domingo, 31 de julho de 2011

Balanço da Rodada

Acabou mais uma rodada e o Avaí continua no Z4, mas pelo menos está chegando próximo da beirada do poço. São apenas 3 pontos para o primeiro fora da zona.

Que coisa feia Victor - o rubro-negro carioca venceu mais uma, com um grande passe do RG no primeiro gol e uma falha bisonha do goleiro gremista no segundo. O time gaúcho tá sentando na borda do poço. É bom tomar cuidado.

Loco vence Papai - com um chute de fora da área, Loco Abreu deu a vitória para o time da Estrela Solitária contra a raposa mineira. Desse jeito não dá para acertar na Loteria Esportiva.

Felipão está chegando lá - o Verdão venceu mais uma e já está no G4. Já o Galo vai mesmo participar da parte debaixo da tabela.

Time da colina surpreende São Paulo - depois vencer os coxas na casa deles, o time paulista conseguiu perder do time do Roberto Dinamite. Não dá para entender o futebol.

Fred e companhia tombam a carroça cearense - o time do Abel Braga atropelou o Vozão. O time carioca se reforçou com Rafael Sóbis, ótimo jogador. Resultado bom para o Avaí.

Colorado não passa pelo Dragão - deve ter sido o fuso horário, já que o time gaúcho acabou de chegar da disputa daquela Copa Audi, em que eles levaram um baile do time C do Barcelona. O time de Goiás se fechou bem e trouxe um ponto de POA. Não foi bom para o Leão.

Timão é que paga o pato - Leão joga com raça e vence o líder.

Coelho vai sendo assado - este time mineiro é candidatíssimo para voltar para a série B. Como é que o Avaí não ganhou deles aqui? O Coritiba se refez da traulitada que levou do São Paulo e venceu a primeira fora de casa.

Muita água e bom futebol - o Furacão do Paraná venceu o time da Vila, com um gol nos acréscimos. Apesar do gramado molhado, foi um bom jogo. Achei que ia dar Peixe. Resultado não foi bom para o time azurra.

Lá vem o Tombense, descendo a ladeira - com direito a gol do Reinaldo, ex-multicolorido, o time baiano venceu o Real Madrid do Estreito, que já estava fazendo contas para a Libertadores. Estão caindo na real. Para o Avaí, o melhor resultado seria o empate, mas nada melhor do que ver eles perdendo uma partida.

O Avaí continua na zona de rebaixamento, mas já consegue ver a luz no fim do túnel (ou na boca do poço). Ainda não dá para ser na próxima rodada, mas talvez daqui há umas duas semanas a gente sai desta situação.

Destaques da equipe

Nesta vitória, destaco é claro, Rafael Coelho pelos dois gols, Willian pelo gol e pelo cruzamento e Felipe, que fez ótimas defesas e evitou alguns gols do time paulista.

Acho que Aleks vai brigar é pela vaga no banco, porque a camisa do titular não pode sair do corpo do Felipe, que fez grandes defesas, duas delas de frente para o Émerson.

Dirceu parece estar se acostumando a jogar no Avaí. Toca a bola com calma e dificilmente se vê ele dando chutão. Já Welton Felipe é muito instável. Todo o jogo parece que vai ser expulso.

Daniel foi esforçado, mas errou muitos cruzamentos. Para amenizar, deu o passe para o Willian cruzar para o segundo gol. Bruno, deslocado para a direita esteve bem, mas joga melhor na frente da zaga.

Leandro Lima esteve mal. Não se se sentiu realmente a perna ou deu um migué. Cléverson entrou, mas não acrescentou. Fabiano buscou o jogo, mas não estava bem. Diogo Orlando se movimentou e ajudou na marcação e apareceu no ataque. Marcos Paulo foi razoável. Batista não teve a mesma pegada. Pedro Ken foi o de sempre, carregando a bola, dando combate e aparecendo para o jogo, mas como já falei, não é o cara para criar jogadas. O time ainda não tem este jogador.

Rafael Coelho, com aquele corte de cabelo horroroso, mostrou novamente a vontade de sempre. A diferença é desta vez ele aproveitou as chances que aparecerem. Quem sabe agora, com mais confiança, ele melhore.

Willian voltou a ser o guerreiro, mas ainda está faltando treinar algumas jogadas para ele finalizar. Apesar do segundo gol ter saído de um cruzamento dele, é muito estranho ver o centroavante cair pelas pontas para cruzar na área. É ele quem tem que estar lá para finalizar.

O time foi aplicado (no segundo tempo), aproveitou as poucas chances que teve, mas não dá para se iludir. Fomos salvos por alguns lances de agilidade do Felipe, que evitou pelos menos três gols do Corínthians.

É claro que esta vitória dará mais tranquilidade para a continuidade do trabalho do Gallo, mas ainda há muito que se melhorar.

Erros, raça, gols e a vitória

Se antes de começar o jogo a esperança de vitória já não era tão grande, quando o jogo começou aí mesmo que é ela desapareceu.

O time paulista tocava a bola com facilidade e o Avaí só na base do chutão.

Eles jogavam perto uns dos outros, se movimentavam com rapidez e criavam chances de gol.
Já os comandados do Gallo não se posicionavam corretamente e com isso estavam sempre bem marcados pelo adversário.

Mesmo assim, o time da Globo não criava tanto perigo. Até que a bola sobrou nos pés do Émerson e com categoria colocou no canto do Felipe, que não tinha o que fazer.

Durante o resto do primeiro tempo o Avaí não assustou.

O segundo tempo começou e se viu outro Avaí em campo. Menos espaços para o adversário e muita vontade. Num lance de oportunismo, Willian aproveitou uma cabeçada do Welton Felipe e estufou a rede, sem chances para Renan.

