rebaixamento, vencer o time da Ana Paula e acabar com o sonho deles, seria bom demais.

domingo, 20 de novembro de 2011

A derrota do professor Edson Pardal

Aconteceu o que a gente já esperava. O Leão não foi páreo para o Vasco, que dominou completamente o jogo, principalmente depois da expulsão do corintiano Urso e das incríveis substituições do professor Edson Pardal Neguinho.

Tirar o Cléverson? Tudo bem que ele não é nenhum craque, mas era nossa única chance de ataque. Depois tirou o Lincoln. Bem, por pior que ele estivesse, não ia ser o Marcos Paulo que ia resolver o jogo.

Acho que nessa limpa do Avaí, tinha que aproveitar e mandar este interino embora também, porque se ele me faz umas substituições como essa, o que ele pode ajudar como auxiliar? Ovelha, abre o olho.

Quem sabe o jogo serviu para o Ovelha ver quem é que serve para ficar para o ano que vem. Vai ser uma missão difícil para ele.

Agora é jogar contra um Coritiba que ainda tem esperança de chegar na Libertadores. Acho que vou até torcer para os Coxas, para ver se eles tiram a vaga do Tombense. Mas tem que ser de pouco, tipo 2x0, como foi o jogo do Vasco, para eu não sofrer demais.

E daí, na última partida, esperar que os jogadores tomem vergonha na cara e joguem tudo aquilo que não jogaram durante o campeonato, e terminam o ano com uma vitória contra o time alvinegrorosado (ou será alviamarelado?).

E esse 2011 que não acaba.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Notas de final de campeonato

Estou num hospital, aguardando a cirurgia de minha esposa e para espantar um pouco da tristeza que estou vivendo, resolvi escrever um pouco. Aliás, tenho que confessar que o virtual rebaixamento do Avaí não me balançou muito, pois o futebol é realmente uma coisa sem importância quando comparado aos assuntos de nossa vida particular, principalmente quando se trata de saúde. Este também é um dos motivos que minha produção de textos está parecida com a do ataque do Leão, quase nula.

Porém, como o futebol serve justamente para a gente esquecer nossos problemas pessoais, vou escrever um pouco sobre o momento avaiano.

Jogo contra o Cruzeiro

O mais do mesmo. Nosso ataque não faz gol. A diferença é que desta vez, a defesa não levou. É o que o time do Cruzeiro também é horroso. Anselmo Ramon e Farias é dose.

Virtual rebaixamento

Se antes já era difícil de imaginar (mas até dava para acreditar) que o Avaí ia conseguir mais vitórias em 5 rodadas do que no resto do campeonato, agora só acreditando em Papai Noel. Não tem como tirar o incrível saldo de gol negativo que temos, ainda mais jogando contra Vasco e Coritiba. Agora é começar o planejamento para ver se 2012 seja melhor.

Últimos jogos

Espero que pelo menos os jogadores mostrem amor a camisa e evitem um vexame nestas partidas contra Vasco e Coritiba. Se eles querem um dia voltar a passear sossegadamente em Florianópolis (nem estou dizendo em jogar no Avaí), é bom eles se esforçarem e vencerem o Tombense na última rodada. Certamente não vão virar heróis, mas pelo menos irão melhorar a imagem deles perante a torcida, principalmente se esta vitória significar a não ida das bambis para as Américas.

Mauro Ovelha

Nem de longe era meu preferido. Não gosto de falar mal de técnico que nem começou a trabalhar, mas esta aposta do Avaí é perfil de time pequeno. Será que eles não tem dinheiro para contratar um Renê Simões? É claro que vou torcer por ele, mas espero que seu único sucesso não seja o título catarinenense. Nossa meta no próximo ano não pode ser outra senão voltar para a série A. E isto não é coisa de metido ou que pensa que é time grande. Isto tem que ser pensamento de torcedor avaiano (e de dirigente, técnico e jogador).

Nova estrutura

Não conheço ninguém e não posso falar mal deles. Só posso dizer que a diretoria errou tudo que podia nestes últimos dois anos. Desde as mensalidades, os ingressos, as escolhas e as trocas dos técnicos, a preperação do time, tudo. Foi um enredo que só podia dar no que deu: rebaixamento. Só peço que eles tomem cuidado para a gente não ir direto para a série C, como já aconteceu com outros time. Todo cuidado é pouco.

Renovação do plantel

Espero que o Ovelha tenha cuidado em quem ele vai escolher para ficar (se é que ele vai poder fazer isto). Tem alguns jogadores que não podem ficar, por falta de qualidade mesmo. Romano, Welton Felipe e mais alguns (ou muitos) tem que tentar a vida em outro clube. Aqui não mais. Outros, que até tem qualidade, mas são perseguidos pela torcida, também não tem mais clima para ficar por aqui. Cito Robinho, Dirceu, Daniel e Diogo Orlando como os escolhidos para a ira da massa avaiana. Tem alguns queridinhos que eu não manteria na equipe porque acho que não é difícil encontrar melhores que eles. Nesta lista, incluiria o Rafael Fat Coelho e o Cássio. Tem aqueles que não são caros e podem ajudar a equipe para o ano que vem e tem a cara da série B, como o Bruno, o Júnior Urso e o Fernandinho. Seria um sonho poder manter o Lincoln, mas duvido muito que isto aconteça. Willian, apesar da identificação com a torcida, não está passando um bom momento e não sei se deveria ficar, pois já mostrou que pode ir embora a qualquer momento, dependendo da proposta.

A limpa tem que ser grande, mas não adianta mandar embora para depois contratar gente pior.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Pequenas notas

Não tenho escrito muito, mas não é por causa da situação do Avaí ou por tristeza. Estou com outros compromissos que não me permitiram fazer as postagens durante a semana passada, nem após o jogo contra o São Paulo.

Derrota para o São Paulo

Assisti apenas ao primeiro tempo do jogo do Morumbi, pois tinha um compromisso no mesmo horário do segundo tempo. O time até que não estava mal, marcava bem, apesar de algumas falhas do Daniel, e até chegou no gol do Ceni mais do que eles chegaram no gol do Felipe. Mas daí veio o segundo tempo e os dois gols costumeiros apareceram. Mais uma derrota e só um milagre daqueles que acontecem a cada 1000 anos para o Leão se salvar. Parece que o Leão é o time do primeiro tempo. É só ver quantas partidas ele jogou bem o primeiro tempo e até terminou vencendo ou empatando.

Treinador

Agora vem a notícia que o TC foi demitido. Já foi tarde. Deveriam tê-lo demitido após o jogo contra o Ceará, e talvez até antes, como muitos queriam. A diretoria deveria já contratar um bom treinador para já começar o trabalho para 2012. Renê Simões, antigo sonho de muitos torcedores está dando sopa. Não esteve bem nos últimos trabalhos, mas talvez seja um ótimo nome para um recomçeo de trabalho. Ele não conseguirá tirar o Avaí de onde está neste campeonato, mas pode começar a preparar o time para o ano que vem.

Cruzeiro

Hoje era para ser aquela partida para continuar sonhando na permanência, mas pode ser uma noite de escuridão sem fim. Não sei se existe diferença entre ser rebaixado com antecedência ou na última rodada, com a torcida dentro do estádio, torcendo para um outro clube fazer um gol para salvar seu time, como aconteceu com uma certa torcida mixuruca que tem aqui perto. De qualquer maneira, prefiro adiar este pesadelo o quanto puder. Por isso, espero que os jogadores lutem para conseguir uma vitória. Não importa se nossas chances são pequeníssimas. Importa que hoje queremos a vitória, independente do que nos espera amanhã.

