segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Balanço da Rodada


A luz que vem de fora do poço está diminuindo. Será que ainda dá tempo de escalá-lo e pular fora? Olha que os outros estão ajudando. Falta o Leão fazer a parte dele.

Brisa paranaense está parando de vez – eles estavam quase conseguindo mais uma vitória, quando o juiz assinalou um pênalti para o time das Laranjeiras. O delegado quase mandou prender o árbitro. Bom resultado para o Leão.

Muricy não soube preparar o peixe - o pessoal da Vila jogou mal demais e os esforçados atletas do Tombense se aproveitaram disso. Ah, o marrentinho não jogou. Este pessoal das letras tem sorte. Vai ser difícil alcançá-los.

Coelho não quer dividir a lanterna com ninguém – o time mineiro até saiu na frente, mas na base do abafa, o time carioca da Globo conseguiu uma vitória depois de um longo e tenebroso inverno. Detalhe, sem RG. O time verde e preto (que uniforme feio) vai ficar no fundo do poço até o fim. Bom resultado para o Leão.

Sheike marca e vai embora – o cara fez o gol da vitória, mas conseguiu ser expulso depois. Coisa horrível. Já o time do papai Joel ainda inspira cuidados. A sorte dos baianos é que os outros não estão com muita vontade de subir na tabela. Ótimo resultado para o Leão.

Empate com gostos diferentes - o time da estrela solitária estava vencendo até os acréscimos, quando Rivaldo empatou para os bambis. Detalhe no cuidado que a diretoria do time carioca tem com a torcida. O time vem de uma vitória fora de casa, está nas cabeças, joga contra um adversário direto, ou seja, receita certa para um estádio cheio e os caras interditam uma parte do estádio para a montagem do show do Justin Bieber que só vai acontecer daqui a duas semanas!

Galo cada vez mais abatido – acho que este não canta mais. Vai nos acompanhar até o fim, na luta contra a saída do poço. Já o colorado ainda sonho com algo melhor, mas acho que vai ficar no caminho. Bom resultado para o Leão.

Raposa é atropelada pelo trem da colina – este time azul de Minas vai acabar fazendo companhia para seu rival alvinegro. Já o time de São Januário parece ter fôlego para ir longe. Vai depender dos confrontos diretos que terá pela frente. Bom resultado para o Leão.

Leão está doente – sem comentários

Feitiço virou contra o Verdão - na semana passada eles jogaram com dois a menos e conseguiram empatar com o Leão. Ontem, ao contrário, jogaram com dois a mais, estavam vencendo fora de casa, mas levaram o empate do dragão goiano que só volta para o poço se tiver um resfriado forte que lhe impeça de soltar fogo.

Vovô vence e respira – o time do Ceará conseguiu uma importante vitória contra os coxas paranaenses e respirou aliviado. Mas ainda não está a salvo. Foi o único resultado ruim para o Leão na rodada.

Agora é calculadora numa mão e terço na outra. O negócio está feio. Ainda é possível sonhar porque os outros também não estão vencendo. Acredito que as próximas duas rodadas definem, definitivamente, o destino do Avaí, já que ele joga contra concorrentes diretos: Bahia e Atlético-PR. Se conseguir pelo menos 4 pontos, ainda é possível acreditar. Menos que isso, daí acho que a vaca vai para o brejo.

domingo, 25 de setembro de 2011

Complicou de vez

Agora ficou muito complicado. Faltando 12 rodadas, com 7 pontos de diferença para o primeiro fora da zona da degola e com esse futebol que está sendo apresentado, fica muito difícil de acreditar. Eu só não vou jogar a toalha porque sou torcedor e não ganho nada apostando no pior.

Não me interessa se as chances são reduzidas, que a cada rodada a calculadora tem que ser acionada, que tem que secar um monte de time, que tem que acreditar que o time vai fazer em 12 jogos o que não fez em 26, que o técnico não está sabendo armar o time, que os jogadores que temos não dão esperança, que os que foram contratados parecem do mesmo nível dos que já estão aqui.

Eu sou avaiano e vou torcer e acreditar até que a maldita matemática me confirme com 100 % de certeza que em 2012 a gente não vai jogar nem contra o Vasco ou o Santos.

Podem me chamar de teimoso, de iludido ou de que quiserem, mas enquanto a matemática me permitir, eu vou acreditar.

sábado, 24 de setembro de 2011

Lições do além pontes

Não é meu hábito assistir aos jogos do Tombense, mas hoje como estava em casa sem fazer nada, resolvi acompanhar a partida contra o time da Vila. Também não escrevo sobre eles, mas hoje resolvi fazer uma exceção para fazer um comentário sobre o que vi. Descontando os desfalques de Neymar e Ganso e a péssima partida dos jogadores santistas que não acertaram nada hoje, é necessário enxerguer algumas virtudes no time deles.

Reclamamos muito da defesa avaiana, a mais vazada do campeonato, que Dirceu, Welton Felipe, Gustavo Bastos e Gian não valem a metade do salário do Émerson que saiu para o Coritiba. Não que isso seja mentira, mas a culpa pela coleção de gols sofridos não pode atribuida exclusivamente aos zagueiros.

O time deles marca o tempo todo, começando dos atacantes. Sempre tem um jogador marcando o adversário que está com a bola. O pessoal do meio sempre está correndo atrás da bola e fazendo pressão. Se o time adversário não estiver muito seguro com sua saída de bola corre o risco de perder a bola e dar um contra ataque para eles. Os jogadores estão sempre ligados no jogo. No contra-ataque, são rápidos e têm fôlego, mesmo no final do jogo para aprontar uma correria e chegar no gol adversário, sendo que os jogadores do meio chegam no ataque ou pelo menos tem qualidade para dar o passe certo.

O que eu vejo no nosso time? O Willian só sabe abrir os braços e reclamar. Nunca vejo dando combate na frente. Cléverson pensa que é craque e precisa de uma bola só para ele. Não marca ninguém. Robinho só cerca. Quanto ao Lincoln, como tem muita qualidade, mas muita mesmo, prefiria até que nem marcasse, para ter fôlego na hora que bola chegasse nos seus pés para criar uma jogada de contra ataque, mas ao contrário dos outros que ficam olhando o jogo, ele corre e está sempre ajudando a defesa.

E os volantes? Bem, Bruno realmente marca e por causa da sobrecarga, vive chegando atrasado nas jogadas e colecionando cartões amarelos. Batista está muito preguiçoso, não marca e não cria. Pedro Ken, que começou bem, está muito mal e quando resolve dar combate comete faltas desnecessárias como aquela no jogo contra o Palmeiras.

Nossos laterais não apoiam e não são bons na defesa. Por ali se criam muitas jogadas e muitos gols aconteceram pelos dois lados do campo.

Os zagueiros também erram? É claro que sim, principalmente no posicionamento nas bolas aéreas que vivem perdendo para os atacantes adversários. Mas recebem muitas bolas atrasadas na fogueira e aliada sua falta de qualidade e o fato do pessoal do meio que fica parado e não se apresentam para receber a bola, são obrigado a dar chutão para frente.

Enfim, os jogadores do Avaí precisam entender que a marcação é dever de todos, começando pelos atacantes.

Ah, quando tiver oportunidade para o contra-ataque, é necessário que os jogadores do meio se apresentem para ajudar o pessoal do ataque, que sozinhos dificilmente irão marcar gols.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Balanço da Rodada


Não estou muito animado para escrever e por isso vou ser breve na análise dos jogos da rodada 25 que terminou ontem e que mais uma vez deixou o Leão entalado dentro do poço.

Leão não resiste ao pó de arroz – mesmo atuando um pouco melhor que nos jogos anteriores, o Avaí não resistiu ao time carioca das laranjeiras e ao bandeira que precisa de óculos (ou coragem) para assinalar o impedimento no segundo gol deles. Bola pra frente.

Émerson é seleção – o time do Coxa agora, com um zagueiro de seleção, venceu a combalida raposa mineira,que de candidata ao título, passou a lutar contra o fantasma do rebaixamento. Ainda não está no poço, mas se bobear vai sentar na beirada logo logo.

