sábado, 29 de setembro de 2012

A vitória dos desacreditados

Tem gente que vai ter que mudar a pauta que estava preparada. Muitos imaginavam que o Leão, sem CS10 não ia fazer frente ao líder e a derrota seria certa. Culpar a diretoria, o Argel (porque antes o HM era incriticável) e a cacalhada que ficou era o texto que já estava no forno por muitos "conselheiros", se é que me entendem.

Mas a turma de renegados surpreendeu. Jogou com muita disposição e apesar da qualidade do time baiano, foi o Leão que criou mais chances de gol. E numa delas, Ricardo Jesus desencantou, depois de uma bela e raçuda jogada de Diogo Acosta. O mesmo Ricardo Jesus poderia ter feito o segundo, já no final do primeiro tempo, mas apesar de ter chutado bem colocado, não forte o suficiente, dando tempo para o zagueiro cortar a bola.

No segundo tempo, o líder da série B começou até melhor, mas logo o Leão se impôs e numa grande jogada do perseguido Julinho, que driblou, chutou e ele mesmo pegou o rebote, fazendo o segundo.

O Avaí ainda teve chance de fazer o terceiro, num contra-ataque veloz que parou com um pênalti de em cima de Camilo. Pirão cobrou a la Martini e jogou a bola lá no campo de treinamento.

Parece que os jogadores gostam de fortes emoções. E o time visitante ainda teve a oportunidade de diminuir, num pênalti que Cássio fez. Mas Moretto não foi atrás das dicas de Nenê Bonilha e pulou no canto direito, evitando o gol adversário.

Jogo encerrado, o Leão faturou mais três pontos e continua vivo em busca do acesso. Agora é buscar uma vitória contra o ASA, na terça-feira.

E agora a análise dos jogadores:

- Moretto - muito seguro, fez uma grande defesa no primeiro tempo e defendeu o pênalti. Não preciso dizer mais nada. Diego vai ter que se esforçar para voltar.

- Gêmeos - jogaram bem, para a surpresa de todos. Apesar do pênalti cometido, mostraram boa colocação e bom tempo de bola.

- Laterais - Arlan é uma correria só, mas precisa aprender a cruzar. Hoje foi muito bem. Julinho fez um bom jogo e uma grande jogada, no gol de sua autoria.

- Volantes - Mika esteve discreto, mas sempre bem posicionado. Bruno é um guerreiro, mas que poderia ter evitado o cartão amarelo. Pirão foi o pior dos três, apesar de não ter errado tantos passes hoje. Perdeu o pênalti, mas buscou o jogo a todo momento. Rodrigo Thiessen não comprometeu.

- Meias - Camilo fez sua melhor partida, com muita movimentação e ótimos passes. Deixou Ricardo Jesus na cara do gol e sofreu o pênalti. Pode não ter o talento do CS10, mas se movimenta muito mais que ele. Nenê Bonilha não comprometeu, mas pouco criou.

Ataque - Ricardo Impedimento de Jesus desencantou, perdeu um gol na cara do goleiro e ficou 19.734 vezes em impedimento. Talvez o Argel possa explicar a regra do impedimento para ele. Diogo Acosta fez uma grande partida, participando do lance do gol e do pênalti. Evando entrou para o delírio das viúvas, mas a única coisa que fez foi o "toma lá da cá".

Argel - mostrou que conseguiu ajustar a equipe e dar um novo ânimo aos atletas, que correram e vibraram muito. Vamos ver até onde a fórmula vai funcionar.

PS: Bela homenagem ao Corpo de Bombeiros e belíssima a apresentação da banda musical.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

O jeito é torcer... a favor do Avaí

Pode-se dizer que foi uma semana inesquecível para torcida do Avaí. A diretoria conseguiu em menos de 4 dias, desagradar e desmotivar, provavelmente, quase todos os avaianos. Vendeu o Cléber Santana, considerado o craque do time, aceitou refugos rubronegros, demitiu o Hémerson Maria, que grande parte da torcida gostava, contratou o Argel, que já chega rejeitado e fritado pelo seu passado recente no outro lado da ponte e para finalizar com chave de ouro esta tão grandiosa empreitada, "reforçou" o time com o Fred, que era motivo de gozação pela torcida avaiana há pouco tempo atrás. É muito fato novo em tão pouco tempo.