Torcida

Li que tem gente incentivando a torcida para jogar coisas no gramado para interditar a Ressacada para o jogo contra o Tombense ser noutro lugar. Que coisa pequena. Além disso, é provável que a punição só ocorra para o ano que vem, pois não há tempo para julgar o time para este campeonato. Então, o tiro pode sair pela culatra. Se o time não foi digno da série A, pelo menos vamos mostrar que a torcida é.

domingo, 6 de novembro de 2011

Agora, só com milagre

A rodada que já não tinha começado boa para nós, no sábado, com as vitórias do time do Papai Joel e do Galo e a derrota do time do Harry Potter, terminou ainda pior, com esta derrota para o time cearense. Se o Leão tivesse feito a sua parte, com a derrota da raposa mineira, poderiamos ainda sonhar com a permanência na série A. Agora ficou quase impossível.

Olha, não dá vontade nem de falar do jogo, pois foi um desgosto só. O time vinha bem até levar o primeiro gol. Daí, parece que desligaram os jogadores da tomada. Eu não consigo entender este abatimento do time.

No segundo tempo, sem nenhuma organização e com a criatividade do TC em colocar primeiro Caíque e depois Marcos Paulo e Anderson Lessa, era sinal de que poderíamos jogar mais dois tempos de 45 que a gente não ia empatar.

Levamos um segundo gol, mesmo que com impedimento na origem da jogada, numa trapalhada dos dois zagueiros. Caçapa escorrega e Gian esbarra com ele. Eu não consegui acreditar quando vi aquilo. Era o fim. Realmente, não conseguimos ficar um jogo sequer sem levar dois gols.

Nem sei mais o que pedir aos jogadores, pois é difícil de acreditar numa virada. Espero pelo menos que joguem com dignidade as últimas partidas, para não levar nenhuma goleada de São Paulo ou Vasco.

A matemática ainda  não condenou o time para a série B, mas o futebol que está jogando sim.

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Balanço da Rodada


Demorei, mas voltei a escrever. Mais um cavalo encilhado passou... e foi embora. E quase todo mundo trabalhou a nosso favor. Estão pedindo para o Leão sair do poço, que tem mais gente querendo entrar, mas ele não quer sair de lá.

Juiz confuso e imprensa babando - é só o mimadinho cair na área que tem soprador de apito correndo para a marca da cal. É muita babação de ovo pra cima do guri. No fim, o peixe detonou a brisa do Paraná, que continua no poço. Bom resultado para o Leão.

Salvo pelo Loco – num jogo difícil, a raposa saiu queimada, mas quase rouba um ponto do time do Harry Potter, que continua sua luta para as Américas. Já o time mineiro fica cada vez mais perto do poço. Bom resultado para o Leão.

Vovô se cansou – acho que o time do Padim Ciço não sai mais do poço. Dessa vez, perdeu para o time das Laranjeiras, que como bom bipolar, alterna bons e maus jogos. Ótimo resultado para o Leão.

Leão leva virada – mesmo com um jogador a mais, os comandados do TC não souberam segurar o ímpeto dos alvinegros paulistas, queridinho da TV Bobo. Era a chance de ganhar os pontos fora de casa que precisava.

Trem da Colina para e perde o topo – o time da faixa de miss perdeu a oportunidade de manter a liderança, e não conseguiu fazer nenhum gol no substituto do RC. Acho que a lenha da máquina está se apagando. O time do Leão (o treinador) está cada vez mais longe de voltar para as Américas.

RG não brilha, mas André Lima sim – quem diria, num jogo com craques como RG e Tiago Lima e ótimos jogadores como Douglas e Marquinhos, quem brilhou foi o André Lima, com aquela barbicha horrorosa. A torcida encoxada que estava magoadinha ficou contente e o time do profexô perdeu uma posição e já começa a ver os adversários na disputa pelas Américas no retrovisor.

Eles sonham – podem continuar sonhando. Não vão chegar onde querem.

Galo faz sua parte – o time do Cuca venceu o do Felipão. O time de Minas parece que vai escapar mesmo da morte e o italiano tem que caprichar muito para cair no poço. Péssimo resultado para o Leão.

Coxa mata o Coelho de vez – o time B do Leão venceu o time pequeno de BH, que pelo jeito, não vai mais largar a lanterna. O time do Paraná garantiu sua permanência na série A do ano que vem, e acho que seu único interesse agora é afundar o rival, pois dificilmente chega nas Américas.

Acabou o fogo do Dragão – mais um time que vai entrar em férias antecipadas, pois não sonha com mais nada. Precisa de apenas 3 pontos para se garantir na série A do ano que vem e não luta por mais nada. Já o colorado voltou a sonhar com as Américas, o que tem boas chances.

Continuamos na mesma posição e com a mesma distância para fora do poço. A luta continua, companheiro.

domingo, 30 de outubro de 2011

Dois tempos, dois times, dois futuros

O jogo de hoje nos mostrou dois times. O que venceu o primeiro tempo e o que perdeu o segundo.

Vou começar pelo time do segundo tempo, que é o que mais estamos acostumados a ver. Um time com uma defesa que não consegue ficar um jogo sem levar gol, volantes que não conseguem acompanhar os meias adversários, meias que não seguram a bola e pouco criam e atacantes que não aproveitam as chances que aparecessem. Este time, que alterna dentro da mesma partida, bons e maus momentos, vive sob o fio do detalhe: se isso não tivesse ocorrido, se aquilo tivesse acontecido. No jogo de hoje, não levamos tanto sufoco, mas nas poucas vezes que o time paulista chegou, fez dois gols. O time não conseguiu tocar a bola, mesmo com um jogador a mais. O medo de perder a bola era grande e a todo momento a bola era recuada para os zagueiros ou para o goleiro. Não havia aproximação, e poucas tabelas aconteceram. O time não soube aproveitar a vantagem que tinha de um jogador a mais. Faltou nosso matador matar. Com esse futebol, nosso destino será cruel.

Já o time do primeiro tempo é aquele que pode nos salvar. A previsão de muitos era de goleada e de um jogo fácil para o time paulista. Eles começaram em cima, muito natural para quem joga em casa, com o estádio cheio, sendo vice-líder do campeonato e jogando contra um time que está na zona do rebaixamento. Não se podia esperar outra coisa. Mas o time soube se portar bem durante os primeiros quarenta e cinco minutos. Felipe deve ter feito apenas uma grande defesa e a zaga cortou várias bolas. Na primeira chance que tivemos, Robinho acertou o canto do goleiro. Ainda tivemos mais uma duas oportunidades, mas não tão claras. O time não foi brilhante, mas foi eficiente. Aproveitou a chance que teve e não permitiu que o adversário criasse oportunidades. A sorte também estava a seu lado, pois algumas bolas poderiam ter entrado se o time adversário tivesse acertado no gol. E olha que Lincoln não jogou tudo que sabe e pode.

Sei que até o final do campeonato teremos que aguentar os dois times se alternando. Se por um lado, o time do segundo tempo nos desanima, o time do primeiro tempo nos dá a esperança que ainda nos resta, que é possível sair do buraco. Se contra o poderoso time da Globo, conseguimos vencer os primeiros 45 minutos, por que não sonhar que podemos também vencer os times que nos resta enfrentar? Não será fácil, mas com este time, o do primeiro tempo, eu acredito.

Mais uma carroça que passou

O time jogou um bom primeiro tempo e teve mais oportunidades que o time paulista, podendo até fazer 2x0. No segundo tempo, voltamos recuado, mas Willian teve a bola do jogo, num cruzamento do Fernandinho. Falamos muito mal da defesa, é verdade, mas dessa vez, foi nosso atacante que deixou a desejar. Um gol daquele não poderia ser perdido por nosso artilheiro.

