segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Quem faz o que? Quem manda em quem?


Li no Infoesporte uma notícia sobre o organograma do Avaí (O organograma do Avaí Futebol Clube) onde constava uma grande relação de nomes e cargos.

Fiquei curioso em relação a algumas coisas:

Como tem gente trabalhando no Avaí, hem? Eu contei 36 nomes, mas dá pra ver que está faltando gente, pois existem 6 cargos acumulados por pessoas em outros cargos. Quantos desta lista são remunerados? Nesta lista só tem o nome dos chefes. Quantos funcionários o clube tem no total? Eu sei que o Avaí é um time de série A e portanto é possível que realmente precisa de bastante gente.

O presidente manda em todo mundo. Ok. O vice manda em alguém? Os superintendentes estão subordinados a quem? Os gerentes prestam contam para quais superintendentes? Os coordenadores respondem pra quem? O superintendente executivo manda em todo mundo?

Na área esportiva, qual é a linha de comando? Zunino - Luciano Correa - Mauro Galvão - Fábio Araújo - Silas? Eu sei que o Silas treina o time e o Mauro Galvão está envolvido nas contratações. O que faz o Luciano Correa e o Fábio Araújo? Cadê o Parreirinha?

A pessoa que é responsável pelo relacionamento com o sócio (Cláudio Vicente) acumula as funções de Superintendente de Administração, Gerência de Logística e Infraestrutura e Coordenação de Infraestrutura. Pelo qualidade do atendimento aos sócios, ele não deve ter tempo de comandar esta área.

Por último: bem que o Avaí poderia publicar o organograma (não esta lista de nomes) e uma breve descrição da função dos principais cargos.

CORREÇÃO

O Avaí já havia publicado o organograma como havia pedido. Ficam as perguntas sobre os remunerados, o número de funcionários e a função de alguns cargos e pessoas.

Cálculos para o Returno

Neste returno o Avaí terá dois objetivos:

- Ficar em primeiro para decidir as semifinais e final em casa e por um empate e assim conquistar o returno

- Tirar a diferença de 4 pontos que tem em relação ao Criciúma.

Quanto ao primeiro objetivo, não há muita conta para fazer. É vencer todas em casa e fazer pelo menos 5 pontos fora (1 vitória e 2 empates). Com 20 pontos, o primeiro lugar é quase certo, pois desde 2009, só o próprio Avaí conseguiu fazer mais do que isso (22 pontos no 2º turno de 2009).

Entretanto, para alcançar o segundo objetivo, talvez esta pontuação não seja suficiente, pois vai depender do desempenho do time do sul. O confronto direto é na Ressacada, onde podemos reduzir a diferença para 1 ponto. Se eles confirmarem a boa fase e venceram todas em casa (como fizeram no turno), a diferença acontecerá no desempenho fora de casa. Além do Avaí, eles enfrentam o RME, o Metropolitano e o Concórdia. Só acredito na vitória deles contra o time do oeste. Nas outras partidas deverá ser derrota ou empate. Acho que conseguem fazer no máximo 4 pontos, totalizando então, 19 e 34 no total, com 10 vitórias.

Se fizermos “apenas” 23, chegaríamos a 34 e 10 vitórias e o desempate seria no saldo de gols, que hoje é vantagem do time do sul (+9 x -4). Assim, precisaríamos chegar a 24, que com os 11 do turno, totalizaria, 35 e 11 vitórias. Isto significa vencer 8 partidas no returno, 5 em casas e 3 fora. Não é fácil.

A nosso favor, conta o histórico dos times que depois de ganhar o 1º turno, perdem o rendimento no returno, um pouco por conta do regulamento que não dá o campeonato antecipado para quem vence os dois turnos. Em 2008, o Criciúma venceu o turno (19 pontos) e só fez 7 pontos no returno. Em 2010, o Joinville fez 19 pontos no turno e 15 no returno. Assim, talvez não precisaríamos fazer tantos pontos no returno.

Nosso primeiro desafio é fora de casa, contra a Chapecoense, jogo sempre difícil. Eles jogam contra o Concórdia, também fora de casa. Portanto, já nesta primeira rodada do returno poderemos até definir nossas chances de trazer a decisão para Ressacada. Precisamos vencer e torcer por um tropeço deles.

Vai pra cima deles Leão.

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Qua, qua, qua, qua

Ai, ai, ai, até perdi minha respiração de tanto rir.

Ainda bem que gastaram um pouco dos foguetes de manhã, assim não sobrou tanto assim.

Estavam fazendo festa antecipado.

Parabéns ao Criciúma. Nos vemos na final.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Futebol é diversão

... e nada mais do que isso.

Li no blog do André Tarnowsky sobre as pichações que fizeram na Ressacada. Coisa de desocupado. Vou aproveitar o assunto para refletir alguns pontos:

Modo de se criticar

Todos têm direito de criticar a diretoria e suas ações, de reclamar do tratamento ao sócio (como eu mesmo já fiz aqui), de vaiar um jogador (apesar de achar que só se deve fazer isso ao final do jogo e nunca durante) de discordar de uma escalação ou de uma substituição do técnico, etc. Existem muitas maneiras para se fazer críticas, mas fazer pichações é com certeza uma das maneiras mais incorretas que existem para fazer isto.

Ataques pessoais

Não faz muito o meu estilo criticar diretamente uma pessoa, mas é claro que algumas vezes isto é inevitável. Quando se escreve sobre o desempenho do time, como não falar sobre o técnico ou algum jogador? Entretanto, ofender as pessoas é algo totalmente desnecessário. Posso criticar seu desempenho, mas não preciso atacá-lo moralmente. Acho que quem faz isto deveria pensar se gostaria que alguém fizesse o mesmo com ele ou se quando está conversando com alguém e não concorda com alguma coisa precisa ofendê-la por conta disso.

Blogs Pichadores

Como disse antes, todos têm o direito a se manifestar, mas devemos ter cuidado com o que escrevemos. Passeando pela blogosfera avaiana vemos críticas acentuadas, mas respeitosas, muita ironia e opiniões divergentes, mas coerentes, que convivem sem problemas. Mas também vemos acusações sem prova e desrespeito com pessoas que muito se aproxima deste ato de vandalismo ocorrido na Ressacada.

Proteste também contra o aumento do salário dos deputados

Na mesma linha do que foi escrito pelo Alexandre Aguiar em seu blog (Força Azurra), esse pessoal que gosta de protestar contra a diretoria, fazer mobilizações, passeatas, greves e outras ações contra o clube, bem que poderiam canalizar esta energia para outras manifestações de protesto, contra tanta coisa errada que a gente vê na sociedade: aumento dos deputados, violência, engarrafamentos, transporte coletivo, salário dos professores do ensino público, etc. Tudo pacificamente é claro e sem pichações.

Futebol é diversão e só isso

Eu gosto de assistir e discutir sobre futebol, fico alegre nas vitórias e triste nas derrotas do Avaí, mas para meu mundo não gira em torno do clube. Para mim existem coisas mais importantes, como minha família, minha igreja e meu trabalho. Como já dizia Armando Nogueiras, o futebol é a coisa mais importante dentre as coisas sem importância.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Gols de Vilhena 0x3 Avaí

Agora que eu pude ver os gols, faço alguma observações:

- No primeiro gol: a tranqüilidade e categoria do Estrada em dar o corte no zagueiro do Vilhena;

- No segundo gol: a raça do Willian em se antecipar aos zagueiros e pegar o rebote que ele mesmo provocou ao cabecear a bola, depois do escanteio bem cobrado (não sei por quem);

- No terceiro gol: a velocidade do Maurício Alves e o passe caprichado para o Willian fazer o gol (se quisesse podia ter tentado fazer um golaço, encobrindo o goleiro);

- O comentário da torcedora nos dois primeiros gols (não acrediiiito). Já no terceiro, ela tinha desistido de torcer e gritou: que liiiiiindo.