Mas, porém, contudo, todavia, não obstante, o Avaí continua e o campeonato ainda não acabou. Apesar das razões que muitos podem dar para não torcer (e que eu respeito), não vejo outra alternativa senão torcer pelo sucesso do novo treinador e dos atletas que ficaram e dos que chegaram. Tudo por um único e suficiente motivo: eles estarão vestindo a camisa do Avaí. E isto já basta para ter minha torcida.

Independente do momento do time e do adversário de hoje, que está brigando para fugir do Z4, a vitória é uma obrigação. Vamos ver como os jogadores escalados pelo novo treinador vão se comportar em campo.

Se empatarem ou perderem, o que vão dizer? As teorias da insatisfação do elenco com tudo que aconteceu serão as primeiras a serem formuladas. Já nem vão falar mais da incompetência do time. É provável que o alvo agora seja o técnico e como em todos os tropeços, a diretoria.

E se vencerem? Aí depende. Se for como em quase todas as vitórias na época do HM, muito suada, não terão muito que falar, afinal, com Cléber Santana e HM, era assim que acontecia. Vai sobrar novamente para a diretoria que não reforçou o time.

E se for uma goleada? Vão falar que o time de Guaratinguetá é fraco e não serve de parâmetros, como falaram do Marcílio Dias, na estréia do HM? Imagino que vai ter gente lançando teorias de insatisfação do elenco com o HM e com a estrela do CS10. Também penso que vai ter torcedor xingando os atletas, chamando os caras de traíras, porque não apresentaram este futebol com o HM no comando.

Digo isto, porque tem gente que diz que torce para o Avaí. E torce mesmo. Mas antes disso, torce para suas convicções. E  a convicção de muita gente é que com o que temos, vamos lutar para não cair. Não há nada de errado em ter esta opinião. Eu mesmo, acho difícil o Avaí subir, agora sem o CS10. Só que eu vou torcer para estar errado e ver o Leão chegar entre os quatro primeiros. O triste é ver gente torcendo contra, só para poder dizer no final, que já tinha previsto o pior, muito tempo antes.

Por isso, ao invés de fazer contas, vamos torcer jogo a jogo. Uma vitória hoje, mantém o Avaí na disputa pelo acesso. Enquanto a matemática permitir, temos que acreditar no acesso.

Vai pra cima deles, Leão.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Como desagradar a torcida em 10 passos

Não digo que seja intenção da diretoria, mas as ações e as "conquistas" do clube nos últimos 3 anos, parecem um roteiro para o dirigente fazer a torcida ficar contra ele:

1 - Desmontar um time vencedor

2 - Contratar uma penca de jogadores de qualidade duvidosa

3 - Aumentar os valores das mensalidades dos sócios

4 - Aumentar os valores dos ingressos


5 - Quase ser rebaixado e não aprender a lição


6 - Deixar de conquistar um tricampeonato, sendo eliminado por um time da série C

7 - Vender o craque do time (Marquinhos)

8 - Ser rebaixado da primeira divisão nacional

9 - Vender o craque do time (de novo) (Cléber Santana)

10 - Demitir o treinador que a torcida gostava (coisa rara) (HM)

Com tantas besteiras, é de se surpreender como o time conseguiu ser campeão estadual. Isto não estava no roteiro. Vai ver que é por isso que o Arini foi demitido, pois fugiu do script.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

O que dizer agora?

Não costumo criticar a diretoria por antecipação, baseado em boatos que depois não se confirmam. Prefiro aguardos os fatos aconteceram e depois dar minha opinião. Nem tudo está resolvido nesta negociação do Cléber Santana e do Renato Santos, mas já é possível escrever alguma coisa sobre isto tudo.

Independente do acerto ou não do negócio, a diretoria já mostrou que não está pensando no acesso. A diretoria pode até não dizer que desistiu do campeonato, mas pelo menos poderia ser mais transparente. Em 2007, quando a parceria com a LA Sports foi fechada, o próprio Luiz Alberto declarou que naquele ano o objetivo do time era não cair e que somente no ano seguinte é que o time disputaria o acesso com chances. Apesar do berreiro geral, foi o que aconteceu. O ano de 2007 foi de sofrimento e o de 2008 de alegria.