Nem parecia que o time  do Avaí tinha um jogador a mais em que campo. Aliás, tem que pedir para os juízes não expulsarem mais jogadores do time adversário, porque sempre que isso acontece, parece que o time se perde em campo. Não sabe aproveitar a vantagem que tem.

O time preferido da Globo até jogou com muita vontade, mas se a defesa tivesse aguentado só um pouquinho mais, a vitória teria acontecido, pois o time deles nem jogou tão bem assim.

Levar um gol no contra-ataque, jogando com um homem a mais e na casa do adversário, é demais para minha cabeça. No segundo gol, mais trapalhadas da zaga. Um bando de jogadores, que não sabem se colocar na área. Felipe falhou é verdade, mas não vou culpá-lo pela derrota.

Eu não contava com estes pontos, mas foi doloroso ver o time perder uma oportunidade desta, ainda mais que a rodada estava toda a nosso favor.

Ainda dá tempo para escapar, mas a margem está mais curta do que nunca.

Tem que vencer o time do Ceará, na próxima rodada, e tentar cometer o crime que não fizemos hoje, contra o São Paulo, daqui a duas semanas.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Balanço da Rodada


Já estamos quase chegando na rodada seguinte, mais ainda dá tempo de falar nesta última que passou. A luz voltou a aparecer no túnel e já está quase ao alcance da mão. Quase tudo foi a nosso favor.

Verdão e Felipão – um casamento que está para acabar. A sorte deles é que fizeram muitos pontos no início do campeonato, quando chegaram a disputar a ponta. Mas o time é ruim, e apesar da tradição, não merece a colocação que está.

Galo chupa laranja e bate as asas – numa vitória surpreendente, o time do Cuca conseguiu uma grande vitória contra o bipolar time do pó de arroz. Agora que conseguiram sair do poço, dá até para acreditar que vão conseguir se escapar. Já o time o Abel ainda sonha com as Américas. Péssimo resultado para o Leão.

Leão não se assusta com fogo – numa vitória da vontade e do aproveitamento, o Leão encarou a estrela amarela solitária e conquistou mais três pontos, renovando as poucas esperanças que ainda tem.

Coelho cada vez mais fundo - tudo ainda é possível, mas acho que não tem mais jeito para os mineiros. A torcida, que já não é grande, não acredita mais. Já os imortais do sul vão ficar pelo meio da tabela e disputar a Sulamericana.

Empatados e empacados – o time paulistano parece estar fazendo força para não se classificar para a Libertadores, coisa que achava certa, mas que agora já está se tornando mais difícil. O time do Alto da Glória perdeu o encanto do início do ano e apesar de não correr risco de rebaixamento, seu único passaporte será para a Sulamericana.

Colorados e desanimados – assim está o time vermelho dos pampas, que apesar do bom elenco, não vai chegar entre os cinco, como planejava. Levou um empate no final, num chutaço do Alex, para o Timão, que contou com a colaboração do goleiro vermelho, que pelo jeito, não conhecia o potencial do ex-jogador colorado.

Vovô caiu no poço – o furacão voltou a soprar, não com muita força é verdade, mas o suficiente para derrubar o Vovô cearense para dentro do poço. Acho que vai ficar entalado lá dentro. Já a brisa paranaense deu um respiro, mas é outro que vai ficar na zona da morte até o fim. Alguns pensam que o empate era o melhor, mas eu acho que a vitória paranaense foi melhor para nós.

Trem atropela baianos – o time do papai Joel está quase livre da zona da morte, mais ainda corre riscos. Já o pessoal da Colina continua firme em busca do título. Ótimo resultado.

Urubu não comeu o peixe – num empate sem sal, os meninos da Vila não conseguiram garantir os pontos para abandonar o campeonato de vez e vão ter que continuar a jogar sério pelo menos por mais uma partida. Já o pessoal da Gávea continua na luta pelas Américas, pois o título ficou mais difícil. Resultado bom, pois obriga os mimadinhos a continuarem se esforçando.

Dragão deu mole para a Raposa – num jogo muito estranho, em que o time de Goiás jogava melhor e comandava a partida, o time de BH conseguiu uma virada e uma sobrevida. Será que aquele objeto preto já começou a circular pelos gramados e vestiários? Resultado ruim, apesar de esperado.

Continuamos na mesma colocação, mas a distância para sair do poço diminui um pouquinho. A esperança continua, mas teremos que esperar por um milagre nas próximas rodadas.

domingo, 23 de outubro de 2011

A esperança continua

Tive uma semana um pouco atribulada e por isso não pude fazer nenhuma postagem. Também não pude ir ao jogo, mas assisti pela tv.

Se o time não foi brilhante, conseguiu o mais importante, que era a vitória. O Botafogo teve um pouco mais de domínio do jogo, mas nada assustador, pois o Avaí também perdeu algumas chances de gol.

Felipe fechou o gol. Acho que é um ótimo goleiro, mas na partida de ontem, as grandes defesas foram no primeiro tempo, nos chutes do Maicossuel e do Herrera (este a queima roupa) e no segundo tempo, na defesa do chute do Renato (no erro do Bruno) e na saída perfeita para tirar a bola do Loco Abreu. Não é pouco, é claro, mas parece até que o time da Estrela Solitária deu um banho de bola e isso não foi verdade.

Estou escrevendo isso, porque tem muita gente da imprensa desmerecendo a vitória do Leão, falando que foi graças ao goleiro. Interessante que quando o goleiro do time deles (sabe qual) evita a derrota, ele é exaltado, mas não se fala mal da defesa deles. Não entendo a lógica.

Voltando a falar do nosso time, elogios para Caçapa, ainda um pouco fora de ritmo, mas com um senso de posicionamento bem melhor que os outros, tirando várias bolas. Gian não esteve muito bem. Pra variar, levamos dois gols e nossa sorte foi que o ataque fez três. Só desse jeito para a gente vencer.

Entretanto, considero que no primeiro gol, a falha foi do Willian, que estando dentro da área para ajudar na marcação, deixou Loco Abreu livre para a primeira cabeçada e depois ficou olhando o uruguaio aproveitar a bola que sobrou para estufar a rede.

Já no segundo gol, novamente a marcação com os olhos e a distância. Cortês cruzou na medida para Loco Abreu que deu um "chega pra lá" no Fernandinho e deu um passe de cabeça para Renato. Gian ficou no meio do caminho, sem saber quem marcar e Caçapa estava atrasado no lance.

Em relação aos nossos gols, elogios ao Fernandinho que levantou a cabeça e cruzou na medida para Robinho, que teve calma e categoria para matar a bola e chutar para o gol. O perseguidinho da torcida fez o gol do empate.

No segundo gol, uma pintura de Cléverson, que se tivesse mais fôlego e vontade, já tinha arrumado um contrato num outro clube, pois futebol ele tem. Esteve bem no primeiro tempo, mas estava apagado no segundo. Não sei se cansou, mas ele também não é este craque todo de deixar no campo, na esperança de que, numa jogada isolada, possa decidir a partida. Menos camarada.

No terceiro gol, deixaram Lincoln livre (acho que um dos poucos momentos do jogo), que carregou e chutou ao gol, obrigando Jefferson a fazer uma grande defesa que sobrou nos pés do Robert. O nosso 99, um dos melhores jogadores que já passaram pela Ressacada, não esteve tão bem no jogo de ontem, talvez pela marcação, pois perdeu muitas bolas e errou vários passes. Mas ele tem muito crédito sobrando, ainda mais que foi dele que partiu a jogada do gol da vitória.