Coelho é esmagado pela baleia – este time mineiro vai iluminar o poço até o final mesmo. Já o time da Vila pode começar a sonhar com o título, que é a única coisa que interessa para eles.

Papai Joel e seus santos – não é que o time baiano venceu mais um jogo em Pituaçú? Agora contra a brisa do Paraná, que está tão ruim quanto a gente. O empate seria melhor, mas o resultado não foi de todo ruim.

Empate paulista – num jogo ruim, os rivais paulistas, bambis e galinhas, ficaram no zero.

Galo cisca e Urubu não voa – o time mineiro vai sofrer até o final para sair do poço (se sair) e o time da Gávea esqueceu o futebol no primeiro turno e acho que vai ter que se contentar com a Sulamericana mesmo.

Fica Jorginho – já é o quinto jogo sem vitória do Tombense e a queda continua. Em breve estarão dentro do poço. A sorte deles é que o Damião se machucou, senão, era mais uma derrota, desta vez para os colorados gaúchos.

Verdão vence e Felipão respira – o time do Palestra Itália, que é pior do que a pontuação mostra, venceu o Vovô, que cansado, sentou na beira do poço e acho que já vai cair dentro deles nas próximas semanas.

Trem bala na ponta – o time de São Januário não venceu, mas assegurou a ponta. Já o Dragão de Goiás, conseguiu mais um ponto precioso e vai se distanciando cada vez mais do poço.

Fogão, líder virtual – com um gol de Loco Abreu, o time da Estrela Solitária conseguiu uma surpreendente vitória contra o time da torcida gaúcha encoxada, que começa a fritar o Roth. Será que vamos derrubar mais um técnico?

A distância do primeiro fora do Z4 continua em 5 pontos, mas alguns potenciais concorrentes começaram a se afastar. A matemática está começando a ficar mais complicada. Tem que vencer o tricolor gaúcho para voltar a ver a luz.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Outra vez

Mais um jogo, mais uma derrota. É difícil escrever algo positivo numa derrota, ainda mais na situação que o time se encontra, mas vamos tentar olhar o jogo com objetividade.

Nos outros jogos, além do gosto amargo da derrota, o time não dava esperança ao torcedor, por conta do péssimo futebol apresentado. Um time desorganizado, sem inspiração, sem inteligência e sem alma.

Ontem já vimos um time mais organizado, mais bem posicionado em campo. Por outro lado, a bola ainda está queimando os pés de muitos jogadores. O que mais se via era jogador se livrando da bola, seja dando chutão para frente, seja recuando para a defesa. Acho que a exceção era o Lincoln.

Falando no camisa 99, Lincoln mostrou um grande futebol e vários lances de categoria, entre eles o passe de calcanhar para o Willian marcar o gol de empate e outro passe de letra. Se o time tivesse um zagueiro na defesa com a categoria do Lincoln, estaríamos bem mais seguros. Outro ponto positivo é ver como ele se corre e dá combate, tirando algumas bolas lá na defesa.

Em relação aos gols sofridos, a grande maioria vem culpando a zaga por causa das derrotas, o que nem sempre concordo. No jogo de ontem, na minha modesta opinião, os zagueiros não tiveram culpa no lance do primeiro gol, cuja marcação dos dois jogadores tricolores que apareceram sozinhos (um para cruzar e outro para chutar) deveriam estar sendo marcados pelos meias. Não quero ser injusto, mas acho que neste caso as falhas foram do Batista (que não marcou o jogador que aparece livre na área para cruzar) e o Robinho, que não acompanhou o atacante que chutou). A zaga até pode ter falhado em não impedir a conclusão do Fred, mas isto é o lance mais normal do futebol, que é o atacante chegar mais rápido numa bola rebatida pelo goleiro, que aliás, também contribuiu no gol, apesar do chute ter sido quase a queima roupa.

Aliás, os zagueiros receberam muita bola na fogueira e não tinham outra alternativa senão dar um chutão pra frente, para afastar o perigo. Aí ficava aquela parede, o time carioca retomava a posse de bola e ia para o ataque. Faltou um pouco de calma e de mais rapidez no deslocamento dos jogadores do meio para aparecerem livres para poder receber a bola.

No segundo gol, nova falha dos volantes que não pararam a jogada. O Fred recebeu em impedimento que o bandeira não teve coragem de marcar.

Mesmo que o bandeira tivesse feito o serviço que deveria (marcar o impedimento) era possível que a derrota viesse, pelo fato da equipe ter ficado muito lá atrás. Porém, com o passar do tempo, também era possível que a torcida ficasse impaciente e o time carioca começasse a errar, que era o que estava acontecendo até o segundo gol deles.

No segundo tempo, o time do Avaí jogou melhor, talvez nem tanto para merecer o empate, mas com certeza não merecia levar o terceiro gol.

Se o resultado não foi o esperado, pelo menos vimos um futebol um pouquinho melhor.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Eu ainda acredito

A situação não está nada fácil, mas eu ainda acredito. Se no ano passado, contra este mesmo Fluminense, que no final foi campeão brasileiro, quase conseguimos um empate (Conca fez o gol da vitória aos 37 do segundo tempo), por que não hoje, mesmo com um time ainda desarrumado não podemos trazer um empate e quiçá, uma vitória. O time das laranjeiras já mostrou que não é isso tudo, e tem noite que nada dá certo para eles. É claro que também teve jogos que tudo deu certo, mas eles são muito inconstantes.

Resta aos jogadores avaianos jogar com garra e ter um pouquinho só de organização e atenção na defesa, que acho que poderemos dormir contentes hoje a noite

Eu acredito.

Vai pra cima deles, Leão!

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Balanço da Rodada

Mais uma rodada acabou e o Leão continua entalado dentro do poço. Está difícil de sair e o pior é que tem candidato em potencial se afastando da borda.

Dragão queima o galo - já era de se esperar, pois este galo só assustou mesmo o leão. O dragão de Goiás está cada vez mais longe do poço e acho que não volta mais para lá. Já o galo pode até sair, mas vai sofrer até o final. O empate era o melhor resultado, mas não ficou tão ruim.

Gaúcho é atropelado por trem no Rio - apesar de um primeiro tempo equilibrado, o time de São Januário passou por cima dos rapazes do Roth, que vão ficar naquela zona morta até o fim do campeonato. Já o time da cruz de Malta parece que vai se assanhar e tentar buscar mais um caneco. Eu não acreditava.

Cearense é encontrado tonto no Morumbi - depois de um começo titubeante, o tricolor paulista liquidou o time do Ceará, que está perdendo o gás e cada vez mais se aproxima do poço. Deve sentar na beirada nas próximas rodadas. Já o time dos bambis, apesar de ainda não convencer como antigamente, pode dar uma arrancada para o título. Bom resultado para o Leão.

Papai Joel desencanta - foi apenas a terceira vitória do time baiano dentro de casa (parece um time daqui), mas afastou o time da beirada do poço, apesar de ainda ser o primeiro da fila do lado de fora. Já o time do pó de arroz mostrou a inconstância de sempre. Espero que continuem na curva descendente até a próxima rodada, quando enfrenta o Leão. Resultado muito ruim.

Empate de brisas - quando o Leão empatou lá, disseram que foi um resultado ruim. Agora que o Tombense teve o mesmo resultado, disseram que ele conquistou um ponto. Isto é que se chama "coerência". O "encanto" inicial do Delegado já está acabando e o Real  Madrid do Estreito está caindo pelas tabelas. Aguardem que depois que eles entrarem no poço não vão sair mais.

Nem com dois a mais - e continua nossa história de sofrimento. O time do Felipão também não é lá isto tudo. A colocação deles no campeonato é meio mentirosa.

Empate carioca esperado - acho que é resultado que mais acontece entre o time da Gávea eo time da Estrela Solitária. O rubro-negro já coleciona 8 rodadas sem saber o que é vitória. Será que o "profechô" aguenta até o fim do campeonato.

Tite, te cuida - mais um time da Globo caindo pelas tabelas. O time do Parque São Jorge realmente é que nem um golfinho, sobe, faz umas gracinhas e depois mergulha pro fundo. O time da Vila está começando a reencontrar seu futebol para o mundial do final de ano.