Se o acesso para a série A já estava difícil, deverá ficar ainda mais complicado com a saída do Cléber Santana. Não que ele seja um super craque, até porque nas últimas partidas não tem feito a diferença, mas está num nível bem acima dos demais atletas do elenco avaiano.

O problema não está tanto na saída dele, mas na opção da diretoria em liberar um jogador, que é indicado por todos, não só avaianos, como um jogador de qualidade, que torcedores de vários times, da A e da B, gostariam de tê-lo em seu clube.

Ainda temos chances de subir, mas a esperança está cada vez menor. É impossível vencer as partidas que faltam e conseguir o acesso sem o CS10? Não, mas se com ele já estava difícil, ficar contando com a criatividade de Camilo e Nenê Bonilha para fazer os gols que não vem acontecendo, é quase acreditar em Papai Noel.

É claro que a culpa maior desta lambança é da diretoria, mas o atleta também tem parte em tudo isto. Ele tem todo o direito de mudar de clube, mas estará indo contra a sua palavra, que disse que ficaria no clube até o final do ano. Não adianta querer protegê-lo ou santificá-lo. O futebol apresentado em campo não o imuniza de receber críticas. Falou que ia ficar e não vai. Tem seus motivos para sair? Tudo bem. Chame a imprensa, explique sua situação e aproveite para se despedir da torcida que tanto gosta dele.

Em relação ao Renato Santos, apesar de bom zagueiro, já estava se achando o Baresi. Ele está querendo receber o troféu Belfort Duarte? Podemos até sentir sua falta, mas não é uma reposição tão difícil de se fazer. É claro que contar com o Marcelinho Paulista para isto é pedir demais.

Por último, mesmo que a negociação não aconteça, o clima de desânimo e revolta da torcida já estará estabelecido. A diretoria, que não é bem vista por boa parte da torcida, deu mais motivos para os protestos.

Depois desta, a gente pensa se vale a pena continuar sócio de um clube que não dá bola para o torcedor.

sábado, 15 de setembro de 2012

9 pontos em 13 rodadas. Será que dá?

Finalizada mais uma rodada, a distância do Leão ao grupo de acesso, ao invés de diminuir, vai aumentando. Agora a diferença já está em 9 pontos, já que o Avaí continuou com 37 pontos e o São Caetano, atualmente na quarta colocação, chegou aos 46 pontos. Será que ainda dá para acreditar?

Sim e não.

Sim - ainda tem muitos jogos pela frente, o Avaí fará muitas partidas em casa contra adversários diretos (Vitória, Goiás e Criciúma) e fora contra adversários na degola (Bragantino, Barueri) ou perto dela (ASA e ABC). Os adversários tem confrontos entre si, o que possibilitará uma aproximação do Avaí na tabela. O time tem criado muitas chances de gol, faltando convertê-las em gol. Os adversários também tem tido sofrido alguns revezes.

Não - o ataque não funciona e a não ser que  Ricardo Jesus mostre o futebol do youtube ou que Fábio Santos entre e faça o que não fez na sua primeira passagem, a rede vai continuar sem balançar a favor do Avaí. A zaga, que já não está boa, pode ficar ainda pior com a saída de Renato Migué Santos. Cléber Santana já está ficando com dor nas costas de tanto carregar o time.

O torcedor otimista ainda acredita, o realista está fazendo contas e o pessimista está com medo do rebaixamento.

Penso que vencer as próximas duas partidas (Guaratinguetá e Vitória) em casa é a única chance de se manter vivo na disputa. Se o Leão somar 6 pontos, pode continuar a sonhar. Se fizer apenas 4, até uma parte dos otimistas vai desistir. Se perder uma das partidas, aí pode começar a planejar 2013.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Setor A: Torcida Visitante?

Sou sócio do setor A há muito tempo e já estou acostumado com a cornetagem que acontece lá, apesar de nunca tê-la compreendido e muito menos aceitá-la. É bem verdade que neste jogo contra o Ipatinga, o time não ajudou, mas o desempenho dos torcedores deste setor foi pior do que a performance do Ricardo Jesus.

Desde o início da partida, o que só se ouvia eram xingamentos, apupos e vaias. Apoio mesmo, somente após o segundo gol. Acreditem, logo após o primeiro gol, já tinha gente novamente xingando os jogadores avaianos.