- O goleiro do Vilhena, que falhou no primeiro, não pelo rebote, mas por ficar olhando a bola passar na frente dele e no segundo, que bateu roupa. A gente agradece.


Considerações sobre um jogo que não vi

É claro que não dá para comentar um jogo que a gente não viu. Por isso, vou fazer apenas algumas observações:


- Estrada - não sei se jogou bem, mas fez mais um gol. Deve permanecer no time.


- Willian - mais dois gols. Parece que voltou melhor do que era.


- Maurício Alves - pela descrição do lance, ele deu o gol de bandeja para o Willian. Acho que ainda vai ser muito útil para o time.


- Evando - como tem gente da imprensa puxa saco dele! É claro que vou torcer para ele jogar bem e marcar muitos gols, mas já estou até vendo a pressão que uns caras vão fazer para escalá-lo se o Rafael Coelho ou Willian ficar uns 3 jogos sem marcar.


- Arbitragem - deve ter sido muito ruim, porque vários jogadores e também o Silas estavam criticando muito ele. O Zé Carlos chegou a dizer que o cara era um mala e pelo jeito achava que estava apitando a Libertadores. Pra variar, o narrador preto e branco achou que estava tudo normal, com o árbitro errando para os dois lados. Pros dois lados, em Vilhena?


- Imprensa - como tem repórter que gosta de fazer piadinha com alguns jogadores avaianos. Deve ser porque eles são os melhores em sua profissão e nunca erram.


O Avaí tinha obrigação de eliminar o jogo da volta? Mais ou menos. Dois 32 times que jogaram a primeira partida como visitante, apenas 9 conseguiram vencer por 2 ou mais gols de diferença (Flamengo, Ceará, Caxias, Uberaba, Vasco, Avaí, São Paulo, Santa Cruz e Goiás). Times como Atlético-MG e Palmeiras (que venceram por diferença de apenas 1 gol), Botafogo e Atlético-PR (que perderam) vão ter que jogar novamente para conseguir a classificação para a próxima fase.


O próximo adversário do Avaí deverá ser o Ipatinga que venceu o Rio Branco (do Espírito Santo) por 1x0 em Vitória e deve confirmar a vaga na próxima partida, no Ipatingão na próxima semana.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Nossa Imprensa Esportiva (argh)

Cobertura da filial platinada gaúcha

Quando cheguei para almoçar em um restaurante que tem uma TV que está sempre ligada no canal gaúcho, fiquei curioso como seria a cobertura sobre o Avaí, que junto com o Brusque, são os únicos clubes catarinenses a jogar hoje. Pensei comigo: nos outros dias eles se fartaram em falar da máquina de lavar com a justificativa de que só eles jogaram no final de semana, mas hoje com certeza, vão falar um pouco sobre o Avaí. Que decepção, que amadorismo. Nenhuma imagem. Até do Brusque fizeram uma reportagem.

Será a poderosa está sem dinheiro para mandar um cinegrafista para lá? Será que não poderiam pelo menos apresentar um áudio com o repórter deles que foi pra lá? Ou será que não estão interessados? A torcedora e dublê de apresentadora leu apenas uma pequena nota falando apenas que o Silas disse pretende eliminar o jogo da volta (será?). Que desleixo com um clube que está representando o estado numa competição nacional. Acho que no próximo jogo na Ressacada, temos que tratá-los com a mesma atenção e carinho que eles têm demonstrado com o Avaí, se é que vocês me entendem!

Programas de debate

Pra completar meu sofrimento, resolvi escutar um pouco dos dois programas de conversa fiada que passa logo após o almoço. Como é triste ver que os caras não se dão nem ao trabalho de pesquisar um pouco sobre o que vão falar. Uns diziam que era a segunda participação do Vilhena na Copa do Brasil (é a quarta), outros que se o gramado fosse ruim poderia atrapalhar (o repórter que está lá não informou sobre isto?).

Não sabiam nada sobre o tamanho da cidade, o clima, o clube, nada. Bastava 1 hora (nem isso) na internet para descobrir tudo isso e muito mais. Não foi surpresa, pois já percebi que eles nem conhecem o regulamento do campeonato e muitas vezes nem sabem o nome de alguns jogadores ou onde eles jogavam antes.

É por isso que a gente pode afirmar que a imprensa daqui ficou para trás e não acompanhou a evolução dos clubes da capital. Usam os mesmos métodos e o mesmo discurso de 20 anos atrás. São amadores, e muitos deles no sentido exato da palavra, pois apenas fazem bico em programas e não possuem dedicação exclusiva para a profissão. Aliás, daqueles que trabalham em tempo integral na imprensa, dá para contar nos dedos aqueles que respiram apenas esportes (nem estou exigindo somente futebol). Para completar o ganha-pão precisam fazer de tudo, seja programa de rádio que fala de tudo um pouco ou preenchendo buraco nas programações de TV fechada.

Eta gente ruim de microfone.

O que esperar para hoje?

Silas teve tempo para treinar e tem obrigação de apresentar um time mais organizado e com um futebol melhor do que aquele apresentado no 1 turno. Se fosse o Benazzi, todos nós iríamos exigir isto. Não conheço nenhum dos dois, mas temos que ser coerentes na cobrança. Se vale para um, tem que valer para outro.

Sua única desculpa é a ausência do Marquinhos, mas um bom treinador sabe que isto pode acontecer ao longo do ano e por isso precisa saber aproveitar o que tem de melhor no elenco. Elenco, aliás, que a maioria concorda, parece ser um dos melhores que foram montados nos últimos anos. É claro que serão os resultados que irão comprovar esta teoria. De qualquer modo, ponto para o Mauro Galvão.


Sabemos que o Vilhena nunca passou da primeira fase da Copa do Brasil, mas que nos últimos dois anos conseguiu evitar a eliminação já na primeira partida, contra a Ponte Preta e o Atlético Paranaenese, como já postei aqui. Sua participação na série D do ano passado foi horrível, sendo eliminado na primeira fase num grupo que tinha Mixto e Vila Aurora e Nauás.

Dito isto, não acho que vai ser um jogo fácil, principalmente pela empolgação do time deles em jogar a Copa do Brasil. Entretanto, o elenco do Avaí é, no papel, bem superior ao do Vilhena e se tocar a bola, manter a organização e não bobear na defesa, pode sim liquidar a fatura hoje mesmo. Vamos torcer para que o Estrada encontre os caminhos certos e que Willian e Rafael Coelho acertem o pé.


Meu palpite: Vilhena 0 x 3 Avaí

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

E a Fanatic?

A discussão da hora são as camisas da Fanatic. Eu tenho umas três camisas, que gosto bastante. Acho o material bom e confortável. Não me iludo com esse negócio de marcas, porque no final quem faz as camisas são malharias como estas daqui.

Entretanto, esta parceria vem sendo bombardeada por conta de erros cometidos nestes anos de contrato, principalmente ligados a entrega das camisas, o que já era um problema que acontecia com a fornecedora antiga (Champs). A última promoção evidenciou um grave problema que não sabemos se está no departamento de marketing do Avaí que programou a promoção ou da fornecedora do material que não entregou o prometido. Pode até ser dos dois.