Um detalhe que me chamou atenção no gol, foi que o Robert ficou de olho na defesa, para não entrar em impedimento e assim poder aproveitar o rebote, que ele acreditou que poderia acontecer. Já Willian, não prestou atenção e estava em impedimento, mas para nossa sorte, não teve velocidade para chegar antes do Robert. Nosso camisa 9/100 não esteve bem ontem e praticamente não fez nada.

Neste altura do campeonato, o que interessa é o resultado, pois só temos mais 7 rodadas, e 5 vitórias serão necessárias. Agora é tentar fazer o crime em São Paulo.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Balanço da Rodada

O fim está chegando e a agonia aumentando. Mais uma rodada em que todos ajudam o Leão, mas ele não se ajuda.
Coelho cada vez mais fundo – os multicoloridos pensavam que iam golear, mas sofreram para passar pelo lanterna.
Vovô levou mais um tombo – a carroça desembestada parece que saiu da trilha de um vez e o condutor, o Vovô, vai acabar caindo no poço. O time da Gávea sonha com o título e é capaz de acabar nas Américas, o que eu não acreditava. Ótimo resultado para o Leão.
Felipão não vê a hora de tudo terminar – o time do Palestra Itália já está mais do que desinteressado pelo campeonato. Precisa somente de alguns pontinhos para se garantir na série A do ano que vem, o que convenhamos, é pouco para sua tradição, mas o suficiente para a qualidade do time. Já o time das Laranjeiras vai travar com seus amigos cariocas uma disputa até o final pelas vagas na Libertadores.
Peixe cada vez pior – este é outro time que só não abandonou o campeonato ainda porque precisa de mais uns pontos para se garantir no ano que vem. Com esse futebol vai levar uma lambada do Barcelona (se é que vai chegar na final). Já o time do Marquinhos é de lua. Perde em casa para o Tombense e vence na Vila. Inesperado.
Fogão tá queimando toda a lenha – o time da Estrela Solitária parece que está mesmo acreditando que pode ser campeão. Só depende deles, e aí que mora o perigo. Já a brisa do delegado vai parar de soprar em breve. Bom resultado para o Leão.
Leão não ruge e perde de novo – o medo de perder tirou a vontade de vencer. O time dos pampas não é tão bom quanto parece e não vai chegar onde quer. Vai ter que disputar a Sulamericana no ano que vem.
Timão mata a raposa – o time paulista da Globo conseguiu uma grande vitória, mesmo que a raposa esteja meio esquálida e fraquinha. O título vai ficar entre eles e os times cariocas. A raposa se aproxima perigosamente do poço e não duvido que fique entalada lá. Ótimo resultado para o Leão.
Galo é atropelo por um trem – já quase depenado, acho que o galo mineiro não tem nem mais asa para voar para fora do poço. Pode até conseguir, pelos adversários que tem em casa, mas vai ter que jogar muito mais. Já o time de São Januário continua sua luta para conquistar mais um caneco. Bom resultado para o Leão.
Empate sonolento – os coxas não conseguiram furar a muralha do Papai Joel e os baianos conquistaram um ponto muito importante, que os deixam cada vez mais longe do poço. Irão sofrer um pouco nas próximas rodadas, mas devem ficar fora da zona da morte. Resultado ruim.
Tchau Adilson – o Dragão queimou o fiofó das Bambis e de quebra, acabou com o emprego do Professor Adilson Pardal Batista. O time paulistano periga nem se classificar para a Libertadores, o que eu achava quase certo. A bola pune.
Apenas o empate dos baianos foi ruim. E claro, a derrota do Leão. Todos os demais resultados foram favoráveis. Isto quer dizer duas coisas: o Leão precisa aproveitar as chances oferecidas e nem tudo esta perdido. O fim está chegando, mas a contagem regressiva do juiz ainda não chegou ao final. O nocaute ainda não foi dado e, portanto, ainda dá para reagir.

domingo, 16 de outubro de 2011

O problema não era o Dirceu?

Não tinha muita expectativa para o jogo de hoje, apesar de acreditar que o Avaí poderia aprontar das suas. E quase conseguiu. Mas faltou aquela pegada de time pequeno. Faltou gás para acompanhar o time colorado. Diria até que faltou a vontade que o time deles mostrou em chegar em cada bola. Acho que a maioria das bolas divididas foram ganhar por jogadores de vermelho. A vitória era possível, e nem sei dizer que foram as substituições da dupla B/TC que atrapalharam.

Robinho, o perseguido, fez o gol (bonito por sinal) e se machucou. Em seu lugar entrou Leandrinho, que não foi de todo mal e até arranjou um pênalti, que Willian, muito apagado, bateu com força, para não correr o mesmo risco da último partida e marcou o gol que poderia ser o da vitória.

Todo mundo sabe que Cléverson é jogador de um tempo só. No primeiro tempo, fez a jogada do gol e até pertubou a defesa adversária. Mas ele não dá combate e fica observando o jogo. Aí sobra para os volantes e a defesa. Olha, para um jogador fazer isto, ele tem que ser muito eficiente no ataque, para daí mostrar para os outros que se eles cuidaram lá atrás, ele resolve lá na frente. Mas ele não é este craque todo e deveria sim voltar um pouquinho para ajudar.

Rafael Coelho entrou em seu lugar e não fez nada. Não, para não dizer isso, ele conseguiu tropeçar numa bola que poderia ser o segundo gol avaiano. A derrota não foi por causa disso, pois fizemos o segundo gol depois disso, mas o rapaz da praia do norte da ilha não acrescentou em nada ao ataque.

Júnior Urso não estava fazendo uma grande partida e levaria um vermelho logo logo. Ainda assim, eu arriscaria ficar com ele no campo do que colocar Batista. Seria muito melhor e se fosse expulso, paciência. Afinal, ficamos com um jogador a menos em campo do mesmo jeito, se é que você me entende.

O time fez dois gols, faltavam pouco mais de 15 minutos, mas não conseguiu segurar o ataque adversário. Fizeram falta onde não precisava, deixaram eles entrarem na área, bem a vontade, trocando passes e chutando livre. E tinha gente dizendo que o problema do Avaí era o Dirceu. Nem adianta dizer que se ele estivesse lá o placar seria maior porque ninguém é adivinho. Eu também acho que o rapaz de Curitiba meio atrapalhado e que é um dos pontos fracos da defesa, mas não posso aceitar que ele seja o único culpado das coisas ruins que acontecem ao Avaí. O fato é que Cássio não ajudou muito. Cadê o Gustavo Bastos? E o Thiago Salles, será que é tão ruim assim? O Caçapa, quando é que tu volta?

Novamente não aproveitamos uma rodada que foi toda a nosso favor, com um único time na parte debaixo da tabela, o Bahia, a pontuar. Aliás, acho que o time do Joel Santana não vai cair, mas também vai sofrer até o final.

Ainda não vou jogar a toalha pois acho que o Ceará não vai fazer muitos pontos nas próximas rodadas e se vencermos as partidas em casa e conseguimos pelo menos uns três pontos fora (aí que está o problema), ainda vai dar para escapar.

Tentando olhar por um ângulo menos pessimista, vimos que é possível encarar os outros times, ainda mais que teremos Lincoln de volta, o que faz muita diferença no time do Avaí.

Acreditando

Quando o Avaí jogou contra o Colorado gaúcho no ano passado já estávamos na rodada 34, estávamos na 18a colocação e a distância para o primeiro fora da zona de rebaixamento era de apenas dois pontos. Cabe ressaltar que o Vitória, que foi rebaixado, estava nesta rodada com 4 pontos vantagem sobre nós e na 14a colocação.