Morrendo abraçados, uai - estes times de Minas Gerais estão uma beleza, so. O coelho vai ficar no fundo do poço mesmo, não tem mais gente. Já a raposa, apesar do bom elenco, tem que ficar esperta para não fazer companhia ao seu amigo galo. Resultado bom para o Leão

Empate no sul - no clássico cocô (Colorado x Coxas), um empate que não serviu para ninguém. Este time gaúcho deveria estar na ponta, mas parece que tem preguiça que conseguir coisa melhor. Já o time do Émerson (que fez mais um) está subindo devagarinho e se deixarem, vai chegar na Libertadores.

A cada rodada que passa, a matemática fica mais difícil. O Leão voltou a precisar de duas rodadas para sair do Z4. A reação já deveria ter começado. Estou começando a ficar preocupado que possa não dar mais tempo. Mas ainda acredito.

domingo, 18 de setembro de 2011

Quando a burrice que atrapalha

Hoje o Avaí mostrou mais uma face dos vários adjetivos que poderia receber pela campanha que está fazendo. Não vou escrever sobre a falta de qualidade dos jogadores, o péssimo preparo físico, da desorganização dos jogadores em campo ou da falta de raça para jogar. Vou falar da burrice de um time que não sabe jogar com dois jogadores a mais.

Existem jogadores que possuem habilidade. Sabem fazer e muito bem determinados movimentos, são rápidos e dominam a bola com perfeição. Porém, parece que os treinamentos os automatizam de tal maneira, que não sabem fazer algo diferente, diante de uma situação nova. Tudo bem que os jogadores considerados gênios são aqueles que pensam na frente dos outros, mas será que os jogadores do Avaí não poderiam apenas pensar um pouquinho, só um pouquinho e nem precisa ser antes dos demais, pode ser ao mesmo tempo.

Se completo, o time do Felipão vem fazendo a maioria dos gols só na base da bola parada, imagina o que não ia tentar com um jogador a menos. Este é o momento que um time que tem menos jogadores pode oferecer mais perigo contra o adversário, pois tem tempo suficiente para os zagueiros irem para a área e ficarem, pelo menos durante aquele lance, em número igual ao adversário. Aí um jogador como o Pedro Ken, que graças a Deus não vai jogar a próxima partida, por suspensão, faz uma falta totalmente desnecessária na lateral do campo. O Felipão e o Marcos Assunção agradeceram a oportunidade dada. Falta cobrada, desvio de leve de cabeça, bola na rede.

Mesmo assim, no segundo tempo, o time paulista tentou ajudar o Avaí, tendo mais um jogador expulso (devia pegar uns 5 jogos de suspensão por aquele carrinho criminoso). Aí, o time mostrou um pouco mais da sua burrice. Com dois jogadores a mais, é claro que o time tinha que tocar a bola de um lado para o outro, até encontrar alguém desmarcado. O time do Palmeiras não ia aguentar marcar em cima o tempo todo e em algum momento, alguém ia aparecer livre para fazer o gol. Mas não foi o que vi. Era um tal de ir na lateral e cruzar a bola para a área, onde tinha muito mais jogador de verde do que de azul. Cheguei a ficar com raiva.

Para piorar, o Rafael Coelho, que para não perder o costume, estava no lugar errado do campo, faz uma falta daquela. Não era para expulsão, mas estava muito claro que o juiz não ia perder aquela oportunidade para compensar um pouco os cartões vermelhos que tinha dado para os jogadores verdes.

No resto do jogo, pouquíssimas chances e mais uma vitória que não veio. E não conseguimos sair do buraco.

Ah, fizemos um gol por acaso. É claro que vale, mas parece marcar muito cedo faz mal para o Avaí, que depois dali, não jogou mais.

Assim fica difícil de ter esperança.

Time burro.

Para começar a sair do buraco

Jogo contra o time do Palestra Itália sempre é difícil e hoje não será diferente.

Entretanto, o time paulista não assusta e apesar da boa colocação no campeonato é um time perfeitamente vencível. Em outros tempos, quando a torcida gritava que na Ressacada nem ganhava do Leão, podia-se dizer que o Avaí seria até favorito, mas hoje, dependemos de muita raça para conseguir o resultado. Sem Lincoln, por força de contrato, o desafio fica ainda maior.

Porém, se vencemos o Corínthians, quando ele era o líder, porque não vencer os verdes italianos, que aliás, tiveram sua última vitória, a cinco rodadas atrás, justamente contra o time paulista da Globo. De lá para cá, dois empates e duas derrotas, a última, em casa, por 3x0 para o colorado gaúcho.

Vamos ver se os comandados de Toninho Cecílio mostrem a vontade dos jogos contra Tombense, Corínthians e Flamengo, e um pouco daquele futebol apresentado nos minutos finais da partida contra o Coelho.

Eu acredito numa vitória.

Vai pra cima deles, Leão!

sábado, 17 de setembro de 2011

Blu-Ray para Neymar

O Perrone escreveu em seu blog que o Santos fez um DVD para mostrar as faltas sofridas pelo Neymar para provar que o atacante realmente sofre muitas faltas e rebater a crítica do Rogério Ceni que disse que 50 % das faltas sofridas pelo mimadinho são simuladas.

Bem, se para mostrar as faltas coube tudo num DVD, já não dá para dizer o mesmo na quantidade de lances que ele simulou falta ou ter sofrido uma agressão (ele é muito bom nisso). Para isso será necessário gravar um Blu-Ray de Camada Dupla, pois não cabe tudo num DVD.

O garoto joga muito, mas também se joga muito.

PVC e o trabalho de jornalista

Assisti a uma entrevista que o Paulo Vinícius Coelho, mais conhecido como PVC deu para o Uol Esporte Vê TV e achei muito interessante o que ele falou sobre como ele vê seu trabalho de jornalista.

Duas coisas me chamaram atenção:

- Não perder de vista que é um jornalista - não pode apenas "achar" coisas. Ele precisa ter uma sustentação de informação.

- Analisar a partida - se você olhar apenas os melhores momentos, você não vai ver o jogo. Você precisa aprender a ver e entender a partida.

Infelizmente vemos muita gente na imprensa que apenas "acha" as coisas, pois não busca informações para ter uma base de conhecimento e opinar a partir daí. Por causa destes "achimos" é que eles não sabem ver o jogo e comentam sempre a mesma coisa.

Quem dera a imprensa daqui tivesse alguém com 10 % da capacidade de análise e comentário do PVC, pois é duro ouvir o que os "especialistas" da imprensa local falam e escrevem.

Para assistir a entrevista, clique aqui.


quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Jogando para torcida


Não, eu não estou falando de jogadores ou dirigentes. Estou falando de quem emite opinião, seja da imprensa ou da blogosfera.

Sabendo que a torcida está insatisfeita (e com toda razão) com a situação do time e que boa parte dela é que nem biruta de aeroporto, muitos utilizam seu espaço apenas para fazer críticas, talvez na esperança de que é isto vai lhe dar mais audiência ou credibilidade. Não existe espaço para otimismo ou para elogios. Isto poderia arranhar a imagem de “quem realmente quer o bem do Avaí.”

Muito (e muito mesmo) do que a diretoria fez este ano é merecedora de críticas. Entretanto, mesmo num ano repleto de erros, sabe-se que existem acertos. Quando se perde o critério da crítica, não sabendo diferenciar o que deve ou não ser criticado, quando se fala mal porque todo mundo está fazendo isto, aí a credibilidade do autor vai para o ralo.

Aí não se sabe mais se é uma crítica válida ou apenas mais uma jogada de marketing. Se de fato tem alguma errada ou mais um boato reforçado pelos birutas de aeroporto. Às vezes a vontade de criticar é tanta, que nem se tem o trabalho de verificar a veracidade da informação. O importante é criticar, porque se alguém falou algo de ruim do Avaí, só pode ser verdade.