A venda de material esportivo pode ser uma boa fonte de arrecadação e deve ser explorada pelo clube. A questão é saber se o modelo proposto pelo Avaí é correto e não está dando certo pelo mau gerenciamento ou é mais interessante ter um fornecedor tradicional, como Adidas, Nike, Penalty, Reebok, Umbro, Topper, etc. Em relação a qualidade do material, acho que poderia ser melhor, mas do resto, não tenho certeza se as outras fornecedoras dariam a atenção devida ao Avaí. Quanto ao prazo de entrega, acho que podemos melhorar com algumas marcas, mas no geral, o sofrimento vai ser o mesmo.

Os atuais patrocínios dos maiores clubes brasileiros:

Corínthians e Flamengo são patrocinadas por Nike e Olympikus respectivamente, que não possuem contrato com qualquer outro time no Brasil.

A Reebok patrocina os três clubes que melhores resultados obtiveram nos últimos anos: São Paulo, Internacional e Cruzeiro.

A Adidas, uma tradicional marca, patrocina dois clubes tradicionais: Palmeiras e Fluminense.

A Umbro patrocina o Santos e o Atlético Paranaense.

A Topper patrocina o Grêmio e o Atlético Mineiro.

O Botafogo usa Fila, o Vasco veste Penalty e Coritiba usa a Lotto.

Os outros clubes da série A usam Penalty (Ceará), Lotto (Bahia), Fila ($$$), Kanxa (America MG) e Super Bolla (Atlético GO).

Não acredito que as três primeiras (Nike, Olympikus e Reebok) tenham interesse no Avaí. Acredito na Adidas e na Umbro. Não sei se o material da Fila, Penalty ou Lotto podem ser melhores que a Fanatic.

O Avaí precisa procurar um contrato que valorize a sua marca, já que é um clube de série A, com bom destaque na mídia e ao mesmo possa receber um produto de qualidade e com agilidade para atender as demandas que acontecem durante o ano. E este tem sido o seu grande calcanhar de Aquiles.

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Hoje tem jogão...

Mas é no Rio de Janeiro.

Botafogo e Flamengo decidem uma vaga para a final da Taça Guanabara. Podemos dizer que será o primeiro real desafio do craque do Fla. Quem será que vai correr para a galera no final do jogo? Loco Abreu ou Ronaldinho Gaúcho? Eu aposto no Loco, afinal depois do Avaí, eu torço para o Botafogo.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Conhecendo os Lobos do Cerrado

O próximo adversário do Avaí será o Vilhena, no próximo dia 23, pela Copa do Brasil.

O clube, conhecido como Lobos do Cerrado, foi fundado em 1991 e é o atual bi-campeão rondoniense. Vem se firmando como um dos grandes times do estado e nos últimos 6 anos esteve sempre nas primeiras colocações do campeonato estadual, conquistando 3 títulos (2005, 2009 e 2010), dois vice-campeonatos (2006 e 2008) e parando nas semifinais em 2007.

Na série D do ano passado, não passou da primeira fase, ficando em terceiro do seu grupo, com apenas duas vitórias (a segunda por WO) em cima do Nauás, que ficou em último do grupo, com apenas 1 ponto. Perdeu as outras 4 partidas para Mixto e Vila Aurora.

Já participou 3 vezes da Copa do Brasil, jogando todas as partidas no Portal da Amazônia, em Vilhena, que fica a 700 km da capital Porto Velho. Apesar de ter sido eliminado na primeira fase em todas elas, pode-se dizer que tem melhorado seu desempenho a cada disputa.

Em 2006, foi eliminado já na primeira partida, pelo Fortaleza (1x3). Em 2009, perdeu a primeira partida por 1x2 da Ponte Preta, mas provocou o jogo de volta, quando foi goleado por 6x1.

Na partida do ano passado, o Atlético Paranaense esperava liquidar a fatura na primeira partida, mas foi surpreendido pelo futebol veloz do time de Rondônia e empatou em 2x2, depois de ter saído na frente no placar, levar a virada e empatar. O goleiro Neto, do Atlético fez a análise da partida para a Radio Banda B: “Foi um jogo atípico. Não esperava encontrar um time veloz, com tanta vontade. O campo estava muito ruim e a arbitragem péssima. Não temos que botar a culpa em ninguém, afinal não tivemos competência para vencer. Menos mal o empate. Vamos ver se conseguimos o resultado em Curitiba”. No jogo da volta, o time paranaense mostrou sua superioridade e aplicou uma goleada de 4x0.

Um dos problemas enfrentados pelo Atlético foi a longa viagem que tiveram que fazer. Segundo o site EsporteAmazônia.com, alguns diretores do Avaí já estiveram em Vilhena (veja aqui) para cuidar da logística da viagem. Esperamos que o Avaí faça uma boa partida, domine os lobos do cerrado e interrompa o "crescimento" que eles tem conseguido a cada ano. E quem sabe consiga evitar o jogo da volta.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

O que esperar de Silas?

Não era muito a favor da volta do Silas por conta de sua conduta fora daqui. Entretanto, não posso negar que ele possui muitas qualidades para comandar o grupo do Avaí, a começar pelo conhecimento que tem dos jogadores e pela empatia que possui junto a torcida, que em sua maioria já o perdoou e o aceitou de volta.

Em sua primeira passagem, a torcida não depositava nenhuma fé nele e muitos e muitos torcedores e blogueiros xingaram a diretoria por estar novamente fazendo apostas com novos nomes.

Fracassou em seu primeiro desafiou, já que não conseguiu levar o Avaí as finais do campeonato catarinense de 2008, que ainda por cima, foi conquista pelo time das letras. Mesmo assim, a torcida acreditava nele e fomos para a disputa da série B. O ano que começou amargo terminou glorioso, com nossa ascensão para a série A, ao mesmo tempo que a lavanderia caia para a B. A torcida foi ao céu e santificou Silas.

No ano seguinte, veio a conquista do campeonato catarinense e uma excelente campanha na série A. Silas virou eterno, e para muitos, o melhor técnico que já passou por aqui. Inegavelmente, foi o que teve as conquistas mais importantes.

Saiu, em busca de melhores propostas, o que não pode ser condenado por ninguém, pois quem é que recusa aumento de salário ou promoção? Temos que aceitar, que por enquanto, não temos a estrutura ou a visibilidade de Grêmio e Flamengo, o que para um técnico é muito importante.

O problema do Silas com o Avaí, todos sabem, foram suas declarações desastrosas, que não precisavam ser feitas. Ele que foi um jogador de destaque, deveria estar tarimbado para fugir das pegadinhas da imprensa. Mas fazer o que, ele errou como todos nós erramos. Ainda teve os problemas relacionados com sua vontade de trazer os profissionais que jogaram ou trabalharam no Avaí para os times que ele estava treinando. Eu não vejo nenhum problema nisto. Afinal, ele é um treinador em início de carreira e seu primeiro sucesso foi no Avaí. Era mais do que natural que indicasse jogadores de qualidade que ele conhecesse e para ele, eram os que estavam no Avaí.

Agora está de volta e a torcida está confiante em seu trabalho, já que muitos acham que temos um bom elenco, pelo menos para o Catarinense. Se na primeira passagem a torcida teve paciência com ele, mesmo não conquistando o campeonato, desta vez será diferente. Sua primeira tarefa não é fácil, pois terá como missão conquistar o segundo turno e depois o tricampeonato e fazer uma boa campanha na Copa do Brasil. Não acredito que haverá tolerância em caso de fracasso, principalmente para a primeira tarefa, a não ser que a derrota seja motivada por algum fator externo, que os avaianos bem conhecessem e sempre temem.

Espero que ele saiba aproveitar as qualidades do elenco, organizar o time, treinar jogadas e dar uma cara ao time do Avaí. Espero que não caia na tentação de usar como parâmetro o que ele conhecia do elenco, pois já se passaram dois anos, novos jogadores foram contratados que podem ser melhores que os seus conhecidos.