O time se empolgou e continuou jogando bem. Até que Willian, que já tinha feito alguns cruzamentos, encontrou Rafael Coelho na área, que na raça, fez o gol da virada. Importante observar que foi Daniel que deu o passe para o Willian dentro da área.

Daí para frente o Avaí se fechou, mas os lances mais perigosos surgiram de falhas dos jogadores avaianos, como o passe que o Bruno deu para o Émerson. Mas daí Felipe mostrou que é um ótimo goleiro, diria até melhor que todos os outros que já atuaram na posição este ano.

Por fim, Rafael Coelho aproveitou a chance e mostrou o que tem de melhor que é a velocidade. Ganhou dos zagueiros, jogou a bola na frente, chegou primeiro e teve tranquilidade para tocar na saída do Renan. A vitória estava quase garantida, mas o time paulista ainda teve algumas chances, que Felipe evitou, até o gol de Jorge Henrique.

Eu pensei comigo, parece que o time gosta de fortes emoções. Está difícil da torcida aguardar o fim da partida já comemorando a vitória.

A vitória chegou, mas os erros novamente apareceram. Estes erros foram compensados pela raça que os jogadores mostraram e com o aproveitamento das poucas chances que tiveram.

Como futebol é bola na rede, parabéns para os jogadores.

Agora é viajar até o Ceará e tentar tombar a carroça desembestada.

Leandro, o peito de pato custa R$ 24,99

Só quero avisar para o Leandro Castán que o peito de pato custa R$ 24,99.




Já volto para falar do jogo.

Vamos ver quem vai pagar o pato

Jogar contra o líder nunca é fácil, ainda mais quando o time está pressionado e na zona de rebaixamento. O time paulista é bom, mas olhando individualmente, não vemos nenhum super-craque.

Jorge Henrique e Willian são bons jogadores, estão em boa fase, mas não são craques. Apesar de rápidos, se bem marcados, podem ser anulados. Já Danilo é um ótimo jogador e pode desequilibrar. Tem que ter cuidado com ele. Ainda tem Ralf, que foi convocado pelo Mano, mas nem sei se é pra isso tudo. Liédson, este sim, grande jogador, está machucado, assim com Chicão, o zagueiro que jogou no Tombense, que pensa que joga mais do que de fato. No banco ainda tem o Alex, talvez o único craque do time, que ainda não recuperou totalmente seu futebol.

O time do Parque São Jorge "encaixou" e fez uma ótima sequencia e por isso conquistou esta vantagem na classificação. Mas o campeonato é longo e eles vão ter que provar que não são cavalo paraguaio.

Do nosso lado, Gallo vai ter que mexer no time, não só nos brios, como no posicionamento e ver se os jogadores aproveitam as oportunidades que surgirem. Não se pode desperdiçar, porque do outro lado tem um time que não costuma perder as chances que aparecem.

Eles terão um bom apoio, uma torcida que faz barulho. Por isso é importante que os avaianos que forem para a Ressacada apoiem o time durante todo o jogo. Se a vitória não vir, deixe para protestar só no final. É preciso torcer e incentivar o time durante todo o jogo. O jogador sente isso e com o apoio sente mais coragem para arriscar e buscar a vitória.

Parece que Leandro Lima deverá começar jogando. Vamos torcer para que ele apresente um grande futebol.

Apesar da campanha, do último jogo, eu ainda acredito.

Vai pra cima deles, Leão!

sábado, 30 de julho de 2011

O desempenho do Gallo

Vi no blog do André Tarnowsky Filho (que leio todos os dias) uma tabela com o desempenho do Gallo nas equipes que treinou. A postagem do André se referia ao desempenho do Gallo no Avaí ser o pior de sua carreira como técnico.

Vou aprofundar a análise dos números da tabela (que foi alterada por mim). Antes, lembro que o Gallo assumiu o time na 5a rodada e que nas 34 partidas restantes, ele disputará 102 pontos. Para fazer 45 pontos, o time precisa conquistar 44 % dos pontos disputados.

Olhando a tabela, percebe-se:

- Em apenas dois times que treinou (Atlético-MG e Santo André) Gallo teve um desempenho que rebaixaria o time do Avaí na série A.

- Nestes times de pior de desempenho (Atlético-MG e Santo André), Gallo teve pouco tempo de trabalho, disputando apenas 14 e 7 partidas respectivamente. Foram os únicos times em que ele teve mais derrotas que vitórias.

- Se obtiver o mesmo desempenho que teve no Inter (47,6 % - pior desempenho entre os outros 10 times que treinou), ele conquistará 48 pontos, o suficiente para o Avaí permanecer na série A.

- Sua média (não contando o Avaí) foi de 27 jogos, com 54,7 % de aproveitamento, o que significaria chegar a 56 pontos.

- Nos times que disputou mais de 25 partidas, ele conquistou no mínimo 53,8 % (Náutico), desempenho que faria o time chegar a 55 pontos, obtendo uma vaga na Sulamericana.

Nem vou comentar sobre os melhores desempenhos, que poderiam levar o Avaí até a Libertadores, pois são números que dificilmente se repetirão.

Os número atuais estão péssimos, mas quem sabe eles podem mudar se a diretoria apostar num trabalho a longo prazo.

Lembro que em 2009, Silas teve um aproveitamento de apenas 23 % nas 10 primeiras rodadas, conquistando apenas 7 pontos. A diretoria apostou no trabalho dele e no resto do campeonato a equipe obteve 59,5 % de aproveitamento, chegando aos 57 pontos e a melhor colocação de um time catarinense na história da série A.

Eu não sei a receita do sucesso, mas trocar de técnico a toda hora faz parte da receita do rebaixamento.

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Jornalismo de intriga

Tem gente que acha que não se deve gastar tempo falando da imprensa quando o Avaí não está bem. Que temos que olhar para a situação do time e não ficar falando da imprensa. Eu não concordo.