É só ver o caso do suposto segundo cartão amarelo do Lincoln. A própria imprensa caiu de pau na diretoria, sem verificar se a informação estava correta. E ainda teve dublê de comentarista criticando a diretoria por não tê-los corrigido. É brincadeira? Os caras erram na divulgação de uma informação (que é a matéria prima deles) e ainda querem colocar a culpa nos outros.

Assim como no nosso dia-a-dia, antes de passar uma informação adiante deveríamos sempre usar as três peneiras, atribuídas a Sócrates: verdade, bondade e utilidade. Como teria dito o sábio filósofo: “se o que queres contar-me não é verdadeiro, nem bom, nem útil, então é melhor que o guardes apenas para ti.”

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Calculadora em ação


Faltam 15 rodadas para acabar o campeonato e o Avaí tem apenas 21 pontos ganhos. Destas 15 partidas, o Leão joga 8 em casa e 7 fora.

Se nas partidas que jogar em casa o time apresentar o futebol dos jogos contra Corinthians ou Flamengo, acho que a possibilidade de vitória é boa, principalmente porque os adversários que ainda tem para enfrentar na Ressacada também não são nenhum Barcelona (até tem um Real Madrid Fake no meio).

- Palmeiras, Grêmio, Atlético PR, Atlético GO, Botafogo, Ceará, Cruzeiro e Tombense. Destes 8 times, os melhores colocados são o Botafogo (4) e o Palmeiras (8) que já mostraram não serem bons visitantes. Os demais estão da décima colocação para baixo.

São todos times perfeitamente vencíveis, até porque destes oito, três (Atlético-GO, Ceará e Tombense) já foram superados no turno, na casa deles. Contra outros dois (Atlético PR e Grêmio), o time conseguiu um empate, sendo que contra o tricolor gaúcho, a vitória escapou por pouco. Das três derrotas, duas foram de goleadas (Palmeiras e Cruzeiro), o que não significa que por isso não é possível derrotá-los, até porque a fase destes times atualmente não é tão boa. A outra derrota (Botafogo) foi um jogo que claramente o Avaí poderia ter saído vitorioso.

É claro que é difícil acreditar em 8 vitórias, o que significaria 24 pontos, que somados aos 21 já ganhos, resultariam nos 45 pontos, suficientes para a permanência na série A. Mas pode ser uma meta a ser buscada.

Para os jogos como visitante, as pedreiras são grandes:

- Fluminense, Bahia, Inter, Corinthians, São Paulo, Vasco e Coritiba. Destes 7 times, 6 deles estão entre os 9 primeiros colocados. Apenas o Bahia é que está mal na classificação, abrindo a zona de rebaixamento.

Como o time não está jogando bem fora de casa e supondo que nenhum milagre irá acontecer como no ano passado (Inter 2x3 Avaí), vamos considerar apenas um mísero empate contra o Bahia. Seria mais um ponto, que somado aos 45 pontos anteriormente calculados, chegaríamos a 46 pontos. O ano estaria salvo.

Do mesmo modo que é difícil de acreditar em 8 vitórias dentro de casa, também é de se esperar que o time consiga mais do que este mísero empate em Salvador. Não é de se espantar se o Leão arrancar um empate contra Fluminense, Vasco ou Coritiba e até uma vitória contra o Bahia.

De qualquer maneira, para cada tropeço em casa, será necessário buscar os pontos fora daqui, para compensar os pontos perdidos na Ressacada.

O caminho é difícil, mas ainda é possível ter esperança.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Balanço da Rodada


Chegamos à rodada de número 23 e o Avaí continua no Z4, agora uns metros a mais para o fundo do poço.

Vitória, mas muito chororô – o time da Vila, muito acostumado com as arbitragens caseiríssimas, onde qualquer toque em jogador de branco é falta, mas que eles podem dar botinada à vontade, agora pousa de vítima dos juízes. Para, né? O marrentinho, que já era excelente ator, agora agregou algumas habilidades olímpicas, com novos saltos e mergulhos. A imprensa paulista, pra variar, defendeu o pirralho. Vão se catar. Ah, quem perdeu foi o time azul de Minas, que já mostrou que vai ficar pelo meio da tabela mesmo.

Leão e Coelho abraçados no fundo do poço – começamos mal e terminamos bem. Mas o empate foi ruim para os dois times.

Cosme 0 x 3 Damião – depois de um início de campeonato decepcionante, o colorado gaúcho vai chegando aos poucos no batalhão da frente. Acho até que chega entre os quatro primeiros. O time do Felipão é aquele feijão com arroz que nem sempre funciona. É de onde está (7) para baixo. Temos que aproveitar a maré baixa deles para garantir os três pontos.

Quem quer ser líder? – o time paulista da Globo está tentado se livrar da liderança, mas não tem jeito. Perdeu mais uma, agora para o time das Laranjeiras, que já está se achando muito bom, mas acho que é onda passageira, em breve volta ao padrão 50, perde uma e ganha outra.

Vovô não supera o Dragão – diferente do que fez no ano passado, o time do Ceará não vem conseguindo impor sua condição de mandante e empatou mais uma vez, agora com o time de Goiás, que está perdendo o fôlego das cinco vitórias seguidas. Os dois estarão em breve batendo papo na beira do poço. É só esperar para ver. Bom resultado para o Leão.

Fogão lavado e ariado – Émerson, nosso eterno capitão, abriu o caminho da goleada (é o nono gol na temporada) contra o time da Estrela Solitária, que até segurou bem o primeiro tempo, mas levou uma lavada no segundo. Será o começo do fim?

Bandeira amigo garante o empate – para não perder o costume, o Tombense foi mais uma vez beneficiado pelo apito e mais uma vez pelo bandeira. Como disse o Aguiar, será que vai ter enquete? O Vasco está se lamentando em perder ponto para time pequeno e não alcançar a liderança.

Urubu perdendo altitude – eu bem que desconfiava deste time da Gávea, que só funciona quando os dois craques jogam bem, já que o resto do time não ajuda. Vai ter que se contentar com Sulamericana. O time paranaense respirou, mas não vai conseguir sair do poço. Resultado não foi bom para o Avaí.

Tricolor gaúcho respira – apesar do Celso Roth, a torcida encoxada comemorou mais uma vitória, agora em cima do time são paulino, que pelo jeito, não quer ser campeão, de tantas vezes que já deixou de alcançar o topo.
Galo bate as asas – o time mineiro conseguiu sair de dentro do poço, para onde jogou o time do saravá, que acho que não sai mais de lá. Cuca quase chorou (na verdade ele sempre parece estar chorando) de alegria, mas é bom ele ficar esperto, porque ele só conseguiu sentar na beira do poço.

Se perdemos uma posição, por outro lado, diminuímos a distância para o time fora da zona (era 4, agora é 3). Ainda precisamos de duas rodadas para sair do poço, e, portanto, não é hora de jogar a toalha. Apesar do futebol sofrível apresentando, tem gente jogando pior. Por isso, ainda dá para acreditar num milagre.

O mal que a imprensa pode fazer


Já escrevi aqui que os times de Santa Catarina, em especial, os dois times de Florianópolis, melhoraram em muito sua qualidade nos últimos 10 anos. Até 1998, quando o Avaí conquistou a série C, os dois times daqui não despertavam qualquer interesse na mídia nacional, a não ser por algum resultado fortuito. O pessoal do microfone só ia ao Maracanã, Morumbi, Beira-Rio ou Mineirão se fosse para acompanhar algum jogo da seleção brasileira ou a passeio. O negócio deles era comentar sobre o Campeonato Estadual e a Copa Santa Catarina. Para o nível da competição, o pouco que eles entendiam de futebol já servia.

O tempo passou e com administrações mais profissionais os dois clubes melhoraram seus estádios, montaram times mais fortes e agora estão disputando a principal competição do futebol nacional. É inegável que a qualidade dos clubes melhorou em quase todos os aspectos e setores, seja na parte administrativa, médica, técnica e tantas outras que existem. Se a qualidade do produto ou do serviço melhorou é porque as pessoas que trabalharam ou ainda trabalham lá foram responsáveis por isso.