Desejo a ele boa sorte e um bom trabalho. Espero que a torcida tenha paciência e incentive o time em todos os jogos.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Quer entrevistar ou só fazer intriga?

Quando estava chegando em casa hoje, escutei a entrevista que o setorista da Guarujá fez com o Benazzi. Meu Deus do céu, que vontade de fazer intriga que os caras da imprensa tem.

Entre outras perguntas que fez ao Benazzi, queria saber se ele achava que houve um complô dos jogadores contra ele. O Benazzi, é claro negou, dizendo que o clima era ótimo e que ele podia perguntar para qualquer jogador. Ele foi até muito elegante ao dizer que apesar de chateado, respeitava a decisão da diretoria em procurar outro treinador.

Pois bem, não é que o sujeito (o setorista) depois da entrevista, persistiu no assunto e disse que apesar da negativa do Benazzi, afirmava que houve sim uma trama dos jogadores contra o técnico.

Poderia haver alguém que não gostasse do Benazzi? Claro que sim, mas se eles quisessem derrubar o técnico era mais fácil perderem as partidas, pois daí a queda dele era mais garantida. Como é que um grupo que quer a saída do técnico joga na base da raça para virar um jogo que estava perdendo por 3x1 num campo horrível daquele?

É por isso que esse pessoal da imprensa não sai daqui da província. Sei que em outros estados também têm vários "Tullius Detritus", mas estes daqui só sabem fazer isto. Podiam tentar a fazer um jornalismo menos covarde e cinzento.

PS: Antes que façam confusão, o nome do personagem não tem nada a ver com seu Tullo Cavalazzi. Este Tullius é o personagem da história a Cizânia, da história em quadrinhos Asterix e Obelix.

Parece que agora saiu mesmo

Segundo os sites Futebol Interior e Infoesporte, Benazzi não é mais técnico do Avaí.

Vamos ver se a notícia é confirmada nas próximas horas pela direção do Avaí.

Desejo ao Benazzi uma boa sorte na continuidade de sua carreira. Apesar das críticas que recebeu, espero que a torcida reconheça sua importância na permanência do Avaí na série A, em 2010. Queiram ou não, era ele o comandante, e se o Avaí tivesse sido rebaixado, todo mundo ia dizer que ele tinha sido um dos culpados. Temos que entender que no futebol, todos ganham e perdem. Não existe essa de culpar apenas uma parte da equipe.

Agora, espero que a diretoria contrate alguém melhor, porque se for pra trazer um meio boca, era melhor ficar com o Benazzi.

Benazzi deve sair hoje

Uma fonte (que eu não posso revelar) me disse que ele deve aproveitar a folga do time e sair ......... de casa para pagar umas contas.

Pois agora, não era exatamente esta saída que a gente estava esperando, né?

Fica como sugestão para ele aproveitar a folga e ir conversar com a diretoria pra combinar uma saída amigável. Será que não tem nenhum time interessado nele, não?

Acorda diretoria, a hora é essa.

Os números do Benazzi

Sem contar as partidas do ano passado, pois era outro elenco, outra competição e outro clima, neste ano, em jogos oficiais, a campanha do Benazzi é de 9 jogos, com 3 vitórias, 2 empates e 4 derrotas, 11 gols marcados e 15 sofridos. É, eu estou contando as 3 primeiras partidas em que ele não estava dirigindo a partida. Não me interessa, ele é o comandante do time profissional do Avaí e sobre ele recai todos os resultados do time.

Se contar apenas as partidas com o time titular, são 7 partidas, 3 vitórias, 2 empates e 2 derrotas, com 10 gols marcados e 10 sofridos. Para os otimistas, ele está invicto há 5 jogos, sendo 2 empates e 3 vitórias.

O problema não estão nos números, que nem são tão bons assim, já que não se classificou para as semi-finais de um campeonato fraco (mas que inegavelmente melhoraram nas últimas rodadas), mas pelo futebol (ou pela falta dele) apresentado em todo este tempo.

Em 2008, eu achava que o Sérgio Ramirez não era técnico para o Avaí, mas admito que ele conseguiu fazer o Avaí jogar e bem, aplicando várias goleadas. Não fosse aquela fatídica derrota para a Chapecoense e a perda do primeiro turno, além do empate com o Cidade Azul, ele teria permanecido no comando e o Silas talvez nem aparecesse por aqui. Não deu naquele ano, já que não passamos de um empate naquele último jogo do returno contra o Criciúma. Ficamos tristes, mas a torcida simpatizava com o Silas e acreditava que time podia fazer bonito na série B. Não deu outra, foi o ano do acesso.

No ano seguinte o caneco não escapou. Mas vocês sabem qual foi a campanha do primeiro turno de 2009? 3 vitórias, 4 empates e 2 derrotas. Ficamos em sexto. Ninguém se atrevia em mandar embora o técnico que levou o time para a série A. Ele ficou e ganhamos o returno com 7 vitórias, 1 empate e apenas uma derrota (1x5 Chapecoense). Daí pra frente, a gente sobrou no campeonato, escolhendo o adversário para a final (já que perdemos da Chapecoense em casa) e aplicando uma sonora goleada (6x1) no time do oeste na final.

No ano passado, sobramos no campeonato e apesar de perder o primeiro turno no último segundo para o JEC e apesar das desconfianças da torcida em relação ao Chamusca, dava para se ver que o time era bem melhor que os outros. Podem até falar que com aquele time qualquer um seria campeão, mas foi o Chamusca que comandou o time e ele merece o crédito.

Neste ano, o elenco parece ser até melhor que o dos anos anteriores, mas os resultados e o futebol apresentado não estão agradando ninguém. Eu que não queria a renovação do Benazzi mas entendia que não era hora para trocá-lo, já vejo que não podemos esperar por um resultado negativo para mandá-lo embora. Espero que a diretoria faça alguma coisa. Se não fizer, vou ser obrigado a torcer para que o Benazzi faça o que não conseguiu até agora: fazer o time jogar futebol.

Tricampeonato? Eu ainda acredito.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Cadê a narração?

Assisti aos gols do jogo pelo clicrbs, mas não havia a narração. Estava curioso em escutar a voz de desespero do Martinelli narrando o gol da vitória do Avaí, quando ele tinha certeza que a derrota era eminente. Segue então os gols pelo site da globo.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Coisa horrorosa!

Que foi este jogo? Neste sábado eu estava em Lages e assisti apenas a uma parte dele. Quando o Galo do Oeste fez 3x1, eu saí para jantar, por causa do adiantado da hora. Mas antes mesmo deste gol, eu vi que com este futebol, só com um milagre pra gente ganhar o tricampeonato.

Como disse no post anterior, ficaria de olho no Benazzi e poderia aderir a turma do impeachment se no segundo turno o futebol não melhorasse. Não vou precisar esperar tanto. Eu não esperava era uma apresentação tão ruim do time. É verdade que ele até começou bem e era nítida a diferença técnica entre o Avaí e o Concórdia. Mas um time de série A não pode tomar tantos gols de um time tão fraco quanto o Concórdia, com todo respeito que ele merece. Mas ele vai voltar para a segunda divisão com certeza. Depois a gente vê de quem será a segunda vaga.

Neste jogo percebi que realmente não podemos esperar pelo pior para daí trocar o técnico. O time ganhou mais uma? E daí? O futebol foi muito fraco e desta vez não posso defender o Benazzi. Depois de 9 rodadas já dava para o time ter uma cara melhor, com um esquema tático, jogadas ensaiadas e tudo mais que se espera de um time do tamanho do Avaí. Acho que a diretoria poderia demitir o Benazzi por insuficiência técnica. Agora, me traz um melhor que ele. Não inventa de querer experimentar o Edson Neguinho de novo. Ouvi falar em Silas, mas não sei se é uma boa, por que acho que o sucesso subiu um pouco na cabeça dele e ele pode estar ainda mais teimoso do que já era. Eu sei que é uma opção difícil, mas minha preferência é pelo Ney Franco que hoje a noite encerra sua participação na seleção sub 20 no Sulamericano.