É claro que esta campanha horrorosa não é culpa da imprensa. Mas isto não quer dizer que eles estão imunes às críticas. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa, já diria certo dublê de comentarista cuja qualidade do que fala é proporcional ao seu tamanho.


Eles também erram e temos direito de comentar sobre isto.


Dito isto, quero mostrar uma situação contada por um amigo que aconteceu após o jogo contra o Botafogo.


Na saída do jogo, um repórter de uma das rádios daqui perguntou para o Gallo de quem tinha sido o erro nos gols sofridos. Gallo foi claro na resposta dizendo que o erro tinha sido nosso, ou seja não individualizou o erro.


O mesmo repórter depois foi entrevistar o Willian e perguntou ao centroavante: “Willian, o que você acha da declaração do Gallo que disse que os erros dos gols que o Avaí levou foram individuais?”


Aí eu me pergunto: qual a razão de um repórter querer jogar um atleta contra seu treinador. Ele sabe que o clima não anda bom com esta campanha horrível e faz esta pegadinha para ver o circo pegar fogo. Ele podia ser honesto e fazer a mesma pergunta para o Willian, se ele achava se a culpa da derrota eram pelos erros individuais ou não.


Para mim o problema não está só no fato de desvirtuar o que o Gallo falou. Isto só agravou a situação. O problema já está na forma de fazer uma pergunta confrontando com a opinião de outra. Isto só tem um objetivo que é semear a confusão.


O pior é que este jeito de fazer jornalismo de intriga é muito comum entre os “profissionais” da imprensa.


Como eles não sabem fazer perguntas inteligentes, recorrem a dois artifícios:


1 – Emitem sua opinião, tipo “Fulano, o time perdeu muitos gols, blá, blá, blá, e por isso perdeu o jogo” e no final falam: “É por aí?” ou “O que você acha?” ou “Você concorda?”.


2 – Fazem intriga ao falar que fulano falou isso ou que sicrano declarou aquilo e novamente fazem a mesma pergunta: “O que você tem a declarar sobre isso?”.


Já escrevi aqui e repito: os times da capital melhoraram sua qualidade e estão na série A, mas os profissionais da imprensa ainda estão no nível da série D.

Começando a fazer as contas

Infelizmente a posição do Avaí e principalmente sua pontuação já requer o uso da calculadora para ver se ainda há tempo para recuperar.


É claro que ainda faltam 26 rodadas e que se o Leão fizer metade dos pontos disputados (39 de 78) estará a salvo. Um aproveitamento de 50 %. Não será fácil.


Fiz uma previsão dos possíveis resultados, tentando ser até um pouco otimista, porque se for para ser realista, não precisa nem fazer os cálculos.


O Avaí ainda vai jogar 14 partidas em casa e 12 fora.


Jogos em Casa


Vitórias (10) – Atlético-GO, Atlético-PR, Botafogo, Ceará, Coritiba, Cruzeiro, Figueirense, Grêmio, Palmeiras e Vasco

Empates (4) – Corinthians, Flamengo, Santos e São Paulo

Derrotas (0) - Nenhuma


Jogos Fora


Vitória (0) – Nenhuma

Empate (4) – América, Bahia, Ceará e Figueirense

Derrota (8) – Atlético-MG, Corinthians, Coritiba, Cruzeiro, Fluminense, Inter, São Paulo e Vasco


Com estes resultados, o Avaí irá somar 38 pontos, chegando aos mágicos 45 pontos, que desde 2006 vem salvando todos os times (menos o Coritiba, em 2009).


Vejam que fui otimista em achar que o Avaí vai ganhar 10 partidas e não vai perder mais nenhuma em casa. Em compensação, fui até um pouco pessimista em achar que também não vai vencer nenhuma fora ou não vai conseguir um mísero empate contra os times grandes.


Acho que uma coisa compensa a outra.


O certo é que o Avaí precisa começar a pontuar, pois a corda já está bem esticada e daqui a pouco não vai mais dar tempo mesmo.


Acorda Leão (ou seria Gallo?).

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Balanço da Rodada

E mais uma rodada chegou ao seu final (12ª). Vamos ao balanço:


Timão vence Colorado – em jogo que antecipado, o líder vence o time que ainda era treinado pelo Falcão.


Caio não caiu – e o Leão dormiu em campo


Coelho arranca empata no Olímpico – o imortal realmente vai disputar a parte debaixo da tabela. O time mineiro, apesar do bom resultado, está dentro do Z4 e perto de nós. Ainda bem que não venceu.


Dorival sobrevive – com gol do garoto André (bom de bola), o Galo venceu o atual campeão. Deco jogou (?). Melhor que tivessem empatado.


Dragão come a raposa – este time do Joel é surpreendente. Vence o líder e perde para um time que estava no Z4. Dá para entender o futebol? Resultado ruim.


Jogão na Vila – com atuação marcante de Ronaldinho Gaúcho (que cobrança de falta é aquela), um golaço do marrentinho Neymar e uma cobrança de pênalti bisonha do Elano (cavadinha ridícula), o rubro-negro carioca venceu o time do Peixe. Melhor jogo do campeonato.


Começaram a descer a ladeira – num jogo feio, o time do Felipão conseguiu vencer o Tombense. Pra falar a verdade, ninguém merecia nada. O mais justo era nenhum dos dois fazer ponto. E uma certa casa multicolorida começou a cair.


São Paulo volta aos trilhos - num primeiro tempo arrasador, o time paulista fez 3 e mais um no início do segundo. Depois, a torcida paulista roeu as unhas até o final do jogo com a reação paranaense. Mas o time do Coxa perdeu. Destaque para o golaço do garoto Lucas (por cobertura) e para a expulsão do “ex-craque” do Avaí, Davi.