Atualmente, pelo que percebi, só estão a salvo da ira desta parcela da torcida avaiana, Cléber Santana, que pode até rabar na bola ou chutar na lua, que a turma aplaude, Rodrigo Thiessen, que é o campeão de passes certos com menos de 1 metro de distância (deve ser por isso) e Renato Santos (mas nem sempre). Ah, o Rafael também não é muito xingado. Os demais não podem falhar em nada, muito menos arriscar um chute, um passe ou um drible. Se errarem, é xingamento e vaia.

Imagino que deve ser ótimo para os atletas avaianos jogarem com este clima da arquibancada. É como trabalhar com o chefe dando esporro a cada erro. Muito motivador.

Fico realmente chateado com esta turma, que na minha opinião, não sabe torcer. Não é que não sejam avaianos ou menos torcedores que eu. Apenas que não ajudam o time com este estilo de pressionar o próprio time. Parece até que o Avaí está jogando na casa do adversário.

Preferia que esta turma toda ficasse em casa, mesmo que o setor A ficasse quase vazio. Quase, porque nem todos que sentam sente setor fazem parte da turma da corneta.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Prognósticos para o resto do returno


Como sempre acontece, a derrota traz uma onda de pessimismo e de baixo astral na torcida avaiana e uma grande amargura na blogosfera azul. A derrota foi péssima, mas o time jogou bem, o que, se não serve de consolo, pelo menos pode servir como um fio de esperança para dias melhores. Pior seria levar um banho de bola e tomar uns 4 cocos. Não foi assim, e o time mostrou que se colocar o pé (e a cabeça) na forma, poderá conquistar muitas vitórias.A tarefa não será fácil, mas ainda tem muita água para passar embaixo da ponte e está longe de ser desesperadora. Vejam os próximos adversários do Leão:

- Ipatinga (5ª/24ª rodada) – o Leão venceu o clube mineiro na casa deles ainda no começo do campeonato. Agora que eles estão na zona do rebaixamento, a vitória é quase uma obrigação.

- América-MG (6ª/25ª rodada) – numa das melhores atuações do time avaiano no campeonato, o Leão bateu o coelho mineiro por 2x0, quando eles eram vice-líderes. Depois disto, o time mineiro deu uma caída, mas já está de volta na briga pelo acesso. Jogo duríssimo, onde um empate poderá ser comemorado.

- Guaratinguetá (7ª/26ª rodada) – o empate com o time paulista no primeiro turno, mesmo que na casa dele, já não foi um bom resultado. Agora que o time da terra do Frei Galvão está na degola e o jogo será na Ressacada, a vitória será o único resultado aceitável.

- Vitória (8ª/27ª rodada) – a derrota no primeiro turno aconteceu em falhas pontuais e o time quase arrancou o empate no Barradão. O time baiano vem embalado pela liderança e é um time difícil de ser batido, mas também tem suas falhas. A vitória é sempre importante, mas um empate não será um desastre. Só não pode perder.

- ASA (9ª/28ª rodada) – este será o jogo para o Leão conquistar 3 pontos fora de casa. Sem mais delongas.

- CRB (10ª/29ª rodada) – mais uma derrota no primeiro turno que não poderia ter acontecido. Agora o jogo será na Ressacada e a vitória é muito possível, ainda mais que o time alagoano está quase na zona do precipício.

- Atlético Paranaense (11ª/30ª rodada) – a derrota em casa no primeiro turno foi doída, ainda mais que não foi merecida e contou com o erro da arbitragem (novidade). O jogo será daqueles encardidos, num estádio acanhado. Até acredito na surpresa de uma vitória fora de casa, mas um empate será bem vindo.

- Goiás (12ª/31ª rodada) – o time foi apático na derrota do primeiro turno e não pode dar bobeira contra o time goiano que vem subindo rapidamente na tabela, conquistando importantes pontos fora de casa. Jogo difícil, mas que a vitória é possível. O empate será ruim, mas não improvável.

- Bragantino (13ª/32ª rodada) – a vitória no turno foi suada, conseguida no último minuto, mas no returno, mesma lá na terra da linguiça, não poderá ser assim, pois o time de Bragança Paulista está na rabeira do campeonato. Outra boa oportunidade para conseguir 3 pontos fora de casa.

- Paraná (14ª/33ª rodada) - o empate conquistado em Curitiba foi bom, mas agora, na Ressacada, a vitória tem que vir de qualquer maneira. A esta altura do campeonato, o time paranaense já vai estar de férias, livre da C e sem chance para a A.