Vamos aos poucos destaques enquanto vi a partida:

- Marquinhos - fez um golaço, típico de quem sabe.
- Zaga - nota zero - não pode tomar 3 gols deste time aí.
- Time como um todo - parabéns por ter raça e virar um jogo que para mim estava perdido. Mas não se iludam, que os outros adversários não são essa baba aí não.

Concórdia - muita vontade e pouca técnica. É uma pena que a região oeste não consiga montar mais times, além da Chapecoense para permanecer na primeira divisão. Vários já se formaram, mas não duram mais do que 3 anos. Gostaria que conseguissem permanecer, mas acho difícil.

Arbitragem - até onde vi, não atrapalhou o jogo.

Agora é definir o novo técnico o mais rápido possível, para ver se ele dá um padrão melhor ao time até o jogo contra o Vilhena, no dia 23.

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Jogando contra o próprio time

Respeito a opinião de todos que criticam o Benazzi e até daqueles que fazem campanha para derrubá-lo. Como já escrevi, eu não teria renovado o contrato dele para este ano, pois acho um técnico limitado, que usa muito as entrevistas para se justificar e passar recado e que parece (não tenho certeza) se desgastar facilmente com os jogadores. Entretanto, já que a diretoria resolveu continuar com ele, agora que o baile começou, não acho que seja hora de trocar de treinador.


Não é a primeira vez que uma torcida (não só a do Avaí) não gosta de um treinador e faz pressão para a diretoria mandá-lo embora, não importam os resultados. Para piorar, a imprensa começa a fazer aquela intriga costumeira, tipo, “uma fonte de dentro do clube (que eu não posso falar quem é) me garantiu que tem jogador que nem fala com o técnico”. E tem gente que acredita. O final é sempre o mesmo: a diretoria fica a espera de maus resultados para justificar a mudança. Porém, se esperar pelos resultados ruins, daí a vaca pode já ter ido pro brejo e adeus tricampeonato. Por outro lado, quem garante que uma mudança no comando agora, antes dos maus resultados voltarem a acontecer, podem transformar o Avaí na máquina que alguns acham que é por conta do elenco que tem?


É o dilema do Caetano: vamos ser campeões com o Benazzi, ou não. Vamos ganhar o caneco se trocarmos de treinador, ou não. Ninguém pode garantir nada.


Esta lua de fel que o Benazzi tem a com a torcida do Avaí não vai acabar nunca. Vários blogs escreveram que foram os jogadores e a torcida que mantiveram o Avaí na série A, o que eu não concordo. Se o Benazzi não teve nenhuma importância, por que queriam tirar o Edson Neguinho? É claro que os jogadores, em primeiro lugar e sem dúvida a torcida, tiveram papeis fundamentais em nossa permanência, mas não considerar a figura do treinador é ser muito teimoso. É inverter a lógica do WL, do eu ganho, nós empatamos e eles perdem, que para a torcida do Avaí em relação ao Benazzi é a seguinte: os jogadores com a torcida ganham, eles empatam, mas quem perde é só o Benazzi.


Olhando para o ano passado, vejo o comportamento da torcida muito parecido com o Chamusca. A diferença é que ele era calmo e educado, parecia acreditar no que estava fazendo e não dava muito bola para o que falavam. E o Avaí foi bicampeão, “apesar” dele.


Como sempre torço para o Avaí ganhar, automaticamente estarei torcendo para o Benazzi fazer um bom trabalho. Neste segundo turno, ele não tem mais desculpa para falar de entrosamento ou tempo para treinar, pois vai ter 10 dias até o próximo jogo (depois do Concórdia), que é contra o Vilhena, no dia 23. Se fizer bobagem, entrarei no bloco do pessoal do impeachment.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Sobraram seis

Com a vitória do Joinville sobre o Imbituba (4x3), apenas Cricúma, Joinville, RME, Brusque, Chapecoense e Marcílio Dias tem chance para se classificar.

O Marcílio só se classifica por milagre, pois tem que ganhar do Criciúma por dois gols de diferença e torcer para Brusque e Chapeconse empatarem. Ele também tem a opção de torcer para o RME perder para o Imbituba e descontar o saldo de gols que é de 8x2 (difícil). Pelo futebol que apresentou ontem, acho até difícil de vencer a partida contra o Criciúma.

Entre Chapecoense e Brusque, quem vencer estará classificado e um empate classifica o Brusque, desde que o Marcílio não ganhe do Criciúma por mais de dois gols de diferença, como já falei. Os índios merceriam ficar fora, depois de perder a oportunidade de estar classificado e em segundo (com tudo pra ficar em primeiro) ao empatar com o Concórdia. Entretanto acho que eles não vão empatar duas seguidas em casa, apesar do Brusque já haver aprontado lá na Arena Condá.

O RME está praticamente classificado, perdendo a vaga só se acontecer o que eu falei antes sobre o Marcilio Dias. Porém, vai ter que fazer contas para se classificar em primeiro ou segundo e se empatar com o Imbituba, pode até acabar em quarto.

O Criciúma e Joinville estão classificados, dependendo apenas deles para ficar em primeiro e segundo respectivamente, bastando vencer a última partida. Para o Criciúma, o problema é vencer fora de casa, o que já faz tempo que não consegue. Já o JEC, se não der outra de cavalo paraguaio, tem tudo para terminar em primeiro.

Última observação: se o Criciúma não vencer o Marcílio Dias, o primeiro colocado terá, no máximo, apenas 16 pontos e será a menor pontuação e o pior aproveitamento (59 %) do primeiro colocado de um turno nos últimos quatro anos. Para se ter uma idéia, com esta pontuação, este time ficaria em quarto lugar no primeiro turno do ano passado.

Daí que a gente vê como o campeonato está nivelado (por baixo), como o Avaí perdeu uma ótima oportunidade de ganhar o primeiro turno e jogar a Copa do Brasil mais descansado. Por outro lado, vejo que temos muita chance para conquistar o tricampeonato. Mas tem que jogar mais.

Se o SE jogasse...

Se o Marquinhos tivesse convertido em gol o pênalti sofrido contra o Metropolitano e

Se o Maurício Alves tivesse acertado o pé no lance de cobertura no clássico...


... hoje o Avaí estaria com 12 pontos, à frente do Real Madrid do Estreito, pelo número de vitórias (4 x 3) e mesmo com os resultados negativos das 4 primeiras rodadas, ainda estaríamos no páreo, dependendo apenas de uma vitória em Concórdia, para ficar, no mínimo, em 2º lugar (sem contar o jogo de hoje).


Isto significa que para o 2º turno não podemos perder as oportunidades que aparecerem nem pontos fáceis, porque a disputa vai ficar ainda mais acirrada.


A vida é feita de detalhes.

Avaí 2x1 Marcílio Dias

O começo da partida não foi bom. Como eu havia previsto, se o meio de campo não estivesse inspirado e a bola não chegasse nos pés do Rafael Coelho e do Willian, a coisa ia ficar difícil. O time parecia perdido em campo, muito desorganizado e sem uma jogada ensaiada. Não conseguia sair da marcação adversária e os jogadores não se movimentam para receber a bola. Aí, de onde menos se espera, aconteceu a jogada do gol. Num cruzamento do Bruno, Willian se antecipou ao zagueiro e desviou a bola para o gol – gol de artilheiro. Depois disso, muito toque e pouca produção.