Vasco empata nos acréscimos – não tem aquela placa dos acréscimos (Até empatar) muito usada no Olímpico quando o time gaúcho está perdendo ou empatando? Foi usada hoje em São Januário. O time baiano saiu na frente com gol de Reinaldo (os multicoloridos devam estar com dor de cabeça), mas o time carioca empatou no último lance da partida. Menos mal para nós.


Vozão vira em cima do Furacão – a lanterna ia voltar para a gente, quando Marcelo Nicácio (que não jogou nada quando vestiu a camisa multicolorida do Tombense), entrou e fez dois gols, o segundo nos acréscimos. O empate teria sido melhor para nós.


Continuamos na zona de rebaixamento, mas por incrível que pareça, ainda não estamos tão longe da borda do poço (4 pontos para o primeiro fora do Z4). Para chegar aos 46 pontos, o Avaí precisa de 13 vitórias nas 26 partidas que faltam, ou seja, um rendimento de 50 %. Pelo rendimento atual (19 %), muito difícil, mas não impossível.

Foi para desanimar

O Avaí começou bem, marcou o primeiro gol e estava organizado. Apesar da pressão do time carioca, não havia lances de perigo. O time azurra saía tocando bem a bola e achava espaços no ataque. O jogo estava claramente para o Leão.


Foi então que ocorreu o primeiro erro. O lateral carioca passou de passagem pelo Marcos Paulo e tocou para trás, onde Maicossuel, sozinho e livre de marcação, chutou para empatar. Como é que deixam o principal jogador deles sem marcação dentro da área?


O time carioca se empolgou e foi pra cima. O Avaí ainda teve uma grande chance, num contra-ataque perigoso, que o Pedro Ken desperdiçou, chutando para fora.


Em seguida, numa nova bobeira da zaga, Elkeson levantou a bola na área e Herrera desviou para o gol, vencendo o goleiro Felipe que ainda tocou na bola.


O Avaí ainda teve duas chances no primeiro tempo, a primeira numa cabeçada do Welton Felipe (que parece ser seu melhor fundamento) e logo em seguida, numa saída errada do goleiro carioca, Willian desperdiçou uma chance clara, num lance rápido que até a televisão perdeu.


No segundo tempo só deu Avaí, que teve mais posse de bola, domínio territorial, mas quase não levou perigo ao gol adversário.


Pareceu um time mal treinado. Quando um jogador tinha a bola, parecia não saber o que fazer com ela, pois os demais não se deslocavam para receber. Quando um deles recebia a bola, tomava um susto. É como se ele estivesse só assistindo o jogo e quando a bola vinha em sua direção ele pensava: "Ah, eu to no jogo. O que é eu vou fazer com essa bola?".


Em nenhum momento o time avaiano deu esperança que poderia empatar. Até empatou é verdade, mas o bandeira conseguiu daquela distância, com tanta gente na frente, enxergar que a bola tocou num jogador azurra e que este estava impedido.


Aliás, não dá para justificar a derrota pela arbitragem, mas que juizinho ruim. Só foi dar amarelo para os cariocas no final da partida e ele teve muitas oportunidades para fazer isso durante o jogo, a julgar pelo critério adotado para amarelar os avaianos. Nem vou falar nas faltas invertidas e inventadas.


Sobre os jogadores, nem vou me estender, porque é difícil falar bem de alguém.


Felipe – não fez nenhuma defesa.


Dirceu – a única coisa que me chamou atenção é que neste jogo ele quase não deu chutão e teve calma para passar a bola para alguém no meio de campo, na saída de bola.


Welton Felipe – provoca muitas emoções.


Laterais – um pior que outro, mas Romano se superou (em ser o pior).


Bruno – o único que se salvou, mas fez umas besteiras no jogo, mas que não comprometeu.


Fabiano – mais ou menos


Cléverson – totalmente apagado. Ta na hora de ir para o banco.


Estrada – a enganação de sempre. Não fez nada.


Pedro Ken – corre bastante, mas estava sozinho na criação, pois o Cléverson não entrou em campo.


Marcos Paulo – deram muita moral para o rapaz. Não devia ter começado como titular logo na primeira partida. Não é craque para isso tudo.


Batista – entrou muito mal.


Willian – voltou a ser o cara que só reclama e não joga.


Rafael Coelho – quase não tocou na bola.


A próxima partida é contra o líder. Jogo dificílimo e as perspectivas não são nada animadoras. Estou até com medo desse jogo.


O negócio é torcer para que alguém entre e ajeite a casa. A coisa tá preta.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Horrível!

Meu Deus, que time horrível.


Perder, até não gosto, mas posso aceitar.


O que não dá para aceitar é um time sem alma, sem tesão, lento que nem uma tartaruga. Jogadores sem vontade, sem raça, sem futebol, sem nada.


Normalmente sou otimista, mas hoje desanimei com esta cambada.


Só um milagre. Só se estes quatro que faltam entrar (Caçapa, Leandrinho, Caíque e Anderson Lessa) mudarem a cara do time, o que eu duvido muito. Duvido mesmo.


O querido (da torcida) Estrada confirmou o que falei dele. É um enganador.


Gustavo Bastos fez falta, apesar que Dirceu não esteve mal. Cada vez que o Welton Felipe pegava na bola, eu coração disparava.


William só reclamou, o tempo inteiro.


Os outros eu falo depois, porque agora eu vou jogar meu futebol das quartas. Aliás, eles deviam ir lá assistir. Iam pelo menos aprender como se joga com vontade, porque isto eles não tiveram hoje.

É dia do Caio cair

Como já falei aqui, tenho simpatia pelo time da Estrela Solitária, mas hoje meu coração não está dividido. Minha camisa tem as cores azul e branco.