O mesmo não aconteceu na imprensa. As pessoas não mudaram. Aqueles que hoje são os titulares dos microfones, em quase todas as estações ou canais, são os mesmos que há 10 anos acompanhavam, narravam, comentavam e criticavam o desempenho dos times da capital.

Isto é ruim? Nem sempre, pois a experiência pode agregar muito valor a qualquer trabalho, desde que o profissional consiga se mantiver atualizado nos assuntos que lida. Mas isto não aconteceu aos decanos da imprensa.

Se antes eles detinham o poder da informação, hoje são atropelados pela velocidade da internet. Se antes o olhar deles era o que melhor analisava os jogos, os jogadores, o campeonato, hoje sabem menos que muitos torcedores que buscam e trocam informações sobre seu time do coração.

Eles não são mais donos da informação, da verdade ou da melhor análise. Ainda influenciam a muitos, é verdade, mas muito mais por causa do grande poder de difusão dos microfones que usam do que propriamente por aquilo que falam.

Alguns ainda mantêm o emprego por causa do seu histórico hilário e folclórico. Não por causa do conteúdo do seu comentário, mas apenas pelo seu jeito de falar ou pela suposta identificação com algum clube.

A única maneira deste tipo de profissional conseguir manter seu emprego é justamente na perpetuação da figura folclórica, falando coisas polêmicas, mostrando seu lado passional. Para ele, não adianta analisar o jogo com detalhes técnicos ou comentar posicionamentos táticos. Para isso, eles têm os antigos estagiários, que agora viraram seus aprendizes e que no futuro, talvez ocupem o seu lugar, visto que estão seguindo os mesmos passos de seus mestres, com comentários parciais, cheios de intriga e miopia.

Enfim, são faladores de microfone que se agarram na suposta experiência profissional, com muitas histórias para contar e precisam criar, como eles mesmo dizem, um fato novo a cada semana para justificar o salário que ganham no fim do mês.

Eles não têm mais a minha audiência, mas sei que continuam criando seus fatos novos, mesmo que seja a custa de ofender pessoas ou instituições. De fato, eles não perdem gols ou falham na defesa. Eles não têm culpa da situação do Avaí, assim como nunca tiveram qualquer participação nas muitas conquistas avaianas.

Entretanto, deveriam ter mais responsabilidade ao emitir suas opiniões, posto que suas vozes, infelizmente, chegam aos ouvidos de muitos que ainda insistem em acompanhá-los e que seguem, como cegos guiados por outros cegos, o que estes falam.

Se os jogadores decidirem não dar mais entrevista a este ou aquela emissora, estão no seu direito. Se não vai melhorar o futebol apresentado dentro de campo, pelo menos pode impor um pouco mais de respeito perante estes sujeitos que não se fazem respeitar, e que acham que podem enxovalhar pessoas e instituições.

A medida de não dar mais entrevista pelos jogadores deveria ser acompanhada por outras medidas, a ser seguida pelos torcedores, como não dar audiência a seus programas, não ligar para a rádio, não comprar o jornal, não escrever comentários nos blogs deles, enfim, ignorá-los completamente.

Existem outros canais de informações, pelos quais podemos continuar sabendo como anda o dia a dia do nosso Avaí.

domingo, 11 de setembro de 2011

Olhando um por um


Felipe – não se pode dizer que falhou nos gols, mas poderia ter fechado melhor o ângulo do atacante no primeiro gol e ter saído na bola, na cobrança do segundo gol, já que a bola foi concluída dentro da pequena área. Fez defesas importantes no resto do jogo.

Arlan – não fez nada no ataque e falhou no primeiro gol. Ainda assim é melhor que o Daniel.

Pará – ele não precisaria se esforçar muito para ser melhor que o Romano, mas mesmo assim só conseguiu ficar no mesmo nível. Acho que acertou apenas um cruzamento no jogo, na cabeça do Estrada. Traz o Luis Ricardo da Portuguesa e improvisa ali, que nem o Silas fazia (to brincando).

Dirceu – cortou algumas bolas, mas não passa segurança. Gian, cadê tu?

Welton Felipe – falhou no segundo gol, ao se abaixar. Se tivesse só ficado em pé, tinha cortado a bola com o peito. É muita emoção vê-lo jogar, pois a gente não sabe o que pode sair dali. Volta Gustavo Bastos.

Bruno – não apareceu tanto hoje, mas é disparado o melhor volante da equipe.

Pedro Ken – está merecendo um banquinho. Marcos Paulo, ainda ta dodói?

Lincoln – se não foi brilhante no primeiro tempo, foi decisivo no segundo, ao dar um passe açucarado para o Willian fazer o primeiro gol. Vale o preço que gastaram.

Robinho – buscou o jogo, mas esteve apagado. Quase fez o gol da vitória.

Rafael Costa – tem que avisá-lo que ele não sabe passar a bola. Além disso, parece que está com medo de chutar no gol. Teve três chances, numa deu um chute bisonho, na outra cabeceou na mão do goleiro e finalmente na terceira, quase fez o gol, num bonito giro.

Willian – fez um gol, tudo bem, mas esteve totalmente apagado no primeiro tempo e em boa parte do segundo. Tem crédito, mas tem que melhorar.

Batista – entrou e não ajudou em nada. É da escola do Diogo Orlando (ou seria o contrário), pois só marca com os olhos. Será que ele se acha tão feio que vai assustar os adversários com careta?

Estrada – o queridinho da torcida entrou, deu umas arrancadas, mostrou vontade, deu um chute no gol e uma cabeçada para fora. Só isso. Esperava mais do gringo.

Cléverson – entrou e mostrou serviço, diferentemente das últimas partidas. Foi premiado com um gol de oportunismo. Fosse o TC, colocava ele no lugar do RC.

Toninho Cecílio – não ficou acomodado no banco, vendo a vaca ir pro brejo. Fez as mudanças, que deram resultado. Apesar disso, não teria colocado o Batista e acho que foi imprudente ao tirar o Bruno. Mas como já escrevi aqui, tática e substituição boa é a que dá certo. Conseguiu o empate, o que se não foi excelente, foi o menos ruim para o Avaí.

sábado, 10 de setembro de 2011

Valeu pelo segundo tempo


Passei a tarde assistindo a semifinal de tênis do USOpen entre Federer e Djokovic. Jogo de altíssimo nível técnico. Emendei a tarde no sofá assistindo ao jogo do Avaí. Como eu estava a quase 4 horas assistindo um espetáculo de qualidade foi muito duro para os meus olhos assistir aquele primeiro tempo do jogo do Avaí. Coisa horrível. Acho que o melhor jogador do Avaí mereceu receber no máximo nota 4 e nem sei dizer que poderia ser.

O primeiro gol foi uma falha de marcação do lado direito. Não sei onde Bruno e Arlan estavam naquele momento. Neste lance absolve a nossa tão combalida zaga.

O segundo gol já foi diferente. Depois de três escanteios cortados por atacantes, na quarta tentativa, a zaga fura (o Welton Felipe meio que se abaixa para não cabecear) e a bola fica livre para o atacante mineiro só ter o trabalho de colocar no gol.

O jogo era tão ruim que só continuei a assistir porque sou avaiano. Acho que torcedor é um pouco masoquista, pois não havia nenhuma razão lógica que me fizesse continuar assistindo aquele show de horrores.

No segundo tempo, Toninho Cecílio tirou Pedro Ken, que já não merece mais a condição de titular e colocou Batista, o que não ajudou muito.

A segunda mexida foi a saída de Rafael Coelho, que também pouco fez para a entrada do Estrada. O time melhorou, mas acho melhor não se empolgar muito com o futebol do colombiano, que até mostrou disposição, mas também não é tudo isso que a torcida pensa. Ele apareceu livre num cruzamento do Pará (acho que o único que acertou), mas cabeceou para fora. Fora isso, fez muito pouco.

O primeiro gol saiu de uma rápida troca de passe e um passe preciso do Lincoln (que cada vez mais justifica seu salário) para o Willian, que bem ao estilo de atacante trombador, conseguiu marcar o gol.