Em relação ao jogo, o time do Inter vinha pressionado em obter uma vitória, pois vinha de vários resultados ruins e estava se preparando para o Mundial de Clubes (aquele que ele perdeu para o Mazembe). E tentou vencer, basta ver a comemoração do gol de empate deles. Só que foram surpreendidos por um gol com 20 segundos de jogo. Batista ainda ampliou, mas no segundo tempo, eles empataram. Quando a torcida do tombense pensava que eles iam virar, Robinho, o perseguido, foi lá e fez o gol da vitória.

Comparando os times do ano passado com os deste ano:

Avaí: 2010 x 2011                             Inter: 2010 x 2011

Zé Carlos x Felipe (+)                       Lauro x Muriel (=)
Émerson Nunes x Gian (=)                Bolivar (+) x Rodrigo Moledo
Émerson (+++++) x Dirceu               Índio (+) x Juan            
Patrick x Arlan (=)                            Nei x Nei (=)
Eltinho (+) x Fernandinho                  Kleber x Kleber (=)
Diogo Orlando x Bruno (+)               Wilson Mathias x Bolatti (+)
Rudinei x Júnior Urso (+)                  Guiñazu x Guiñazu (=)
Batista x Batista (=)                          Giuliano x Andrezinho (=)
Caio x Cléverson (=)                        D'Alessandro x D'Alessandro (=)
Robinho x Robinho (=)                     Rafael Sóbis (+) x João Paulo
Vandinho x Willian (+)                      Alecsandro (+) x Jô

Nossa defesa piorou é verdade, apesar que até esta mesma rodada (29) do ano passado, a defesa comandanda por Émerson já tinha levado 46 gols, 13 a menos que a deste ano. Ou seja, não era tão diferente assim, apenas que no ano passado a torcida pegava no pé era dos volantes, como Diogo Orlando e Rudinei. Este ano, os escolhidos foram Dirceu e qualquer lateral que jogar.

Considero que estamos mais bem servidos no gol e na proteção da zaga, com os atuais volantes Bruno e Júnior Urso. Willian está melhor que Vandinho. Nas laterais, a comparação é doída, pois Eltinho e Patrick também não estavam jogando nada, apesar de que todos os gols da vitória contra o Inter no ano passado foram construídos pelas laterais com Patrick (no 1x0 e no 3x2) e com Eltinho (no 2x0).

Na criação não vai mudar muito, pois é provável que haja repetição de Batista e Robinho, mudando apenas  Cléverson, que até acho melhor que Caio.

No Inter, minhas comparações (+ ou =) são subjetivas, pois não acompanho o time. Mas é interessante observar que algumas peças chaves do time não mudaram, como Nei e Kleber, Guiñazu e D'Alessandro. Índio não irá jogar pois está machucado. Acho que o time do ano passado era melhor que o deste ano.

Para concluir, se no passado, com aquele time horroroso, conseguimos surpreender o poderoso futuro representante do Brasil no mundial do Clubes (que fez aquele fiasco), por que não podemos repetir a dose este ano?

Não é provável, mas é possível. Por isso eu vou torcer.

Vai pra cima deles Leão (mas com cuidado)!

Fiquem com gols daquele vitória mágica do ano passado.

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Balanço da Rodada

Agora só falta 9 partidas. O fim do ano está chegando e a luz do poço está se apagando. Mais ainda há chance. Falta o Leão fazer a parte dele, porque os outros estão lhe ajudando.

Nem tão fabuloso assim - Luis Fabiano ainda não conseguiu desencantar e o Colorado também não fez nada. Só podia ficar tudo no zero. O time paulistano ainda pode sonhar com o título, mas o dos pampas vai ter que se contentar com a Sulamericana.

Imortais perdem em casa - sem comentários.

Leão não mata o dragão – jogamos bem, mas a novela se repetiu. Não aproveitaram as oportunidades que surgiram e levaram nas falhas da defesa. Menos mal que na base da raça conseguiram empatar.

Vovô é atropelado pelo Coelho – o time mineiro ganhou uma sobrevida, mas acho que é a melhora antes da morte. Já o time cearense vai se aproximando para o seu destino, que é cair no poço. Bom resultado para nós.

Timão amarelão – acho que combinaram para ninguém disparar na liderança, para que o campeonato tenha emoção até o fim. Agora foi a vez do time paulista da Globo perder em casa para o outrora amarelão carioca. Deu a louca no futebol.

Mais um empate do Felipão – jogo contra o Verdão é indicativo de empate. Não deu outra, e o time carioca da Globo perdeu a chance de chegar mais perto do topo.

Pituaçú em branco – o time do Joel Santana bem que tentou, mas o goleiro da Raposa não deixou a bola entrar. Quem diria que o outrora Barcelona de Minas ia jogar que nem time pequeno contra o popular baiano. Bom resultado para nós. O time da Terra Boa está quase escapando, mas o amigo do galo vai penar até o final.

Valeu a passagem – com 3 gols do marrento Fred, o time do Chorãobel venceu o os Coxas. Pode até parecer que o jogo não nos interessava, mas o resultado foi bom, pois assim vai tirando do time verde do Paraná aquela vontade de chegar na Libertadores, para chegar na penúltima rodada já de férias, contra a gente.

Galo mordeu o peixe – eu até me esforcei para torcer pelo mimadinho da Vila, mas ele jogou a partida fora, quando foi expulso por reclamação. O galo, com a pressão da torcida e um juiz muito caseirinho, conseguiu uma vitória que lhe deu um respiro, mas que acredito que não vai durar muito. Resultado ruim.

Brisa paranaense vai morrendo – estar vencendo por 2x0 até os 20 minutos do segundo tempo e ver o time levar o empate (e quase a virada) foi o tiro de misericórdia para as esperanças do time rubro-negro do Paraná. É claro que eles estão na nossa frente, mas tem jogos mais duros e por isso acho que vão jogar a toalha na próxima rodada. Quem mandou contratar o Delegado. O time da Colina conseguiu o empate e briga nas cabeças pelo título. Resultado perfeito para nós, porque se de um lado a gente não queria a vitória do time do Paraná, por outro lado, é bom que o Vasco não se isole na liderança e até perca mais pontos até o final, para chegar na rodada 36 sem nada para fazer no campeonato, quando joga contra o Leão.
 
A matemática está cada vez mais complicada, mas como os times que estão fora da zona da morte também não conseguem vencer, a esperança continua. O tempo está acabando, mas ainda é possível acreditar.

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Não faltou raça, faltou foi gol (e qualidade)


Nos muitos jogos que vimos o Leão sair sem a vitória, o que nos deixava mais preocupado era, além do resultado, é claro, a falta de qualidade e disposição do time. O futebol apresentado não nos dava esperança por dias melhores.

Ontem foi um pouco diferente. O time não jogou mal, tirando os primeiros 15 minutos do segundo tempo, em que esteve perdido em campo, fruto da substituição equivocada feita no intervalo, que desmontou o esquema de jogo do time.

No primeiro tempo o time mostrou organização, toque de bola e chegou rapidamente ao gol, numa jogada em que Lincoln, passou de calcanhar para Daniel, que passou a bola para Willian fazer o gol.

O time de Goiás cresceu no jogo, mas nem assustava tanto, até que num chute de fora da área, Felipe falhou, não conseguindo cortar a bola, que foi morrer na rede. Ele tem bastante crédito, até porque no segundo tempo, fez defesas dificílimas que impediram o terceiro gol do time adversário.

O Leão tentou se recompor, mas não estava bem. Até que o meia do Dragão fez uma fila, sem muita dificuldade, pois os volantes e os zagueiros avaianos foram muito educados e deram a devida licença para o rapaz de Goiás passar até driblar o goleiro e marcar o gol da virada.