O time do Avaí vem crescendo, lentamente, é verdade, mas se olharmos os últimos jogos, tivemos crescimento em vários aspectos:


- Empatamos com o Grêmio, quando merecíamos vencer

- Empatamos com o Bahia, num jogo que o juiz anulou o gol que seria o da vitória

- Não jogamos bem contra o Atlético-PR, mas não perdemos fora de casa

- Conseguimos a primeira vitória, contra o Atlético-GO, e jogando fora de casa

- Perdemos para o Inter, mas fizemos um bom primeiro tempo, saímos na frente e deixamos a vitória escapar pelos descuidos defensivos


Ou seja, fizemos 6 pontos nas últimas 5 rodadas. É pouco, mas já foi pior.


Acho que temos boas chances de vencer o time do Botafogo, mesmo jogando no Engenhão. O time carioca vem bastante desfalcado e se já era tão bom, agora mesmo que é possível vencê-lo.


Do atual elenco, só tenho receio do Maicossuel e do Elkeson. Renato também é bom jogador e Herrena incomoda bastante.


A torcida do Botafogo anda impaciente e se o Leão fizer o gol primeiro, a casa vai cair. Só não podem bobear como fizeram na Copa do Brasil.


Do lado avaiano, Gallo parece que vai mexer um pouco. Na zaga, andou testando Dirceu, mas acho que vai de Gustavo Bastos e Welton Felipe. Nas laterais, Daniel e Romano devem jogar. No meio é que pode ter novidade. Bruno deve jogar e com ele, Fabiano, Pedro Ken e Cléverson. Eu arrisco Marcos Paulo no lugar de Batista, com Willian sozinho de novo no ataque.


Vamos ver qual vai ser o time que o Gallo vai mandar para o campo.


Vai para cima deles, Leão!

terça-feira, 26 de julho de 2011

Táticas certas e erradas (depende do resultado)

Muitos "entendidos" da imprensa e da torcida tem por hábito explicar o resultado da partida em função da tática usada pelo técnico.


Se pedissem para eles fazer a avaliação do jogo aos 40 minutos do segundo tempo e outra no final da partida, e neste intervalo de tempo houvesse uma virada no placar, é certo que as duas análises seriam completamente diferentes.


Ou seja, o que valeu durante 85 minutos, será descartado nos últimos 5, às vezes por lances fortuitos, coisas do futebol. Isto mostra a precariedade da visão dos "especialistas" que mudam a análise do jogo por conta do resultado. É claro que o resultado deve influenciar no comentário, mas não de modo a mudá-lo completamente.


Como seriam os comentários sobre a mesma tática, dependendo do resultado da partida?


Time recuou para garantir o resultado


Se vence: "O time foi aplicado e soube se defender, neutralizando o adversário. Só saiu na boa e conseguiu o que queria. Futebol é isso aí, tem que jogar com as armas que possui e aproveitar as chances que aparecem."


Se perde: "O time recuou demais e chamou o adversário para seu campo. Não se pode abdicar do ataque. Estava na cara que ia levar o gol."


Meio de campo com muitos jogadores


Se vence: "É o que sempre digo, quem vence a batalha do meio de campo, vence a partida. O time dominou aquele setor e por isso venceu a partida."


Se perde: "Não adianta concentrar tanta gente num único setor. Tinha que colocar mais gente no ataque, que ficou isolado."


Vários atacantes


Se vence: "O time foi ousado e partiu para cima, com vários atacantes. É assim mesmo, pra vencer tem que botar atacante."


Se perde: "Não adianta colocar um monte de atacante se a bola não chega. Atacar com muita gente não quer dizer que vai funcionar. Tinha que trabalhar mais a bola no meio de campo."


Três zagueiros e dois volantes


Se vence: "O time estava muito firme na defesa e isso deu segurança para o meio de campo sair para ajudar o ataque."


Se perde: "O time ficou preso com tanta gente na defesa. Tinha que soltar mais o time, ir mais para o ataque. O time estava enterrado lá atrás."


Laterais que apóiam o ataque


Se vence: "O apoio dos laterais foi fundamental para a vitória. Isto é muito importante no futebol atual."


Se perde: "Não adianta os laterais subirem e tomarem bola nas costas. Primeiro tem que defender, depois apoiar. Só pode sair na boa."


Volantes que saem para o jogo


Se vence: "Quando o time tem volantes que apóiam e não somente marcam, as chances de vitórias sempre são maiores. Não se admite mais jogador que só sabe marcar. Este é o futebol moderno. Foi por isso que o time venceu."


Se perde: "Não adianta ter volante que só cerca e dá toquinho. Tem que ter um xerife na frente da zaga. Jogador de pegada. Alguém tem que fazer o trabalho sujo para poder liberar os meias para criarem."


Time compacto


Se vence: "Os jogadores ficaram perto uns dos outros e puderem trocar os passes com mais rapidez. Foi por isso que chegaram no gol."


Se perde: "O time estava muito amontoado. Tem que ocupar os espaços do campo. Assim fica fácil do adversário marcar."


Time espalhado


Se vence: "O time soube ocupar os espaços, caindo bastante pelas laterais e esticando as bolas. Ficou difícil para o adversário marcar. Eles estão certos: quem tem que correr é a bola, não é o jogador. Por isso venceu."


Se perde: "Os jogadores estão muito longe uns dos outros. Aí fica fácil para adversário interceptar a bola. Tem que juntar mais."


Repetir o time a cada jogo


Se vence: "Futebol não tem mistério. Tem que repetir o time para dar confiança e ganhar entrosamento. O time vencedor começa com a definição dos titulares."


Se perde: "Não adianta insistir com este time. Tem que mudar algumas peças que não estão funcionando. Não dá para esperar. Para que contrataram os caras que estão no banco?"