No segundo tempo achei o Avaí um pouco melhor. O time chegou mais vezes com perigo ao gol do marinheiro, fez o segundo, num contra ataque iniciado pelo Zé Carlos e num lançamento primoroso do Batista para o Willian que não perdoou e fez o seu segundo gol no jogo. Estrada ainda fez o terceiro, mas a bandeirinha conseguiu enxergar que ele, no meio de tanta gente, estava impedido. No final, o Marcílio Dias ainda fez o seu, num dos poucos chutes que eles deram em direção ao gol na partida inteira.

Vamos aos jogadores:

Zé Carlos – quase dormiu no jogo, pois não foi exigido. Iniciou a jogada do segundo gol, repondo a bola rapidamente para o Batista, na frente da grande área. Não teve culpa no gol do Marcílio, pois a bola foi bem no cantinho. Podia ter se arriscado em bater uma falta ontem.

Pará – participou bastante do jogo. Tem gente esperando mais dele, mas acho que dali não sai mais do que aquilo que a gente viu ontem. De todo modo, gostei de sua atuação.

Gustavo – bastante aguerrido, mas estava um pouco isolado, pois ninguém do meio de campo não chegava perto dele para fazer uma jogada. Sentiu falta do irmão.

Leonardo – foi bem em sua estréia, mas não foi muito exigido. Parece tranqüilo. Saiu com câimbras.

Émerson Nunes – é o zagueiro tranqüilo e regular de sempre. Não dá show, mas também não compromete.

Bruno – achei que fez uma ótima partida. Deu uma voadeira no começo do jogo que o jogador do Marcílio Dias aproveitou para dar um salto e valorizar o choque. Fora isso, foi bem, mesmo levando o cartão amarelo, que já é de costume.

Batista – tirando o lance do gol, em que fez um belo lançamento para o Willian, achei muito disperso durante o jogo.

Fabiano – se ele jogou bem, só se foi sem a bola. Para mim, estava perdido em campo. Não conseguiu articular as jogadas, que ontem, era uma de suas tarefas.

Maurício Alves – é o jogador que mais aparece para o jogo e por isso, o que mais erra. É impressionante como a torcida não tem paciência com ele. Não gosto disso, pois com o tempo, o jogador, para não receber as vaias, começa a fazer o simples, e não arrisca uma jogada mais aguda. Ai, meu amigo, vira um jogador comum. Acho um ótimo jogador, com ótimo domínio e toque de bola e velocidade. Falta melhorar a finalização, o que acho que não é sua função. Deveria jogar mais pela ponta, tentando explorar sua velocidade e servir os outros atacantes.

Willian – é o matador. Muita movimentação e vontade de participar do jogo. Não desperdiçou as oportunidades que surgiram. Falta se acertar com o Maurício Alves que por duas vezes tocou a bola para trás, na entrada da grande área, esperando que o Willian estivesse ali para completar a jogada.

Rafael Coelho – esteve apagado. Não tinha com quem tabelar e não recebeu nenhuma bola em condições para finalizar. Já notei que a torcida gosta dele, pois aplaudiu todas as suas jogadas, mesmo os passes e as conclusões erradas (ah, se fosse o Maurício Alves).

Jonathan Estrada – começou com vontade. Fez um gol, erroneamente invalidado. Parece que tem habilidade e muita força. Vamos ver se dá liga, jogando ao lado do Marquinhos.

Romano e Rafael – não tiveram tempo para mostrar nada.

Benazzi – fez as alterações que podia. Não teve culpa no gol do Marcílio, como escutei de um @#$&*$# de uma rádio. Naquele momento, o Avaí não estava com um jogador a menos que o Marcílio, mas sim, com o mesmo número, pois o time de Itajaí já havia tido um jogador expulso. Presta atenção no jogo meu filho. Entretanto, no primeiro tempo, o time não conseguia sair da marcação do adversário e faltou movimentação aos jogadores. Também não vi nenhuma jogada ensaiada. Pelo jeito, vai ser assim, aos trancos e barrancos.

Marcílio Dias – esperava mais do time de Itajaí. Marcava bem, mais não conseguia sair para o ataque. Tem alguns jogadores rápidos, mas é só isso. Para quem veio da segundona, até que não está fazendo feio. Deve cair de produção no 2º turno, por falta de qualidade do banco de reservas.

Arbitragem – o filho do Bezerra justificou o porquê da torcida não gostar dele. Sua atuação não foi ruim, mas pipocou na hora de dar o segundo amarelo no jogador do Marcílio Dias. Depois, inventou um cartão para o mesmo jogador, para consertar a besteira que tinha feito. A bandeirinha do lado de lá (eu fico no setor A) errou ao anular o gol do Avaí, e por isso, vai participar da turma que tem que melhorar para receber nota 5.

Torcida – para o horário, a campanha do time e o adversário, achei um público razoável. Cada um torce como quiser, mas como já escrevi antes, acho que pega muito no pé do Maurício Alves. Se ele arrisca um chute, um cruzamento ou um passe e erra, é vaia na certa. Já com o Rafael Coelho e o Willian, que também erraram várias vezes, são só aplausos.

Agora é viajar a Concórdia e trazer os três pontos, pois com toda a besteira que fizeram, só estamos a 5 pontos do poderoso Real Madrid do Estreito. Se tivessem vencido o Imbituba ou o Marquinhos tivesse acertado aquele pênalti contra o Metropolitano, estaríamos ainda no páreo.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Evando contratado (pra que?)

Li agora no site do Vandrei Bion que o Evando foi contratado pelo Avaí e será apresentado junto com o Cássio, de forma oficial, nesta quinta, às 15:00 horas.

Pois agora. Eu já havia escrito que para mim seria uma contratação equivocada, pois considero um atacante que não tem mais aquela explosão de antes. Não vou dizer que é bananeira que já deu cacho, pois até acredito que em uma partida ou outra, entrando no decorrer dela, pode dar um gás e até marcar um gol. Mas não acho que seja um jogador para compor um grupo que vai disputar uma Copa do Brasil e uma Série A com sonhos mais altos.

Apesar de ter saído do clube de uma maneira não muito simpática, enquanto foi vestiu a camisa do Leão, suou e teve raça jogando. Portanto, só me resta desejar a ele boa sorte e muito sucesso com a camisa azurra. Que o iluminado volte a luzir na Ressacada.

Sobre quem saiu

A se confirmar a notícia da saída dos 4 jogadores citados no post anterior, quero comentar o seguinte:

Rafael Costa - não tinha mais espaço no time, principalmente com as novas contratações. Quem sabe comece a fazer gols nos pampas, nem que seja no society.

Rodrigo Thiesen - muita gente apostava nele, mas havia um certo exagero, pois parecia que era um futuro Beckenbauer. Como joga como volante, poderia se destacar, pois tem um bom passe e chuta bem de fora da área. Para mim, é a posição que existe mais possibilidade de se fazer sucesso no futebol, pois a quantidade de zeca brabo nesta posição é grande. Volante que sabe sair para o jogo é raro. Quem sabe volte no futuro, mais experiente para o clube.

Juninho - a notícia fala de um zagueiro, que nem sei que é. Espero que não seja o lateral (que é Julinho), pois gostei dele na partida contra a Chapecoense. Como a lateral direita não anda muito boa, espero que fique como uma opção para a reserva de George Lucas, the star.

Medina - este era outro craque da galera. Acho que joga mais na lateral que no meio, mas em nenhuma das duas posições poderá ser titular, e acho até difícil ficar no banco. É outro que pode voltar mais tarde, para disputar as duas primeiras rodadas do catarinense 2012.