No segundo tempo, como já escrevi, Betinho/TC tiraram Dirceu, que boa parte da torcida detesta, recuou Bruno para a zaga, colocou Cléverson no ataque e deixou um buraco no meio de campo e uma zaga perdida na sua colocação em campo. Para nossa sorte, o time de Goiás não se aproveitou das várias chances que teve nos 15 minutos iniciais desta etapa.

Para corrigir a bobagem, colocou Diogo Orlando no lugar de Robinho, que apesar de até concordar que seu futebol não anda lá muito bom, não acho justo a perseguição que parte da torcida tem com ele. O time voltou a se equilibrar e começou a pressionar o adversário.

Até que conseguiu um pênalti, em que o zagueiro tirou com a mão, uma bola que ia para dentro do gol. Bola na marca da cal, Willian bateu muito mal e a cobrança foi defendida sem dificuldade pelo goleiro deles. Aí a torcida mostrou que é diferente. Cantou o nome do guerreiro, pois sabia que precisava motivá-lo se quisesse que o time alcançasse o empate.

Queria muito que a torcida também tivesse esta mesma atitude com outros jogadores que também falham, assim como o Willian e o Lincoln, falham. Infelizmente, a cada falha dos não queridinhos, só se ouve vaias e xingamentos. Para quem eles torcem, para o Avaí ou para alguns jogadores? Eu fico realmente chateado com isso.

É aquilo que já escrevi aqui. Existem dois tipos de jogadores, os queridinhos e os perseguidinhos. Se o primeiro passa a bola para o segundo, que não consegue dominá-la, a torcida vaia o segundo, porque não alcançou a bola. Já em caso contrário, se o segundo passa a bola para o primeiro, que também não consegue dominá-la, a vaia cai novamente para o segundo, que passou errado.

Continuando o jogo, o time mostrou muita disposição e correu o tempo todo em busca do empate. O time de Goiás, agora com um jogador a menos, estava encurralado e fechado na defesa.

Novamente o time do TC mostrou pouca inteligência para saber jogar com um jogador a mais. Se tem uma jogada que não se deve fazer nestes casos, é lançar a bola para a área, pois é onde mais tem jogador adversário. O que se deve fazer então? Tocar a bola, de um lado para outro, pois o espaço para concluir vai acabar aparecendo. E foi isto que aconteceu, pelo menos duas ou três vezes, e surgiram boas oportunidades.

Mas o empate veio no final do jogo, com Cléverson, que é bom jogador, mas é muito preguiçoso, que arrancou pela direita e foi derrubado dentro da área. Mais um pênalti, que desta vez, Willian não desperdiçou.

Eu digo que o ponta-direita avaiano, oriundo do oeste, é preguiçoso, porque ele entrou no segundo tempo, portanto com mais fôlego que os demais, mas mesmo assim não voltava para ajudar a marcar. Ficava escondido lá na lateral, a espera de uma bola. Não marca, não cerca, não faz tabela. Só sabe jogar sozinho. Para nossa sorte, conseguiu dois pênaltis nas últimas duas partidas, mas realmente não tenho tanta certeza assim que ele deve ser titular. Acho que é jogador para o segundo tempo.

Quase conseguimos o gol da vitória, já nos acréscimos (que o juiz não deu tudo que prometeu), quando Willian driblou o goleiro e chutou na rede pelo lado de fora da trave.

Jogo terminado, a vitória não veio, mas a torcida reconheceu o empenho do time.

As coisas estão cada vez mais difíceis, mas ainda não é hora de jogar a toalha. A matemática nos permite sonhar e é isso que vou fazer. Acreditar até o fim. Não me importa o que as estatísticas mostram.

Agora é esperar por um novo milagre no Beira-Rio, como fizemos no ano passado.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Para continuar a viver

Hoje é dia de mais uma batalha, agora contra o Dragão de Goiás, que até a 15a rodada foi companheiro do Leão na zona da morte. Eles conseguiram uma sequencia incrível de vitórias, se afastaram bem e não devem voltar mais.

No primeiro turno, vitória por 1x0 (a primeira do campeonato) dentro do Serra Dourada. Acho que hoje temos um time melhor armado e com um jogador que deu muito mais qualidade ao time, que é o Lincoln.

Espero que o TC não modifique muito o time em relação a última partida. Espero na verdade, apenas a volta do Willian, pois Rafael Coelho parece ser jogador para o segundo tempo. Espero também que mantenha o Cléverson, mesmo que eu nem sinta tanta confiança assim no rapaz de Chapecó, mas Robinho não mostrou tanto futebol assim nas últimas partidas para retomar a titulariedade. Bruno (se jogar) e Júnior Urso devem compor a frente da zaga e quem sabe Cássio volte no lugar de Dirceu, que andou apavorando a torcida no último jogo. O resto não tem que mexer.

É claro que será um jogo difícil, mas acredito em mais uma vitória do Avaí.

E eu estarei lá, apoiando e vibrando com o time.

Vai pra cima deles, Leão!

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Balanço da Rodada

O campeonato se aproxima de seu final e agora só faltam 10 rodadas. Desta vez o Leão fez a sua parte e teve até alguns resultados favoráveis.

Raposa está querendo ficar perto do Galo - num jogo de muitos gols, o time azul de Minas empatou com os bambis de São Paulo. A raposa tem agora só um objetivo, que é não cair no poço. Já o paulistanos ainda sonham com o título e estão próximos de mais uma Libertadores. Só não podem cochilar. Seria melhor a vitória paulista, mas o resultado não foi de todo ruim.

Fogão amarelão - jogando com um jogador a mais, vencendo a partida, o time do Harry Potter conseguiu deixar os comandados do Papai Joel empatar, num penalti besta do zagueiro alvinegro. Eu até já estava achando que o time do Loco Abreu ia beliscar uma vaga na Libertadores, mas já estou começando a duvidar. Já o time de Salvador, vem conseguindo pontos imporantes, mais ainda não se livrou totalmente do perigo do abismo. Resultado ruim, mas a vitória baiana seria um desastre.

Coxa e os encoxados - como era de se esperar, o time do zagueirão Émerson, em casa, venceu o time do Marquinhos. Acho que os dois vão se reencontrar na Sulamericana do ano que vem.

Clássicos do milhões (de espaços vazios) - com a presença de 752 corajosos pagantes, um dos muitos clássicos mineiros que deverão ocorrer no ano que vem na série B (poderão ter até 12) terminou do jeito que é o futebol destes dois times: tudo zero. O Coelho está cada vez mais no fundo do poço e o Galo parece não ter força para sair de lá. Bom resultado, apesar que a vitória do Coelho seria ainda melhor.

Borges decide e Peixe vence Verdão - o time da Vila só vai jogar com vontade agora nestes jogos contra os rivais paulistas, porque não tem mais o que fazer no campeonato. Já a torcida alviverde tem que agradecer ao Felipão em conseguir levar o time deles na atual colocação, porque era para estar bem mais embaixo.

WL voltou a sorrir - não é que o time carioca da Globo voltou a entrar no G4? Eu já não acreditava, ainda mais sem o RG. Agora é esperar para ver o que vai dar. O time do nervosinho Abel ainda tem chances de chegar novamente nas Américas.

Colorado descarrilha o trem da Colina - até que fim algum time conseguiu se impor diante do time da faixa. O time dos pampas voltou a sonhar com as Américas, mas está muito vaga-lume para apostar nele. Já o time de São Januário ainda sonha com a única coisa que lhe interessa neste campeonato, que é o título. Mas acho que não chega. Bom resultado para o Leão, pois é bom que eles se desinteressem do campeonato o quanto antes.

Timão volta para o topo - o time paulista da Globo liquidou o jogo no primeiro tempo e ainda se deu ao luxo de colocar o Imperador peso pesado no segundo, para fazer de conta que participou do jogo. O Dragão está pouco preocupado, pois salvo um desastre, vai ficar pelo meio da tabela, sem risco de chegar perto do poço.