Modificar o time a cada jogo


Se vence: "Ele está certo. O técnico tem que escalar o time de acordo com o adversário. Estas mudanças confundem o adversário que não sabe como o time vai jogar. No futebol atual não tem mais ser titular absoluto. Uma equipe é formada por mais jogadores do que os 11 que começam

jogando."


Se perde: "Ele muda muito o time. Parece que não tem confiança no que faz. Tem que definir o time titular de uma vez. O jogador é titular numa partida e na outra está no banco. Aí não dá."


Deve haver várias outras situações que a mesma tática pode ser certa ou errada. Depende do resultado do jogo. Por isso que eles só falam depois do que acontece, pois se falassem antes, não iam acertar nunca.

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Analisando o plantel

Contando todos que citei, forma um plantel com 36 jogadores. Se o Fábio Santos sair mesmo, diminui para 35.


Ainda é muita gente. Tem que dispensar pelo menos uns cinco.


O pior é que este elenco não dá muito ânimo, a menos que o Gallo consiga "encaixar" o time, ou que os que estão chegando mudem, em muito, a qualidade da equipe.


A sorte é que os adversários não são tão melhores. Alguns são até piores, podem ter certeza.


Apesar de tudo, por incrível que pareça, aindo tenho esperança por dias melhores.


Vamos torcer.

Analisando os atacantes

O número de gols que o time fez no ano mostra como o setor está ruim. Não sei se é o esquema, se são os jogadores, ou se é tudo junto. Precisa melhorar, e muito.


Willian - é bom jogador e parece que já deixou o sonho das Arábias para trás. Voltou a ser o guerreiro que a gente conhecia. Precisa receber menos bola na fogueira.


Rafael Coelho - é lutador, mas não sabe se colocar em campo. É bom de cabeça e rápido. Precisa acreditar mais em si. Minha paciência com ele acabou.


Maurício Alves - está devendo. Não mostrou um futebol que agradasse. Até acredito nele, mas não tem como defendê-lo das muitas críticas.


Anderson Lessa - chegou, jogou, mas não mostrou muita coisa. Está cedo para julgá-lo.


Fábio Santos - jogador com habilidade, mas que a torcida não teve a paciência que tem com o rapaz de Ponta das Canas. Parece que está saindo. Vamos sentir sua falta, podem apostar.


Caíque - chegou agora e não sei nada dele. Vamos aguardar.


Tem que contratar pelo menos mais um atacante, porque com os que temos, vai ser difícil. Só não vai precisar se os dois que chegaram (Anderson e Caíque) mostrarem que são bons jogadores.

Vamos aguardar.

Analisando os meias

O setor de criação está muito inibido. Com a saída do Marquinhos Santos, que já não estava bem, aí mesmo que o time ficou acéfalo. Falta alguém assumir o papel de criador.


Pedro Ken - muita gente não apostava nele, mas está se mostrando um bom futebol. Precisa de alguém para conversar com ele no meio-de-campo. Não é o cara para liderar, não é o 10, mas não pode sair do time (por enquanto).


Cléverson - chegou quieto e tomou conta da posição. Mas cansa muito rápido. É bom, mas esteve melhor nas primeiras partidas. Vamos ver se retoma o gás.


Leandro Lima - foi anunciado como o cara do meio de campo. Acho que está mais para atacante do que para meia de criação. Não teve tempo para mostrar. Parece que tem futebol, só falta mostrar em campo.


Marquinhos Gabriel - acho um bom jogador. Pena que muita gente não tem paciência com ele. Não é aquela brastemp, mas também não é tão ruim assim. Está voltando para o Inter, a pedido do time gaúcho. Quer dizer, não deve ser tão ruim. Não foi bem aproveitado.


Estrada - um enganador. Sempre sorridente, deve estar gostando da vida na Ilha. Sua melhor arma é que sabe proteger bem a bola. Mas deve ter algum problema, porque todos os técnicos colocam o colombiano na reserva.


Robinho - não vai ter sossego nunca. Tem futebol, mas precisa que o resto do time esteja bem. Não é o cara para entrar e decidir.


Dinélson - jogava muito antes da cirurgia. Precisamos vê-lo em campo para saber se não desaprendeu ou se já ainda tem aquela velocidade toda que tinha. Torço por ele.


Mesmo com a saída do Marquinhos Gabriel, ainda tem muita gente. Não precisa disso tudo. Acho que depois de avaliar todos, o Gallo poderia mandar pelo menos um embora.

Analisando os volantes

Setor que mais bate cabeça. Temos bons jogadores, mas falta um esquema para eles marcarem e cobrirem os laterais.


Bruno - é titular absoluto na equipe. Jogador rápido e bom marcador. Está marcado pelas besteiras que já fez, mas acho que pode fazer um ótimo campeonato e daí, já sabe, vai embora.


Batista - tem bola, mas às vezes parece estar com preguiça. Se tiver com vontade, é muito útil para a equipe.


Fabiano - jogou bem na partida em Goiás. Acho que o negócio dele é mais para meia do que para volante. O salário não é pouco para ficar no banco. Tem muita experiência. Se for bem aproveitado, pode ser muito útil para o time.


Diogo Orlando - corre muito, marca e desarma, mas não sabe passar a bola. Ele me lembra o Marquinho Júnior, o bike, se lembram dele da série B, quando anulou o Robert do Bahia? Só que o DO tem um pouco mais de bola.


Acleisson - gostei dele em algumas partidas, mas acho que não é jogador de série A. Seu melhor fundamento é o chute. É um Ferdinando da vida, nem pior, nem melhor.


Marcos Paulo - está retornando. Quando era daqui, não escutava tantos elogios assim. Foi para o Coxa e todo mundo reclamava que o Avaí tinha deixado sair um jogador bom. Agora que voltou, tem gente dizendo que é refugo. É difícil de entender a turma. Não me lembro tanto dele para falar qualquer coisa.