A todos eles, desejo muito sucesso em seus novos times. Estarei torcendo por eles.

Por último, acho que tem mais gente que pode ser emprestada...

Jogadores emprestados

Rafael Costa, Rodrigo Thiesen e Juninho foram emprestados para o São José, de Porto Alegre, treinado por Itamar Schülle. Medina será emprestado para o Ituano, comandado por Sérgio Ramirez. (Fonte: Clicrbs).

Temos que afogar o marinheiro

Não importa se já não temos mais chances no turno, temos que conquistar uma vitória, já que estes pontos podem fazer falta no final, caso chegarmos à decisão e poderemos lamentar não fazer a última partida na Ressacada por causa de 3 pontos.

Não teremos Marquinhos - é o único desfalque. Diogo Orlando só pode ser considerado desfalque se quem entrar for pior do que ele, o que eu duvido muito. Acleisson já estava no banco e Gian, apesar de ser titular, não vinha bem nos últimos jogos e logo iria para o banco, com a volta do Rafael.

Jonathan Estrada pode estrear - vamos conferir se acertaram em dar o visto de trabalho para ele. Leonardo, que pode aparecer na zaga, é outro que pode estrear e esperamos que ajude a consertar a cozinha que anda meio bagunçada. E finalmente, talvez o diretor de cinema, George Lucas, que andou fazendo um longa-metragem no DM do Avaí, parece que começou a treinar e talvez jogue, o que eu não acredito. São jogadores que vieram para, como os boleiros gostam de falar, somar (nunca vi alguém dizer que veio para diminuir ou dividir). Destes três, a maior expectativa é justamente em cima daquele que não deve jogar: George Lucas, já que vem com reputação de dar boas assistências e joga numa posição muito carente que é a lateral direita. Vamos torcer por eles.

O time de Itajaí tem 2 vitórias (JEC na Arena e Chapecoense em casa), 4 empates (Brusque e Real Madrid em casa e Imbituba e Concórdia fora) e 1 derrota, para o Metropolitano, em casa, na segunda rodada. Portanto, está há 5 rodadas invicto. Olhando os resultados, parece um time instável, pois conseguiu pontos importantes, como vencer o JEC e empatar com o Imbituba fora (sem contar o empate com o todo poderoso Real Madrid em casa), mas por outro lado perdeu para o Metropolitano em casa e não conseguiu vencer o Concórdia (espero que o Avaí não queime minha língua).

Pelas minhas pesquisas, as últimas partidas do Leão contra o Marinheiro sempre foram encardidas:

25/02/09 - Avai 3x1 Marcílio Dias

21/01/09 - Marcilio Dias 0x2 Avai

09/03/08 - Marcílio Dias 4x3 Avaí

22/01/08 - Avaí 2x1 Marcílio Dias

15/04/07 - Marcílio Dias 3x3 Avaí

17/02/07 - Avai 1x0 Marcílio Dias

11/03/06 - Avai 1x2 Marcílio Dias

25/02/06 - Marcilio Dias 0x0 Avai

26/03/05 - Marcilio Dias 0x1 Avai

14/03/05 - Avaí 2x1 Marcílio Dias

Como diria aquele repórter das estatísticas, nas últimas 10 partidas, foram 6 vitórias do Leão, 2 empates e 2 derrotas.

O retrospecto é favorável, mas temos que comprovar em campo o que no papel está a nosso favor: ter um time mais qualificado. Acho que a desculpa do entrosamento já não cabe mais, independente das saídas já citadas.

Acredito numa vitória, principalmente pelo nosso ataque, mas o meio de campo vai ter que trabalhar e ter um mínimo de criatividade, pois se a bola não chegar nos pés de Rafael Coelho e Willian, aí não vai ter jeito.

Espero que o Pará participe mais do jogo e que a defesa não bata cabeça. Se tiver uma falta para cobrar, bem que o Zé Carlos poderia arriscar umazinha, já que o Marquinhos não vai estar em campo.

O horário não é bom, por causa da fila para o sul da ilha que já existe naturalmente no final da tarde, mas também não é tão ruim, pois poderemos chegar mais cedo em casa (no meu caso, ir jogar futebol com os amigos). Estaremos lá.

Vamos prá cima deles Leão.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

É muita corneta contra o Benazzi!

Antes de mais nada, quero reafirmar o que já escrevi aqui antes: eu não teria renovado com Benazzi. Entretanto, já que a diretoria decidiu em mantê-lo, só me resta torcer pelo time e ficar de olho no que ele anda fazendo.

Agora, é muita corneta em cima do homem. Não importa o que ele conseguir, vai ter gente falando mal dele. Assim como o Péricles Chamusca, que também era "adorado" por grande parte da torcida, ele pode conquistar o campeonato que vão dizer que foi por causa do elenco, que com um técnico melhor teríamos vencido com mais facilidade.

Pqp, parece o mal. Me lembro de um jogo do Avaí contra o Atlético de Ibirama, que no primeiro tempo Avaí já estava ganhando de 3x0 e depois ficou tocando a bola. Pois não é que ainda assim, o corneteiro-mor disse que tava tudo errado e que o Avaí tinha que ir pra cima e empurrar quantos pudesse? Pois é, tem muita gente fazendo a mesma coisa. Qualquer alteração que o cara faz tá errado, não importa se ganhou ou não o jogo. Aliás, quando perde, é por causa dele, mas se ganha, é por causa do elenco.

Eu também nem sempre gosto de suas escalações ou de como o time joga, mas não tenho tanta certeza se com o "meu time" ia ser mais fácil. Na partida contra o Joinville, por exemplo, eu não substituiria o Maurício Alves e acho que o Avaí ficou muito recuado nos minutos finais da partida. Mas se ele deixa o atacante e leva o gol do empate ia ter gente dizendo que faltou atitude do treinador em fortalecer a marcação do meio de campo e segurar o resultado. Como foi isto que ele fez, aí falaram que tinha que manter o Avaí no ataque para fazer o terceiro gol. Não tem como satisfazer todo mundo. Uma hora, o que interessa é o resultado, outra hora, o que interessa é o futebol apresentado. Acho que temos que ser mais coerentes. Cobrar, sim, mas com coerência.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Clássico

Eu não pude ver o jogo por motivos particulares (eu sei que a justificativa tem que ser bem boa) e só vi os melhores momentos. Como não posso fazer análise justa e correta vendo apenas alguns lances (ainda mais que escolhidos pela empresa gaúcha que adora os barbies), vou dar minha opinião apenas em cima de lances pontuais, sem levar em conta o que determinado jogador fez ou deixou de fazer no resto do jogo:

Zaga do Avaí - no primeiro gol do bbb, o lance foi rápido, mas o Gian não pode deixar o atacante girar em cima dele. Zé Carlos não falhou, mas era uma bola defensável, apesar de ter sido bem colocada. No lance seguinte dos barbie, um jogador deles entrou sozinho e quase marca. A zaga ficou assistindo a jogada, enquanto o atacante deles acreditava no lance. Que mania que zagueiro tem de ficar olhando a jogada e rezando pra ver se a bola vai pra fora. Acorda gente. No segundo gol deles, de novo uma falha da zaga. De novo em cima do Gian. Gosto dele, mas tem que melhorar. Zaga que se preze não pode levar gol de escanteio, ainda mais deles. Se não me engano, foi a única oportunidade que eles tiveram no segundo tempo.

Rafael Coelho - deu um nó na zaga barbie com um drible de letra e um gol de canhota. Vibrou muito com o gol. Ainda deu uma assistência para o Willian marcar o segundo e cabeceou uma bola na trave do mão de alface. Nota 9 (dez só com vitória). Está se mostrando uma ótima contratação e titular absoluto.