Leão nem sentiu a brisa - jogando com muita disposição, o time azurra encurralou o time do Delegado e definiu o jogo no primeiro tempo. O segundo tempo foi só para treinar passe. Estamos vivos.

Vovô não viu a uva - este time cearense está chegando perigosamente perto do poço. Tinha dois jogadores a mais e mesmo assim não conseguiu a vitória contra o Tombense. A crônica, pra variar, exaltou o feito. Foi o melhor resultado para nós, até porque não dá para torcer pela vitória deles.

Finalizamos a rodada na mesma colocação, mas uma vitória sempre dá uma nova energia. Mais uma quatro rodadas, muita vontade e alguns milagres e estaremos fora do poço.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Continuamos vivos

Num jogo que não podia haver erros, o Avaí foi melhor que o time de Curitiba e venceu, sem sustos.
Começamos melhor e logo no início, Lincoln chutou no canto para fazer o primeiro gol.

O time do Antônio Lopes, salvo engano, deve ter levado apenas perigo ao gol de Felipe no máximo duas vezes durante o primeiro tempo. Apesar da torcida pegar no pé do Dirceu, que de fato deu calafrios ao escorregar logo no início do jogo e se atrapalhar num cruzamento perigoso, a defesa esteve bem. Podem até dizer que é porque o ataque do time rubro-negro de Curitiba consegue ser pior do que o nosso, mas e daí?

No meio do primeiro tempo, quando o adversário já tinha equilibrado o jogo, Lincoln cobrou uma falta da intermediária na cabeça do Gian, que acertou o canto direito alto da meta adversário. A bola ainda correu a linha, e entrou no canto oposto.

Até o final do primeiro tempo, o que vimos foi um Avaí sem muita organização, desperdiçando muitos contra-ataques e um time adversário sem nenhuma qualidade para dar medo na gente. Cléverson abusava de perder bolas e a torcida já estava perdendo a paciência.

Daí, no último lance do primeiro tempo, o ex-craque de Chapecó recebeu a bola na direita, deu corte bonito no lateral, avançou para dentro da área, e deu até a impressão que diminui um pouco a velocidade, como que a esperar a chegada do defensor que havia acabado de driblar. Quando entrou na área, sofreu um pisão e o juiz marcou penalti. A torcida pediu Lincoln, que abraçou Rafael Coelho para dar uma força para o rapaz da Ponta das Canas, que bateu e fez o gol. Fatura liquidada.

No segundo tempo, o jogo acabou logo no início, quando Manoel cortou com a mão uma bola que ia chegar redondinha para Lincoln. O juiz não teve dúvida e mandou o zagueirão embora mais cedo. A partir daí, o que se viu foi dois times desinteressados. O time do Antônio Lopes não tinha forças para atacar e só ficava marcando para não levar mais. O time do Betinho (fica!) tocava a bola de um lado para o outro, sem vontade de marcar.

Vou dar um desconto para os atletas do Avaí, que de fato, não precisavam ficar gastando energia a toa, já que a vitória estava garantida e o time adversário não mostrava nenhuma força para mudar o placar. Mas deu pena, por exemplo, de ver o Robert, doido para fazer um gol, pedindo a bola a todo momento e não receber nenhuma vez. Diogo Orlando entrou bem. Caíque não tem jeito não.

Já que o jogo estava garantido, eu teria sacado o Lincoln e colocado o Leandrinho, só para ver o que dava. Mas acho que o Rafael Coelho e o Cléverson estavam cansados e pediram para sair, o que não é nenhuma novidade para o rapaz de Chapecó. Aliás, ele fez uma boa partida, diferente do RC, que marcou presença em apenas três lances, que eu me lembre: o gol que marcou de penalti, a bola que raspou de cabeça e ia em direção ao Lincoln antes de ser cortado pelo Manoel, que acabou expulsão e uma bola que cabeçou dentro da área e quase marcou o quarto. Foi só. Muito pouco. Volta Willian.

Ressalto a atuação de Bruno e Júnior Urso, que deram muito mais qualidade na proteção da zaga. Daniel também esteve bem, assim como Fernandinho, só que um pouco menos. Lincoln é o craque de sempre, mas às vezes poderia ser mais objetivo. Mas tem crédito.

Jogo ganho, três pontos na conta. Agora é pensar no próximo Atlético.

domingo, 9 de outubro de 2011

Para manter a esperança viva

Os resultados de ontem até não foram ruins. Seria melhor que o Bahia tivesse perdido, mas empate não foi de todo ruim. Assim também, o empate dos mineiros foi bom, pois não permitiu uma escapada do galo.

Em muitas rodadas, os resultados foram favoráveis ao Leão. Só faltou o time fazer a sua parte.

Hoje, esperamos que eles joguem com muita raça, retribuindo o carinho que a torcida demonstrou ontem, no treino dos mil.

Quem sabe a dupla L&L forme um meio de campo mais criativo e aumente o poder do ataque, hoje restrita ao Rafael Coelho, que pouco acrescentou ao time.

Do mesmo modo, espero que a torcida, que será bem maior que aqueles mil e cem loucos, apoie o time do início ao fim. Eu sei que tem muito pijama, que só gosta de cornetear, até antes do jogo começar. É difícil pedir para estes "cavalheiros" ficarem quietos. O jeito é a gente gritar e apoiar, para que estas vozes do contra, não sejam escutadas.

Eu vou ao jogo.

Vai pra cima deles, Leão!

sábado, 8 de outubro de 2011

Treino dos Mil



Eu não vou poder ir porque já tinha um compromisso agendado para o mesmo horário. Mas apoio a idéia.

Parabenizo e agradeço (já que não vou poder estar lá) a todos que puderem estar lá no treino. Espero que incentivem os jogadores e mostrem que nossa esperança ainda não acabou. Que não jogamos a toalha. Que ainda acreditamos que eles podem reverter esta situação. Só depende deles. A torcida vai fazer a sua parte.

Respeito aos que não forem, seja porque não podem, seja porque não querem. Não serão menos ou mais avaianos.

Domingo a gente se encontra na Ressacada.

Aí, o negócio é diferente. Aí sim, veremos os que realmente são avaianos. Tirando os que não podem ir ou não conhecem nenhum sócio e não tem R$ 20,00 (tem gente que não tem), todos os demais que se consideram avaianos deveriam ir. É claro que respeito a decisão de cada um, mas ficar no sofá não adianta nada.

Se você se considera avaiano e não for na Ressacada, não assistir ao jogo pela TV, não escutar pelo rádio ou acompanhar pela internet, enfim, se você nem se importar como foi o jogo, sua desculpa tem que ser muito boa. Se não, meu amigo, você não é avaiano.

Porque no domingo, quem é avaiano só tem uma coisa para fazer lá pelas 6 da tarde: assistir e torcer pelo Leão.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Sinais?

- Toninho Cecílio suspenso por três jogos (vai que é tua Betinho)

- Welton Felipe fora por um mês (que maldade)

- Robinho suspenso na próxima partida (outra maldade)

- Cássio e Caçapa próximos de retornar (nem sei se ajuda tanto)

- Leadrinho treinou bem (quero ver no jogo)

- Torcida se agita para o treino dos mil (pode fazer a diferença)

- Mais algum indício que os ventos podem começar a soprar a nosso favor?

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Analisando os concorrentes

Matematicamente até se pode dizer que o Avaí só depende dele, pois se conseguir 8 vitórias nos jogos que faltam, ele chegará a 46 pontos, o que lhe garantirá na série A do ano que vem.
Entretanto, sabendo que este objetivo é difícil de ser alcançado, já está na hora de olharmos como será a vida dos colegas de infortúnio do Leão nesta luta para escapar da degola.