Mesmo sendo um setor que os jogadores estão sempre levando cartão, acho que tem gente demais. Pode dispensar um deles.

Analisando os laterais

Este é o setor mais carente, já que nenhum dos que jogaram, convenceram.


Daniel - é o preferido do Gallo. Não o achei tão ruim, mas vai ter que jogar mais para justificar a dispensa do ex-diretor GL.


Arlan - mostrou velocidade e acho até que deveria ser titular. Mas é pouco para a posição.


Romano - tem evoluído, comparado com o que mostrou no estadual. Também não preenche os requisitos necessários para a posição.


Pará - precisa de uma chance. Acho que tem futebol até para ser titular.


Gustavo - só vai ser aproveitado quando todos os outros estiverem machucados e não tiver como improvisar alguém.


Nesta posição temos poucos, mas que não valem por um. Eu dispensaria um deles.

Analisando os zagueiros

A zaga é um dos (muitos) pontos fracos da equipe. Falta definir quem são os titulares e qual o esquema (com 2 ou 3 zagueiros), para ver se encaixa. Se é um setor que precisa de entrosamento, é a zaga, por causa da colocação na área.

Cássio - está hibernando no DM. Pela bolinha que estava jogando, não está fazendo falta.

Gian - deve voltar em breve. Gostava do seu futebol. Vamos ver quando voltar. Pode fazer uma boa dupla com mais Gustavo Bastos.

Gustavo Bastos - é o atual xerife. Falha às vezes, mas no geral, não compromete.

Welton Felipe - na bola aérea é bom. Seu problema é com os pés, onde não é muito confiável.

Dirceu - só jogou uma e chutou para onde o nariz estava virado. É novo, quem sabe pode melhorar. Mas acho que vai se tornar a terceira ou quarta opção do Gallo.

Thiago Salles - chegou agora e não sei o que falar dele. Dizem que é rápido.

Branka - não está na relação do site, mas já esteve relacionado para jogos. Não deverá ser aproveitado com tantos zagueiros na lista.

Cláudio Caçapa - está vindo e acho que é para ser titular. Tem experiência. Quem sabe ajeita a cozinha.

Tudo bem que zagueiro é uma posição que recebe muito cartão e também se machuca, mas 8 é um pouco demais. Dispensaria um deles.

Analisando os goleiros

Eu sei que enquanto as inscrições estiverem abertas, a diretoria ainda pode querer contratar mais alguém, assim como pode sair mais gente. Mesmo assim, vou fazer uma rápida análise de quem está hoje treinando com o Gallo.

Goleiros

É um setor que não me preocupa.

Felipe - ganhou a vaga com a saída do Aleks para a seleção e acho que não perde mais. Veio com a fama daquele episódio da ração para cachorro, quando ainda estava no Santos e muita gente já condenou o rapaz antes de jogar. Acho um bom goleiro.

Aleks - está na seleção e quando voltar deverá ser o reserva imediato do Felipe. É bom goleiro.

Fernando Silva e Rafael Santos - vão disputar a terceira vaga. Não conheço nenhum dos dois.

Não sei se precisa de 4 goleiros, mesmo que um deles seja da base, até porque o Aleks vai ficar no "grupo de cima". Talvez pudesse dispensar um deles.

domingo, 24 de julho de 2011

Balanço da Rodada

Chegamos no final da 11a rodada e o Avaí continua no Z4.

Leão leva virada - sem comentário

"Morro" e não vejo tudo - o Fogão conseguiu ressuscitar o Furacão e Renato Gaúcho conseguiu fazer o time paranaense vencer a primeira. O Caio vai cair na próxima rodada, pois acho que vamos cometer o crime no Engenhão. Já os paranaenses não devem ter muita esperança, porque o time deles é ruim e vai ficar lá por baixo mesmo.

Adilson e seu pé esquerdo - o São Paulo não conseguiu vencer o Dragão. Desse jeito o Batista não vai ter vida longa em São Paulo, ainda mais com este bate-boca das bambis.

Sem gols no "clássico mineiro fake" - pois é, Coelho e Tombense ficaram no zeroazero. Faltou o juiz para ajudar os multicoloridos.

Empatite rubro-negra - apesar de invicto, o time da Gávea tem mais empates que vitórias. RG e TN foram passear e deixaram o WL na mão. E o Vovô conseguiu mais um pontinho. Está ficando longe da gente.

Nem Valdívia salva - o time das Laranjeiras teve que fazer dois para valer um. Heber, o careca, era o soprador de apito. Felipão não consegue vencer fora de casa.

Pararam o mosqueteiro - a Raposa mineira conseguiu o que ninguém tinha feito: venceu o líder, e ainda dentro da casa deles (na verdade no Pacaembú, porque eles não tem estádio). Destaque para o bloqueio do zagueiro corintiano Ramon, no melhor estilo handebol, no cruzamento do Vitor, do Cruzeiro. Mas o Vuaden tremeu e não teve coragem de marcar o pênalti. Começou a operação arbitragem amiga.

Dorival virou purê - agora é só esperar o aviso do Kalil. Este time o Galo estava muito bem para ser verdade. E o Vasco é que está me surpreendendo. Será que o fato de jogar sem pressão, já que estão classificados para a Libertadores?

Pituaçu não dá sorte - e o time baiano não venceu nenhuma em seu estádio ainda. Logo, logo estará no Z4, é esperar para ver. Já o Coxa lamentou não ter vencido, mas também não mereceu. Já está no meio da tabela.

Santos e Grêmio não jogaram - eu não entendo porque este time da Vila está tendo tanto descanso. Já jogaram depois da final da Libertadores, porque não podiam jogar hoje? Tão sentindo falta dos marrentinhos? Mas o Lucas e o Fred já jogaram hoje. Essa CBF...