TC foi para o desespero e colocou Cléverson no lugar de Bruno. Era tudo ou nada, pois não tinha mais marcação no meio de campo, já que Batista acha que basta olhar para o adversário para eles entregar a bola.

Mesmo assim deu certo. Na base da pressão, depois de algumas tentativas, a bola sobrou para Cléverson, que com oportunismo cabeceou a fez o gol de empate. Aliás, Cléverson que nos últimos jogos não esteve tão, dessa vez entrou mais ligado e com mais disposição.

Ainda teve tempo de Robinho, que não foi de todo mal, dar um chute de fora da área, que desviou na zaga e só não foi gol porque o goleiro deles operou um pequeno milagre.

O empate não foi bom, mas a derrota talvez seria o golpe de misericórdia para a maioria jogar a toalha.

Se jogarmos como no primeiro, é serie B, de certeza. Nossa chance é o time jogar como fez nos últimos 20 minutos do segundo tempo, mas talvez nem seja o suficiente. Tem que ser mais que aquilo para a gente sair do buraco.

Mais tarde eu analiso o desempenho individual da equipe azurra.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Cozinha de república

Com todo respeito aos estudantes que moram em república e por ventura consigam manter este ambiente comum organizado, assim é a zaga do Avaí. Desarrumada, cada coisa numa posição diferente do combinado, vem qualquer um, abre a geladeira e leva o que quiser.

Atualmente, o time conta com Gustavo Bastos e Dirceu, que foram os titulares nos últimos 4 jogos (duas vitórias e duas derrotas), Welton Felipe e Thiago Sales, além de Cássio e Caçapa no DM e Rafael que não pode jogar pelo Avaí.

Dirceu já chegou com a fama de ruim, e por isso acaba levando a culpa de muito erro que não é dele. Não é craque, mas também não é de todo ruim. Nas primeiras partidas, como contra o Ceará, percebi que ele sai com a bola da área sem dar chutão, sempre tentando passar a bola para algum volante. Seu problema está na colocação dentro da área. Nestas duas derrotas pareceu nervoso em campo.

Gustavo Bastos já mostrou que incorporou a raça avaiana e por isso tem o carinho da torcida. É bom jogador, mas falhou na última partida. Coisas do futebol. Não merecia ir para reserva por causa disso, mas também não é o fim do mundo. Com certeza, terá outras chances para voltar para a equipe titular.

Gian já conhece todos os cantos do DM, já que ficou lá por longos 5 meses. Espero que não tenha esquecido de jogar neste longo período inativo. Era o titular antes da contusão e talvez possa ajudar a arrumar a zaga. Também não era nenhum Émerson, mas jogava bem.

Welton Felipe na zaga é garantia de fortes emoções. Pode fazer uma partida espetacular, até fazendo gol e de repente, dar um carinho, ser expulso e botar tudo a perder. Lembra bastante o Gabriel, que era outro poste desgovernado.

Thiago Sales chegou como promessa de bom futebol, mas não teve chance nem com o Gallo e nem com o TC. Espero que seja usado antes de qualquer improvisação.

Caçapa jogou pouco mais de 20 minutos e mostrou qualidade. Se bem que isso é perigoso de se falar sobre zagueiro, porque bem me lembro que o Leonardo impressionou na primeira partida e quando foi embora, ninguém lamentou. De qualquer maneira, pela sua experiência, agregaria mais qualidade para o setor.

Cássio está voltando a treinar, mas quando estava jogando, neste ano, estava muito mal, longe daquele ótimo zagueiro de outros anos. Quem sabe este tempo no DM o tenha feito pensar e ver o que estava errado, e volte bem melhor.

Ainda tem o Bruno, que quando jogou na zaga, fez ótimas partidas. O problema é que escalá-lo neste setor é desfalcar a meia cancha, onde ele vem tendo atuação destacada como volante, sua função original.

E o que o Toninho Cecílio pode fazer? Não sei se tem algum zagueiro de qualidade disponível por aí. Nem sei se é uma boa idéia trazer agora. Às vezes falta apenas um encaixe. Não sei se Gustavo Bastos e Gian podem jogar junto (será que já jogaram?), mas eles me parecem a melhor formação para a zaga.

Entretanto, além da definição dos zagueiros, o desempenho dos volantes também é muito importante para a proteção da zaga. Muitas vezes o time leva um gol, a zaga leva a culpa, mas o problema já começou lá no meio, com a falta de marcação. Basta ver os gols tomados no jogo contra o Inter e o São Paulo, quando os adversário estavam livres para pensar e lançar a bola para alguém que entrou livre. Num lance como aquele, é realmente difícil para o zagueiro, que está de costas para o gol, acompanhar o atacante que chega de frente e com mais velocidade.

Outro problema são nossos laterais, que já levaram muita bola nas costas ou deixaram os atacantes adversários passarem, de passagem, por eles, como o Neto Berola fez com o Romano, no jogo contra o Atlético. Ali, também precisa arrumar a casa, e os volantes também são importantes para isso.

Talvez a solução da zaga seja fortalecer a frente dela. Acredito que Bruno e Marcos Paulo possam dar qualidade ao setor, tanto na marcação, como no apoio aos criadores.

Enfim, o que não pode é ficar do jeito que está, porque não é todo o dia que o ataque balança a rede por 3 vezes para compensar os dois gols que a defesa leva em média, por jogo.

O mais incrível, é que o clube tinha entre seus dirigentes, um cara que foi um craque neste setor do campo. Se ao invés de ele ter ficado sem fazer nada, com aquela cara de bom moço, tivesse passado, nem que fosse um pouquinho da imensa categoria que tinha, a zaga já tinha melhorado e muito.

Toninho Cecílio também foi zagueiro, não tão bom, mas às vezes, para ensinar, pode até ser melhor do que aquele que foi craque.

Balanço da Rodada


O drama continua e a posição dentro do Z4 também. O único resultado ruim foi a nossa derrota.

RC1000 – no milésimo jogo RC pelo time do Morumbi, Lucas fez o gol mais rápido do campeonato, com uma tabelinha com a zaga de trapalhões do Galo. O time mineiro ainda empatou, mas “Dagolberto” fez um golaço para garantir a vitória paulista. Bom resultado para o Leão. O Galo vai disputar com a gente até o fim.

Vovô se queima com fogo – o time da Estrela Solitária sapecou o time cearense com uma goleada de 4x0. No primeiro gol, Herrera fez falta no zagueiro cearense, mas os outros compensaram esta falha do árbitro. O time carioca está surpreendendo, mas não sei se vai ter fôlego até o fim. Já o time da terra de Iracema começou a tropicar. Bom resultado para o Leão.

Colorados atropelam o Coelho – o jogo mal tinha começado e já estava 3x0 para os vermelhos. Detalhe para a falta de educação da torcida colorada, que apesar de ser 7 setembro, não cantou o hino nacional, só o hino local. Até acho bonito ter orgulho da terra, mas vê se eles também não gostam do dinheiro do governo federal que é investido lá? Deviam ter mais respeito pela federação. Já foi o tempo que eles eram ricos e posavam de potência nacional.

Água é lugar de peixe – num gramado prá lá de encharcado (apesar da ótima drenagem da Ressacada), o time da Vila venceu de virada o Leão.

Raposa fica sufocada com o pó de arroz – este time mineiro é uma decepção para mim. Era para estar disputando a ponta da tabela, mas está segurando a última vaga da Sulamericana. Apesar disso, ainda acredito em dias melhores para eles. Já o time das Laranjeiras é outro que um dia joga muito, mas na próxima rodada pode fazer fiasco.

Empate na Baixada – com uma grande colaboração do goleiro Marcos do Verdão, que fez um pênalti infantil e de trapalhão, o time do Felipão cedeu o empate para o time do Delegado. Bom resultado para o Leão, que ainda está na frente deles.

Dragão não passa pela Tombense – o time da Lavanderia saiu na frente mas levou o gol de empate logo em seguida, numa falha do “incrível” Wilson (só a imprensa é que não falou que foi falha). Num jogo ruim, os dois mereciam perder. Apesar de sempre torcer pela derrota deles, o empate foi um bom resultado. Anota aí, os dois logo, logo, vão também estar disputando uma vaga no Z4.