- Ceará (15ª/34ª rodada) – no turno, vitória suada, de virada. No returno, jogo será complicado, mas possível de até vencer. O empate será um bom resultado.

- ABC (16ª/35ª rodada) – apesar de alguns sustos, o jogo no turno foi controlado (3x1) com a vitória mais que merecida. Lá no Frasquerão sempre é difícil de jogar, mas aposto que o time de Natal também já vai estar de férias. Oportunidade para trazer 3 pontos, porque nesta rodada, talvez o empate possa ser um adeus para o acesso avaiano.

- Guarani (17ª/36ª rodada) – esta foi uma das poucas vitórias fora de casa que o Avaí conseguiu no primeiro turno. No returno, só a vitória será aceita, até porque o time de Campinas também já estará de férias.

- Barueri (18ª/37ª rodada) – no turno, foi um jogo para corações fortes, com a vitória acontecendo no final do segundo tempo. Só que até lá, o time itinerante paulista já estará matematicamente rebaixado e talvez haja mais torcedores do Avaí do que do Grêmio Barueri no estádio. Serão 3 pontos para talvez, confirmar a vaga do acesso.

- Criciúma (19ª/38ª rodada) – no turno, o time jogou para não perder, e não conseguiu. No fechamento do campeonato, o resultado será imprevisível, pois vai depender muito das condições e necessidades de cada time. Se tiver chance para subir, o Leão não vai deixar escapar a vitória.

No primeiro turno o Avaí conquistou 10 pontos até a 6ª rodada, somente 4 da 7ª até a 12ª rodada (perdendo pontos para Guaratinguetá e CRB) e 16 pontos, nos últimos 7 jogos. Ou seja, o desempenho da segunda parte poderá ser bem melhor e na última parte foi quando mais conquistou pontos, podendo até repetir o desempenho no returno.

No returno, o Avaí terá ainda 15 jogos, sendo 8 em casa e 7 fora. Dos jogos que acontecerão na Ressacada, acredito em 5 prováveis vitórias (Ipatinga, Guaratinguetá, CRB, Paraná e Guarani). Já contra Vitória, Goiás e Criciúma, aposto em 7 pontos, dos 9 que serão disputados. Nos confrontos longe da Ilha, dá para acreditar em 3 vitórias (ASA, Bragantino e Barueri) e pelo menos empatar com Ceará e ABC. Já contra América-MG e Atlético-PR, ficaria contente em trazer pelo menos 1 ponto.

Se tudo isso acontecer, serão mais 34 pontos, o que levará o Avaí a 68 pontos, que sempre foi mais do que suficiente para o acesso.

Então gente, ainda não é hora de jogar a toalha.

Eu acredito!

domingo, 9 de setembro de 2012

Ataque vesgo e Mandrake caolho

Num jogo de muitas chances perdidas, o Leão não trouxe nenhum ponto da terra do balé. Agora o Avaí está 7 pontos atrás do quarto colocado, que é o próprio time do norte catarinense.

O ataque não aproveitou as oportunidades que surgiram. Só que nesta conta também deve ser incluído o craque e maestro Cléber Santana, que perdeu um gol na cara do goleiro, cabeceando para fora um cruzamento na medida feita pelo Acosta, num dos muitos contra-ataques avaianos.

No final do jogo, o Mandrake caolho conseguiu enxergar um pênalti, que sem dúvida nenhuma, não daria se fosse na área bailarina. Porém, com o peso das calças cagadas já lhe incomodando, apontou a marca da cal. Nos últimos 3 minutos do jogo deve ter dado umas 10 faltas para o time do coelho.

Ninguém gosta da derrota, mas não se pode chamar todo mundo de pereba por causa do resultado. Um time que cria tantas chances não pode ser considerado ruim.

Moretto entrou numa grande fogueira, substituindo Diogo logo no início do jogo, mas esteve bem em toda a partida. Não há garantia de que se, na cobrança do pênalti, ficasse no meio do gol, o cobrador chutaria no mesmo lugar, mas às vezes vale a pena arriscar isso.

A defesa esteve bem, apesar de alguns sustos. Já os laterais estiveram abaixo do resto do time, especialmente Julinho, que irrita qualquer um com sua mania de querer prender a bola até perder.