Continuamos na zona negra, mas já estivemos mais longe para sair do buraco. Acho que em 3 ou 4 rodadas, a gente tira o pescoço da lama. O resto do corpo vai demorar mais tempo.

Mais um que vai embora

Parece que o Fábio Santos acertou com o Vitória e está deixando o Avaí. Se isto for verdade, acho um erro da comissão técnica.

Teve poucas chances para apresentar seu futebol. Ficou marcado por aquela discussão com a torcida e acho que por isso foi perseguido pela nossa "paciente" torcida.

Eu vejo o Rafael Coelho e não consigo entender como o Fábio Santos pode ser banco dele. Sinceramente, o rapaz da Ponta das Canas já teve um milhão de chances, mas ultimamente não tem feito nada.

Até concordo que o Fábio Santos não mostrou aquilo que se esperava, mas também não jogou duas partidas seguidas. Não tinha seqüência, só entrava na fogueira. Aí fica difícil de avaliar.

Que eu me lembre, fez um único gol, no jogo contra o Atlético Mineiro. Aliás, um gol de quem é artilheiro. Recebeu a bola e não titubeou.

Entre os atacantes que hoje o Avaí tem, vejo ele atrás apenas do Willian. Anderson Lessa não teve tempo de mostrar nada e o Maurício Alves, que eu também gosto, está devendo bastante.

É mais um jogador que vai virar craque. Podem apostar. É só começar a fazer no gol no Vitória que vão esquecer de tudo que falavam e vão malhar a comissão técnica por ter liberado o jogador.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Avaianos x Avaianos

O azedume que tomou conta de grande parte da blogosfera avaiana em relação a diretoria do Avaí já está me enjoando. Falar de futebol que bom, quase de nada.

Isto está me lembrando o tempo que eu freqüentava o fórum de discussão do site Sou Avaiano, provavelmente o primeiro ponto de encontro virtual dos torcedores avaianos, lá em 2006.

Era época das vacas magras, da série B, quase caindo para C, do crescimento do Tombense. A turma se dividia entre bombeiros e incendiários (apelidados uns pelos outros). Muitas críticas eram válidas, mas havia também muita falta de respeito e acusações infundadas.

Parecia que elogiar o Avaí, em qualquer coisa que fosse, era sinal de falta de amor ao clube, porque “os verdadeiros avaianos não podiam aceitar tamanha incompetência”. Era época do "Fora Zunino" e de muitas armações para formar uma chapa de oposição. Depois de certo tempo, enjoei daquele festival de falta de educação e de troca de xingamentos e acusações. Nada contra o site, que até hoje faz parte dos meus favoritos, mas contra aquela turma de sabichões e mal-educados.

Aí começaram a surgir alguns blogs, a começar pelo Elite Azul & Branca, do saudoso Tullo Cavallazzi. Ele também criticava o time, mas tinha respeito pelas pessoas que trabalhavam no clube, além de sempre ter uma visão otimista de tudo. Era chamado pela turma raivosa de blog chapa branca. Mas o que suas postagens mostravam claramente era o amor que tinha pelo Avaí.

Com o tempo, outros blogs surgiram, cada um com seu jeito de escrever e com sua opinião. E isto é muito bom, porque a gente pode escolher o que ler, sem estar amarrado a uma ditadura de opiniões, como acontece na imprensa catarinense. Há blogs para todos os gostos, desde os mais críticos, que reclamam de tudo e de todos, até os mais amenos, que tentam sempre ver uma luz no fim do túnel, passando pelos que transitam pelos dois extremos.

Eu leio um pouco de tudo. Há alguns poucos que já não tenho mais estômago para ler, o que de maneira nenhuma tira o valor deles. É apenas uma opção minha. Ressalto que leio bem mais blogs do que aqueles que estão na minha lista de preferidos. É que estes fazem parte da minha leitura diária. Tem outros que ainda não tive tempo de incluir.

Entretanto, voltando ao tópico inicial, está havendo uma onda de reclamações muito grande. Até concordo que os ingressos estão caros, que a mensalidade poderia ser reduzida, que o Conselho Deliberativo andou fazendo reuniões que não levaram a nada, que o time está ruim, que a Diretoria já contratou uma carrada de gente e até agora não montou um time, etc.

Mas a má vontade também está muito grande. Qualquer ato da diretoria é criticado.

Eu também já critiquei e critico a diretoria por várias coisas, mas daí a reclamar de tudo vai uma grande diferença. Tem gente torcendo contra o Gallo! Para com isso. Não duvido que como naquele tempo de vacas magras, tenha gente querendo que o Avaí seja rebaixado para posar de salvador da pátria e assumir o comando.

Não conheço ninguém na diretoria e nem estou aqui para defender nenhum deles, mas que eu me lembre, quando o Zunino assumiu o clube, estávamos na série B, o último título tinha sido em 1998 e a Ressacada era um pouco melhor que o campo do Guarani da Palhoça. Olhem como está o clube hoje.

Conseguiu levar o clube para a série A, foi bicampeão estadual, chegou às quartas-de-finais da Sulamericana, fez a melhor campanha de um time catarinense na série A, chegou nas semi-finais da Copa do Brasil.

Por causa disso ele pode fazer o que quiser com o clube? Claro que não. Devemos fiscalizar e criticar o que estiver errado. Mas é possível criticar sem agredir. Um pouco de respeito é bom, pois ele merece, por tudo que já fez pelo clube.

Se é para ter uma oposição do estilo que temos na política, do quanto pior melhor, prefiro que não a tenhamos.

De minha parte, estarei torcendo pelo Avaí, para que ele consiga sair deste atoleiro. Eu não torço para o Avaí por causa do técnico, dos jogadores ou da diretoria. Eu torço porque gosto do Avaí.