Juninho 2x0 – se a regra do futebol fosse igual a do futebol americano, o Juninho ia entrar em campo só para cobrar falta. Foi assim que o time de São Januário venceu o Coxa. O primeiro gol foi uma cobrança linda de longe e no segundo, ele cruzou na cabeça do atacante cruzmaltino.

Papai Joel começa mal – em sua volta a terra natal (ele é baiano), o professor Natalino não deu sorte e viu o seu time baiano perder para os gaúchos tricolores. Bom resultado para o Avaí, que logo vai passar o time da boa terra.

Timão vira em cima do Mengão – no jogo dos times da Globo (não entendi como é que não foi marcado para quarta a noite), o time do Parque São Jorge, venceu de virada, com dois gols de Liédson, o time da Gávea, que só fez 2 pontos nos últimos 18 que disputou. Eu bem que desconfiava deste time, que apesar dos craques RG e TN, não tinha elenco para ficar na ponta até o final. WL que se cuide.

Mais uma rodada acaba e o Leão ainda continua preso dentro do poço. Para sua sorte, os dois nordestinos que estão sentados na beira do poço não pontuaram e acho que podem ser alcançados em breve. Só uma vitória interessa na próxima rodada. A luta continua.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Naquela água, só podia dar peixe


Num jogo ruim de assistir, o Avaí perdeu mais um jogo em casa. O empate seria o resultado mais justo, mas se alguém tivesse que vencer, tinha que ser mesmo o time da Vila, que buscou o gol mais que o Leão.

Dizem que o gramado ruim nivela o jogo por baixo e por isso, esta chuvarada poderia ser bom para o Avaí. O problema é que o futebol dos jogadores do Toninho Cecílio, se já não era bom com tempo seco, ficou horroroso com aquele gramado encharcado.

No primeiro tempo até que não fomos mal, mas o segundo foi horrível. Quase abrimos o marcador logo no começo, mas depois, quase não se fez nada, nem de um lado, nem do outro, até que no final, ganhamos um pênalti de presente. Willian bateu e fez. Bem ou mal, mas fez.

No segundo tempo, dava até a impressão que o lado do campo que o time paulista atacava tinha menos água, já que eles conseguiam tocar a bola com muito mais facilidade que os jogadores avaianos, que pareciam procurar o pior lugar do gramado para jogar, principalmente pelas laterais, onde claramente se via que era uma comprida vala de água.

Por outro lado, também faltou sorte para nós, pois com um pouco mais de atenção, teríamos segurado o resultado. Mas daí, deixaram o time deles dominar a bola na frente da área e numa jogada que a bola rolou como em nenhum outro momento na partida, Borges deixou o dele.

O empate não era ruim e dava de se ver que o time do marrentinho também estava contente com o pontinho. Aí o Gustavo Borges deu aquela aquaplanada, passando direto e o jogador deles acertou um chute no ângulo.

É difícil analisar o time num gramado como aquele, mas quero destacar o Arlan, que conseguiu desarmar várias vezes o marrentinho. Lincoln, apesar do gramado, mostrou entrega e raça, buscou o jogo e se no final deu uma parada, é porque ninguém é de ferro.

O goleiro Rafael Santos espalmou algumas bolas para frente da área, mas no geral, esteve bem, apesar de achar que o Felipe não teria tomado nenhum dos dois gols. Mas é só achismo e não uma crítica ao rapaz.

O meu prognóstico era um empate em casa contra o Santos e um empate fora contra o América. Já que perdemos, vamos ter que vencer lá em Sete Lagoas. Espero que o time se recupere do cansaço que deve ter sido esta partida, para recuperar estes pontos perdidos.

O negócio ta feio, mais ainda não está perdido.

É tempo de pescar

Hoje o Avaí tem mais um desafio. Dessa vez vai jogar apenas com o atual campeão da Libertadores da América. O time paulista não está numa boa posição na tabela do campeonato, podendo inclusive entrar no Z4 em caso de derrota. Mas isto não significa muito, pois o elenco do time da Vila é muito bom e mesmo os reservas podem fazer frente à maioria dos times do Brasil. PH Ganso está machucado e não joga. Espero que o marrentinho papai fresco fique atordoado com a diferença do fuso horário de Londres e também não seja escalado (é marrento, mas joga muito). Eles ainda têm Borges (que faz muito gol). e Arouca, que considero uma peça chave no time deles.

Do nosso lado, as mudanças começam no gol, pois Felipe não pode jogar, por força de contrato. Vamos ver se Rafael mantém o nível do titular. Aleks deve ficar esperando no banco. Não vejo nenhum problema, pois o garoto, apesar de bom embaixo da trave e de não ter falhado nos jogos que atuou este ano, também não fez nenhuma defesa brilhante que justificasse sua volta para a meta.

As laterais continuam do mesmo jeito, ou seja, sem funcionar. Vamos esperar que Arlan mostre alguma coisa, pois do Romano é difícil esperar isso. Na zaga, só tenho certeza do Gustavo Bastos. Será que Gian já está pronto para voltar? Espero que Dirceu fique no banco.

Bruno volta e deve ter a companhia do Batista, que espero entre com mais vontade de jogar que nas últimas vezes que vestiu a camisa azurra. O meio deverá ser comandado por Lincoln, auxiliado por Pedro Ken e/ou Robinho, dependendo da escolha do TC para o ataque: Willian sozinho ou com Rafael Coelho.

Acho que é o que o Avaí tem de melhor, pois Leandrinho ainda não mostrou serviço e Cléverson já provou que é jogador de segundo tempo.

O time tem que jogar com a disposição que mostrou contra o Flamengo para ter chance na partida. É mais uma partida difícil, mas novamente eu acredito.

Vai pra cima deles, Leão!

A Lenda foi embora


Dinélson, a lenda, foi embora. O Avaí emprestou o jogador para o Paraná.


Acho que ele é um bom jogador, mas ainda não adquiriu ritmo necessário para o nível de exigência da série A. Infelizmente o time está numa situação que não pode ficar arriscando ou tendo paciência com um jogador nas condições que ele está.

Ele ainda precisa adquirir mais velocidade para fugir da forte marcação que impera nos gramados de hoje. Acho que tem qualidade, mas que só vai aparecer quando sua condição física estiver melhor.

Como isto só acontece com uma sequencia de jogos, que ele não terá no Avaí, pois como já disse, a situação do time não permite sua escalação, penso que foi bom, tanto para o Avaí como para ele ir jogar em outra equipe.

Espero que ele faça sucesso no Paraná e quem sabe, com o futebol recuperado, volte no ano que vem para mostrar que de fato, ainda tem aquele futebol do DVD.

Desejo a ele boa sorte na continuidade de sua carreira.

domingo, 4 de setembro de 2011

Balanço da Rodada


Ainda não foi desta vez que saímos do Z4. Estivemos perto de, pelo menos, sentar na beira do poço, mas nesta rodada, deu tudo errado:

Vira, vira, virou – o Dragão começou bem e estava encaminhando mais uma vitória (seria a sexta seguida). Até que o time das Laranjeiras, que já estava sendo chamado de sem-vergonha pelo torcida, conseguiu em 8 minutos, uma virada espetacular, com um golaço de Sóbis e um gol no último minuto de Rafael Moura. Aliás, a camisa 10, que já foi de Rivelino, agora é vestido por He-Man. Que mudança! Aí o time se tornou, segundo a mesma torcida, time de guerreiros. É a tal bipolaridade dos torcedores. Bom resultado que não deixa o time de Goiás ir tão longe.

Galo vence Leão – Neto Berola e Daniel Carvalho (que parece um tanque, de tão forte) conseguiram mais uma vitória para o Cuca. Péssimo resultado.

Rivado mostra como se faz – dizem que o Tombense dominou o primeiro tempo, mas não fez. Problema deles. Se é o Leão, chamam de incompetente, mas como é o time que serve o café com brócolis para os amiguinhos, daí é placar injusto. Rivaldo não quis nem saber e fez um gol de “catchiguria” no mão de alface.