Bruno (apesar do pênalti) e Pirão, protegeram bem a zaga, fazendo com que os fãs de Thiessen ficassem calados. Cléber Santana, apesar do gol perdido, cobrou uma falta que o goleiro adversário tirou com a unha e comandou o meio de campo. Camilo não foi mal como aqueles que fazem os comentários a partir do resultado, falaram. É melhor que qualquer um dos volantes do Leão.

Acosta deu a bola da vitória na cabeça do Cléber Santana e só por isso poderia ser perdoado pelos outros lances que perdeu. Ricardo Jesus perdeu a outra bola da vitória, chutando sem olhar para onde estava o goleiro. Artilheiro que é artilheiro, olha antes de chutar. Felipe Alves é um Julinho piorado e tenta lances difíceis em horas impróprias. Nunes nem recebeu uma bola decente para a gente falar alguma coisa.

Ainda tem muito chão pela frente, principalmente porque é na segunda parte da tabela que o Avaí tem mais chances de pontuar fora. Só não pode perder os primeiros de vista.

Eu ainda acredito.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Empate ruim

O Avaí começou melhor a partida, mas no primeiro ataque do time de Natal, bola na cabeça do atacante Isaac e gol. Parece que já está se tornando rotina levar gol no começo do jogo. A diferença é que desta vez  o empate e a virada veio ainda no primeiro tempo. Melhor seria que tivesse vindo só no final do segundo tempo, como foi contra o Bragantino e o Boa, para não dar tempo do adversário tentar empatar.

O Leão continuou melhor no segundo tempo, mas não aproveitou o espaço dado pelo adversário. Em nova falha de marcação, o time potiguar chegou ao empate. O Avaí ainda teve algumas chances, com até bola na trave, que como não altera o placar, ficou tudo igual até o fim. Resultado ruim.

Para sorte do Avaí, a noite dos concorrentes diretos, com exceção do Atlético-PR (que ganhou em casa do BOA) e do São Caetano (que ganhou fora do Bragantino), também não foi boa, com Goiás e América-MG que empataram em casa (contra Ceará e Paraná) e o Joinville, que perdeu fora para o Guarani. Nem vou contar o empate do Vitória e do Criciúma, que estão na ponta da tabela.

No primeiro gol deles, pode até se dizer que a falha foi do Wagner Diniz, que nem subiu, mas o atacante vermelho era bem mais alto que ele. Entretanto, acho que quem deveria estar ali marcando deveria ser o Renato Santos, que estava sozinho, no meio da área, sem marcar ninguém.

No empate avaiano, créditos para Julinho que levou a bola para o ataque, Diogo Acosta e Camilo que deu um passe açucarado para Cléber Santana que acertou o ângulo. Detalhe para Ricardo Jesus que fez uma de pivô, impedindo a chegada do zagueiro para interceptar a bola.

No segundo gol avaiano, créditos apenas para Bruno, que estava bem colocado e aproveitou a sobre da bola para fazer um golaço.

No empate adversário, falha de Wagner Diniz, que ficou pelo caminho e Renato Santos, que novamente deixou o atacante passar e cruzar (como aconteceu em São Caetano). Do outro lado, falha de Julinho, mal posicionado, perdido no meio da área, sem marcar ninguém. Podem discordar, mas Diogo Orlando não falhou neste gol.

Agora vamos aos jogadores.

Diogo - não falhou, mas só fez defesas fáceis. As duas difíceis ele não pegou.

Zaga - Renato Santos falhou no segundo gol e Rafael deu alguns sustos, principalmente numa escorregada no primeiro tempo, em que o time do nordeste quase empatou.

Laterais - Julinho fez uma boa partida, criando vários lances no ataque. Precisa melhorar ainda na marcação. Já Wagner Diniz foi uma peça nula. Esteve muito mal no jogo. Arlan entrou e não acertou nenhum cruzamento, para variar. Aquela bola que ele quase fez gol, posso apostar que ele estava tentando cruzar.

Volantes - Bruno estava bem, mas recebeu mais um cartão amarelo por chegar atrasado na bola. Diogo Orlando, como não tinha função de criar, ficou na função de proteger e desarmar, o que fez bem. Vejo alguns comentários em blogs e no twitter, malhando o volante. Parece ser de gente que não sabe ver o jogo e escolhe um jogador para por a culpa sempre que o resultado esperado não vem. Como o Robinho foi embora, agora o escolhido é o Diogo Orlando. Se o Thiessen tivesse em campo, ia dar na mesma.