América-MG
O lanterna do campeonato jogará 6 partidas em casa, sendo um clássico (contra Atlético-MG), duas partidas contra times que estão na ponta, um na zona intermediária e dois na parte debaixo. Dos jogos que tem fora, só tem chance de pontuar contra o Tombense. Acho que não chega a 30 pontos e estará rebaixado com umas três rodadas de antecedência. Por causa, disso, seria bom que vencesse os jogos contra o Atlético-MG, Ceará e Atlético-PR, que faz em casa.

Atlético-MG
Suas chances de escapar do rebaixamento estão nos jogos que fará em Minas Gerais (7), entre eles dois clássicos (não sei se é bom ou ruim). Não deve pontuar em nenhum jogo que fará fora do seu estado, já que com exceção do Tombense, só joga contra time que estão disputando o topo da tabela. Só joga contra dois times da zona baixa (justamente os dois clássicos). Vai decidir sua sorte na última rodada contra o arquirrival. Temos que secar o galo em todos os jogos.

Atlético-PR
Depois de jogar contra o Avaí, terá jogos duríssimos que vai determinar seu destino (Vasco e São Paulo, em casa e Botafogo, Santos e Corinthians, fora). Joga contra 4 times da zona baixa, mas só um em casa. Salvo um grande desempenho, deverá chegar a última rodada já rebaixado ou dependendo de uma vitória contra o arquirrival. Além de vencê-los, temos que torcer para não pontuar nas rodadas contra Vasco e Botafogo.

Bahia
O time de Salvador está próximo de se livrar da degola, mas tem jogos difíceis em casa (Vasco e São Paulo) e alguns complicados fora. Cruza com apenas dois times da zona baixa (em casa) e deve decidir seu destino na última rodada contra o time do Ceará. Apesar de estar distante de nós, vale a pena secar os baianos nas próximas rodadas e torcer por um empate contra o Cruzeiro.

Ceará
Este é um time imprevisível, pois consegue pontos onde a gente não imagina e perde onde é favorito. Tem jogos difíceis em casa (Flamengo, Fluminense, Santos e Corínthians) e é o time que tem mais jogos no campeonato do Z4 (América-MG, Atlético-PR, Avaí, Bahia, fora e Cruzeiro, em casa.). Sua chance é apostar na fragilidade dos times mineiros, na irregularidade do time das Laranjeiras e nas férias antecipadas do time da Vila. Vale a pena torcer por um empate contra o Tombense (torcer pela vitória deles é contra minha natureza) e também contra o Atlético-PR.

Cruzeiro
Considero o time da Toca da Raposa o único grande entre os desesperados, já que o Galo mineiro já não assusta ninguém há algum tempo. Mas como anda jogando muito mal e tem adversários complicados pela frente, é capaz de se livrar da vergonha do rebaixamento somente na última rodada, justamente contra o arquirrival. Assim como o time cearense, joga 5 partidas contra os times da zona baixa, sendo a próxima contra o Bahia, em Pituaçú e as outras 4 nas últimas 4 rodadas (Avaí, Atlético-PR, Ceará e Atlético-MG). Até lá, irá encarar só time na parte de cima da tabela.

E o Avaí?

Apesar do futebol que vem apresentando, acredito que tem condições de conseguir as vitórias que precisa em casa (Atlético-PR, Atlético-GO, Botafogo, Ceará, Cruzeiro e Tombense). Se não conseguir pelo menos uma vitória fora, vai ter que buscar pelo menos dois empates, o que vai ser difícil, pois só tem jogo duro fora de casa (Inter, Corinthians, São Paulo, Vasco e Coritiba).

Temos que torcer para que o Vasco perca os próximos jogos para se desinteressar do campeonato até o jogo contra eles e que o Coritiba também só esteja a passeio e de repente, queira nos ajudar para atrapalhar o rival. Ah, também podemos rezar por um milagre em Porto Alegre (como no ano passado) ou em São Paulo. Salvo uma recuperação milagrosa, como foi a do Fluminense em 2009, e se não entregarmos a toalha antes, vamos decidir o nosso destino na última rodada contra o Tombense.

Se isso acontecer, vai ser um pesadelo.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Balanço da Rodada

A rodada 27 foi muito ruim para o Leão, que pra variar, não fez a parte dele.

Coelho emperra o silencioso Verdão - realmente não adianta ficar sem falar com a imprensa, porque se isso funcionasse o time do Felipão teria vencido o lanterna, cada vez mais no fundo do poço.

Ninguém tem mais medo do Peixe - e dessa vez foi o time das Laranjeiras que não tomou conhecimento do campeão da Libertadores e venceu, com gol no final. Barcelona está rindo.

Virada com acarajé - o Leão tinha o jogo na mão, mas conseguiu perder para este time do Joel Santana, que não me engana, ainda vai cair no poço.

Fabiano não foi fabuloso - o time da Gávea voltou a engrenar e talvez pode até sonhar com a  Libertadores, já que o título está meio longe. Já o time do RC ainda está na zona das Américas, mas parece não ter força para chegar ao título, pois na hora H de chegar no topo está sempre perdendo.

Choque de líderes acaba no empate - o trem da colina não conseguiu disparar na liderança e ficou no empate com o time paulista da Globo. Salvo novas surpresas, o título vai ficar entre um dos dois.

Vovô não se assustou com o galinho - o negócio não está fácil para o Cuca, que não consegue tirar o galo do poço e pelo jeito vai ficar lá por bastante tempo. Já o Vovô ainda está respirando, mas acho que vai cair no poço em breve.

Empate sem sal - um time que nem se lembra mais como se vence em casa e outro que tem uma preguiça danada pra tentar vencer fora de casa. O resultado não podia ser outro senão um empate de zero. Aliás, zero também foi o futebol dos dois times.

Furacão reage - o representante paranaense dos amigos do poço quer reagir, mas acho que apesar desta vitória, não vai conseguir sair do poço. Já o colorado dos pampas periga ficar fora até da Libertadores, pois agora sem o Damião, não vai ter Cosme que dê jeito.

A raposa está tonta - e se não acordar, vai ser sugada para dentro do poço. Já o time dos encoxados não deve mais correr este perigo e deve garantir uma vaga na Sulamericana.

Dragão incendia a estrela solitária - o time de Goiás escapou de vez da zona negra e deve garantir em breve um lugar na Sulamericana. Já o time do Harry Potter tem que ficar esperto para não perder a vaga na Libertadores para os colegas cariocas.

A situação do Leão está mais do que preta e as próximas duas rodadas definirão nosso destino. Se vencer as duas, continua respirando, mas se não fizer pelo menos 4 pontos, aí não vai ter mais jeito. Mas ainda é possível, não vamos jogar a toalha (ainda).

terça-feira, 4 de outubro de 2011

TC pode ser novamente suspenso: olha nossa sorte mudando


Segundo o site Justiça Desportiva (http://justicadesportiva.uol.com.br), o técnico do Avaí, Toninho Cecílio terá seu recurso julgado no dia 06/10 no STJD. Ele já cumpriu dois jogos de suspensão e se o tribunal manter a sentença anterior, terá que cumprir mais três jogos.

Considerando que dos noves jogos que o time disputou sob seu comando, as únicas duas vitórias aconteceram quando ele estava cumprindo a pena, sentado no camarote da Ressacada, com o time sendo comandando na beira do campo pelo seu auxiliar Betinho, talvez esse seja o caminho para reencontramos o caminho da vitória.

Acho que vou torcer para o tribunal manter a pena. 

Alô departamento jurídico do Avaí, vê se ajuda e não vai na sessão.