Willian - o cara estréia no clássico e faz um gol, vou falar o que? Sou obrigado a esquecer a palhaçada que fez para sair daqui. Espero que faça mais gols nos próximos jogos.

Maurício Alves - poderia dizer, faz o simples meu filho, mas se ele faz aquele gol, tinha virado "ídalo" de muita gente. Não sei se estava tão fácil assim para passar para o Rafael Costa. Acho ele um bom jogador, que pode ainda ser muito útil para o Avaí.

Agora é aproveitar os últimos dois jogos do turno para entrosar o time e fazer pontos que podem servir no final do campeonato.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Atendimento nota zero

Ontem cheguei cedo ao estádio e decidi buscar minha revista do Avaí. Eram 21:25 horas. Chegando a secretaria, que já tinha aquela tradicional fila antes do jogo, recebi a informação que a fila para pegar a revista era na porta ao lado. Olhando para o lado, vi que a fila não era tão grande (no máximo umas 15 pessoas). Pensei: falta mais de meia hora para começar o jogo, vou ficar um pouco na fila, pegar a revista e ficar lendo até começar o jogo.

Que engano. A fila, que servia para pegar a revista e a camisa dos sócios aniversariantes não andava. Quando faltavam 10 minutos para começar o jogo, apareceu um sujeito que pediu para fazer uma segunda fila, que entendi, era apenas para quem fosse pegar a revista. Só que o cara fez a fila e sumiu. A fila empacou de vez. Esperei até a hora do jogo, mas não teve jeito. Saí dali sem a revista. Para quem queria pegar a camisa parece que a notícia era ainda pior: as camisas masculinas tinham acabado. É brincadeira!

Se eu estivesse em dúvida em continuar como sócio do Avaí, ontem teria decidido: não vale a pena gastar R$ 95,00 por mês para ser atendido daquela maneira.

Eu já escrevi aqui: se o Avaí quer aumentar o número de sócios precisa também aumentar e melhorar (e muito) o atendimento. E olha que ontem só 4.700 torcedores foram assistir ao jogo. Não dá para admitir ficar mais de 30 minutos na fila só para pegar uma revista

A administração do clube precisa urgentemente rever esta situação do atendimento, tanto na secretaria (que sempre tem fila), como nesta outra sala que nem sei para que serve. A diretoria precisa entender que muitos sócios aproveitam os dias de jogos para resolver alguma situação, como pagar um boleto, pegar uma carteira, buscar um brinde, etc. Portanto, em dias de jogos tem que reforçar o número de atendentes, fazer um bom treinamento e talvez até ampliar o espaço de atendimento.

A mensalidade é cara, o time não está bem no campeonato e o sócio ainda é atendido desta maneira? Toda paixão tem limite. É bom a diretoria acordar.

E a bola entrou

Vencemos, mas que sufoco no final.

Gostei da atuação do time até os 30 minutos do segundo tempo, quando a partir daí o Avaí parecia estar jogando fora de casa. Não pode ser assim, tem que impor respeito na Ressacada.

No primeiro tempo e em boa parte do segundo, o time estava organizado, não tinha pressa e quase todos os jogadores estavam tendo uma boa atuação. Achei Batista um pouco abaixo do
resto do time.

Muito boa a movimentação do Maurício Alves e do Rafael Coelho. Gustavo e Pará estiveram muito bem nas laterais. Diogo Orlando fez uma partida razoável, cortando várias bolas importantes e dando um passe e um cruzamento que quase resultaram em gol. Marquinhos esteve bem, mas ainda não jogou o que sabe. Quase fez um golaço olímpico de três dedos.

Bruno esteve muito seguro, assim como Émerson Nunes e Gian. A defesa porém falhou feio no gol do Joinville. Quem é que não sabe que de cada 10 bolas, 11 são lançadas para o Lima? Coloca o Gian para marcá-lo!! Zé Carlos quase não trabalhou no jogo.

O time vai aos poucos se ajeitando. Agora é ir pra cima das barbies.

Achei o Joinville um bom time, rápido e com bom toque de bola. A defesa é fraca. Não sei se o Ramon aguenta o campeonato inteiro. Deve chegar entre os quatro neste turno, mas não leva. No segundo turno, vai ficar pelo caminho.

O do apito não comprometeu, mas é um pouco confuso. Não sabe se impor como árbitro. Ficou administrando os cartões para não expulsar ninguém e no final se perdeu no critério para dar o cartão amarelo. Os bandeiras erraram muito e estão no time que tem que melhorar para receber nota 5.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

O que esperar para hoje?

No ano passado, o Joinville foi o time contra quem mais jogamos. Sem contar a Copa Santa Catarina (que não valia nada pra gente e por isso eu não conto), foram 5 jogos, com 3 vitórias para o Avai (5x1, 3x1 e 2x0), um empate (1x1) e uma derrota (3x2).

Começamos o ano com um chocolate no time da terra do balé (5x1) com direito a um golaço do Patrick. Depois tivemos aquela decepção em levar um gol no último minuto na final do primeiro turno. Eles fizeram festa e teve até narrador dizendo para a gente chupar que o limão era azedo. Ainda ganharam uma partida lá na cidade deles e fizeram mais festa. Mais o final da história a gente sabe, né. Foram mais três limões lá e dois aqui que viraram uma gostosa caipirinha, que a gente tomou enquanto comemorava o bi-campeonato.



Hoje, porém, não sei o que esperar. O time deles não parece muito bom, já que perdeu do Marcílio Dias em casa e levou 4 do Real Madrid do Estreito. Por outro lado, trocou de técnico e já conseguiu uma virada incrível contra o Concórdia (tudo bem era o Concórdia, mas virar na casa deles depois de estar perdendo de 3x0 não é tão fácil) e ganhou da Chapecoense na última rodada.

Acho que vai ser um jogo complicado, mas se o Avaí jogar com a vontade de domingo e caprichar um pouco mais na mira, acho que podemos ganhar.

Como já li em outros blogs, também gostaria de ver o Fabiano no time, pois acho que daria mais qualidade ao meio de campo. O resto do time não pode ser muito diferente do que jogou no domingo. Como o filme que o George Lucas está dirigindo no DM junto com o Willians ainda não está finalizado, vamos ter que ir de Gustavo ou Medina (que dúvida cruel) e torcer que o Maurício Alves acerte a trave. Espero que o entrosamento já esteja melhor e que o Marquinhos encaixe umas tabelas e uns passes para que o Rafael Coelho mostre que valeu a pena contratá-lo.

Eu vou lá, e você? Vai pra cima deles Leão!

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Modelo de camisas para 2011

No jogo contra o Metropolitano, percebi que o Avaí estava usando uma camisa diferente. E a achei bonita. Olha, pode até ser que seja eu que não presto atenção, mas não me lembro de ter visto o Avaí ter usado aquela camisa em algum jogo.

Por curiosidade, fui verificar no site como eram as camisas deste ano e vi que na verdade não temos camisas versão 2011. São as mesmas do ano passado (a do jogo de domingo era o modelo 3).

Agora eu me pergunto, o Avaí não vai lançar novos modelos de camisa para este ano?

Se você sabe de alguma coisa, por favor me ajude, pois eu não gostaria de comprar uma camisa que já vai ficar velha nas próximas semanas.

Vai vender tudo...


Já postei aqui minha opinião sobre o valor dos ingressos do Avaí. Sei que não dá para diminuir muito, porque se não, pode concorrer com as vantagens de ser sócio, apesar que pelas minhas contas, ainda tem muita margem para redução.

Agora, com a atual situação do clube, com estes preços, só vai comprar quem tem carteira de estudante.