Meias - Cléber Santana só fez o gol. Só o gol, você pode dizer, mas para quem é o craque, maestro e insubstituível da equipe, fez muito pouco no jogo. Quase não apareceu. Ficou devendo. Camilo começou bem, dando o passe para o empate, e depois também desapareceu. Bonilha entrou no final e criou boas oportunidades.

Atacantes - Diogo Acosta é aquele lutador, mas já não estava bem antes de sair machucado. Ricardo Jesus está perdido e deve estar desesperado com os péssimos cruzamentos. Ele também tem que ajudar um pouco, se colocando melhor na área. Felipe Alves entrou e só fez fumaça, arriscando chutes em momentos desnecessários.

HM - Não tinha muita opção e fez o que podia. O time não se desorganizou e poucas vezes deu chutão. A bola não entrou, é verdade, mas o time tentou.

Está cada vez mais difícil, pois a distância para o G4 continua grande (6 pontos) e as rodadas que faltam estão diminuindo. Agora só faltam 16 partidas.

A próxima vai ser uma guerra, pois a turma do balé não vai querer deixar por menos. Muita cautela e segurança, para trazer pelo menos um empate. Espero que o time não seja covarde e tente amorcegar o jogo desde o começo. Não vai ser fácil, mas até uma vitória é possível.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Análise do sábado

Num jogo equilibrado, o Avaí desperdiçou uma boa oportunidade de trazer alguns pontos para casa. O time do ABC paulista não é tão bom para estar na nossa frente e nem jogou tanto para merecer a vitória.

- Diego - fez boas defesas e não teve culpa no gol. A camisa não teve nada com o resultado.

- Zaga - Renato Santos fez algumas firulas desnecessárias e quase entregou o ouro para o bandido. O lance do gol foi em cima dele, que não conseguiu acompanhar o atacante adversário. Jaílton estava mal posicionado na hora do gol e não cortou o cruzamento. Mas também nem esteve tão mal assim. Apesar deste lance capital, o problema maior está lá na frente e não atrás.

- Laterais - Julinho está gastando a bola, mas é de tanto passar o pé por cima dela. Não produziu nada e marcou menos ainda. Pirão entrou e se não resolveu, jogou melhor (e olha que eu não gosto dele). Wagner Diniz não foi o que esperava, mas é bem melhor do que o Arlan no cruzamento e na marcação.

- Volantes - Thiesen não marca, não desarma e nem cria. Peça nula em campo. Diogo Orlando erra mais porque participa mais do jogo. Se for para tocar a bola para o lado e aparecer bem nas estatísticas, até eu faço. Bruno ficou sobrecarregado e não esteve bem na partida.

- Meio - Camilo criou muito pouco e esteve a maior parte do tempo escondido. Se quando o CS joga sozinho e não cria nada, todo mundo dá a justificativa que ele precisa de um companheiro, pela lógica a gente tem que dar o mesmo desconto para o Camilo, que não tinha ninguém para conversar em campo. Nenê Sapato de Sabão Bonilha tem que aprender a ficar em pé. Acho até que é um bom jogador, mas no sábado não fez nada.

- Ataque - Diogo Acosta perdeu as poucas chances que o Avaí teve. Mas pelo menos não se escondeu. Levou mais um amarelo bobo. Ricardo Jesus ficou escondido no jogo e também perdeu uma boa oportunidade. Não sei se dá para escalar os dois juntos, porque parecem que ocupam o mesmo espaço no campo e acabam se esbarrando. Laércio melhorou um pouco o ataque, mas entrou muito tarde. Felipe Alves quase nem tocou na bola.

- Técnico - é verdade que HM não tem muitas opções, mas deixou o Avaí dispensar Jaílton bem na hora que precisa de alguém para o lugar do CS. No sábado, não tinha muito o que fazer.

- Adversário - jogou melhor que o Avaí, mas fez o gol na hora que o Leão era melhor. Depois criou algumas jogadas, mas também não incomodou muito. Não acredito neste time. Vai ficar para trás.

Agora é buscar a vitória contra o time de Natal, de preferência, sem o sofrimento usual.