Assunção imita seleção – no clássico dos antigos Palestras, verdes e azuis ficaram no empate. Que comemoração mais gay aquela do gol paulista, com os jogadores se abraçando, deitados no chão. Quase teve rala e rola. No final, o Marcos Assunção, que bate muito bem falta, não fez o mesmo na marca da cal, perdendo um pênalti no último minuto do jogo.

Sem RG, rubro-negro fica sem identidade – o time da Gávea perdeu mais uma e mais uma vez sem o RG. Desta vez para o time do Bahia, que estava com técnico interino, pois mandaram o filósofo Renê Simões embora. Apesar da falta que o dentuço faz, o problema foi na defesa, que estava uma peneira. Quase tão ruim quanto a nossa. Péssimo resultado para o Leão.

Imortal afunda Furacão – o time do Olímpico venceu com folga o time paranaense da baixada. Aliás, foi a primeira vez que eles fizeram mais do que 2 gols numa partida neste campeonato. Acho que gastaram o estoque das próximas partidas. Já o time rubro-negro de Curitiba, parece que decidiu começar a campanha para a série B, ao contratar o Delegado. Uma vaga a menos.

Timão perde mais continua líder – pelo jeito, ninguém quer assumir a ponta antes do final do campeonato, pois o time paulista perde, mas ninguém chega. O time dos Coxas conseguiu uma grande vitória, e se acomoda no meio da tabela.

Coelho reage em cima do trem da colina – o lanterna mineiro conseguiu uma grande vitória em cima do time de São Januário, que ficou com medo de se tornar o líder, de tão mal que jogou. Será que os mineiros estão reagindo, ou só é a melhora antes da morte? Resultado ruim para nós.

Vovô e colorado ficam no empate – no último jogo da rodada, já que a CBF decidiu novamente atender ao pedido do Santos de adiar sua partida contra o Botafogo (já deve ser a quarta ou quinta vez), o time do Ceará empatou com o time dos pampas, que poderia ter vencido, se Jô não perdesse um gol feito no finalzinho da partida. Vai treinar rapaz. Bom resultado para nós.

Mesmo que tivesse vencido, o Leão ainda estaria no Z4, mas pelo menos estaria na beira do poço. Com a derrota, caiu um pouco mais para dentro do poço. Só vai conseguir sair daqui a duas rodadas, mas se vencer as duas partidas. Está difícil, mas já esteve pior. Ainda dá tempo.

sábado, 3 de setembro de 2011

Continuamos na zona


Como todos imaginavam, Willian e Bruno fizeram muita falta ao time do Avaí. Mesmo assim, penso que se Arlan não tivesse a infelicidade de fazer aquele gol contra, dificilmente o Atlético conseguiria furar o bloqueio armado pelo Toninho Cecílio.

Não vou falar em time medroso ou retrancado, porque se numa escapada, o Avaí achasse um gol e mantivesse o resultado, todo mundo ia falar bem da tática adotada.

Mesmo assim, não tem como deixar de notar que Romano não acrescenta nada a lateral esquerda. Na defesa não é tão ruim, mas hoje, novamente, saiu um gol em cima dele. Podemos até falar que faltou cobertura, mas ele não fez uma boa partida. Já Arlan, apesar do gol contra, tem potencial, mas acho que foi uma única vez na linha de fundo.

O mesmo se pode dizer do Raymond, também conhecido como Dirceu, que estava perdido na zaga. O que levou de bolas nas costas foi uma loucura. Gustavo Bastos também estava meio perdido hoje. Gian, quando é você volta?

Acleisson também não estava bem, assim como Diogo Orlando, errando passes de 1 metro. Vão treinar este fundamento, por favor. Bruno, volta, por favor. Aliás, o número de passes errados do Avaí deve ter ultrapassado de 50, com folga.

Robinho até que esteve bem, assim como Lincoln, mas ficaram presos na marcação bem feita do Galo. Já Pedro Ken vem caindo de rendimento e não foi tão bem hoje.

Rafael Coelho perdeu três gols que não se pode perder num jogo fora de casa. Esta é a diferença dele do matador Willian.

Dinelson e Caíque não acrescentaram nada. Não acredito muito no carioca, mas não vou queimar a Lenda, pois ele ainda não entrou num dia que o time esteja bem. Cléverson até que não entrou mal, mas não teve tempo para fazer nada.

Felipe não teve culpa nos gols e fez importantes defesas no primeiro tempo, antes do fogo amigo.

Infelizmente não temos elenco, pois o banco não está a altura dos titulares, que já nem são tão bons assim. Acho que dá para sair do buraco, mas vamos ter que rezar para ninguém se machucar ou ser suspenso, porque sem Willian, Bruno e Lincoln, nosso time fica bem enfraquecido.

Agora é se preparar para o Santos, que mostrou na quarta que não está morto, empatando um jogo que estava perdendo por 3x0 até os 30 minutos do segundo tempo. Mas se vencemos o rubro-negro do RG, por que não vencer o alvinegro do marrentinho?

Pra sair da zona

Hoje é um jogo para confirmar a ascensão do time. Apesar da campanha do time mineiro, que consegue ser pior do que a nossa, com certeza não será um jogo fácil.

As ausências de Willian e Bruno podem fazer falta ao time. Temos que acreditar que Lincoln, com cada vez mais ritmo de jogo, possa novamente fazer uma boa partida e que Robinho mostre que a partida de quarta feira não foi um acaso.

Na defesa, a preocupação de sempre.

Mas eu acredito. Vou agora assistir o jogo.

Vai pra cima deles, Leão!

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Balanço da Rodada


Como não tive tempo de escrever sobre a 19ª rodada, vou comentar sobre os jogos da rodada do último final de semana e também da que se encerrou nesta quinta.

19ª Rodada – a dos clássicos estaduais

Atletiba – com gols de ex-avaianos (Émerson e Edilson), os times do Paraná ficaram no empate, o que foi ruim para os dois, mas não para nós.

Vovô – no clássico mais antigo do Rio, o time da Estrela Solitária, cuja campanha está surpreendendo até os botafoguenses mais otimistas, venceu de virada, o time das Laranjeiras, que é do tudo ou nada, ou vence ou perde.

Eu vou tentar ser você amanhã – para um time que já esteve algumas rodadas no Z4 ou bem perto dele, a recuperação do Dragão deve servir de exemplo para aqueles que ainda estão na luta de sair do poço, principalmente para o Avaí. Já o time de Minas não tem jeito mesmo, é série B 2012. O resultado não foi bom para nós.

Porco enchafurda as galinhas – no clássico paulista, de técnicos gaúchos, que para variar, sempre tem violência entre as torcidas, o time do Felipão venceu o time do Tite, que disse não estar preocupado com demissão. Não devia né, o cara é lider, mas é que derrota em clássico conta muito, principalmente contra. Te cuida, tchê!

Sansão (sem Dalila) – no outro clássico paulista, dois golaços, num empate de 1x1. Mas o do Lucas foi muito mais bonito. Ele fez o que esperavam do marrentinho papai fresco.

Milhões, sem gols, mas com uma preocupação – no clássico que já foi de casa cheia quando era no Maracanã (neste teve 33 mil presentes), o lance mais importante da partida foi o problema de saúde do técnico Ricardo Gomes. O resto do jogo não teve importância. Ainda bem que o placar ficou em branco.

Grenal – no clássico gaúcho, quem decidiu a partida foram dois catarinenses (Marquinhos e Douglas). Celso Roth respira e Dorival Júnior tem a primeira queda.

Clássico nordestino– no clássico dos representantes do Nordeste, o time cearense atropelou o baiano. O melhor era o empate, mas o time do Renê Simões está dando sinais que está perdendo o fôlego e vai se afundar.

Pão de Queijo – no clássico mineiro, o time do Joel Santana venceu, graças ao Montillo, o Galo do Cuca, que ainda não sabe o que é uma vitória e está habitando o fundo do poço junto com seu cumpadre mineiro Coelho.

O Clássico – no único clássico catarinense de verdade, o Leão quebrou o salto de uma certa filial mineira, com franquia de Lavanderia. Ganhar naquele remendo de estádio já não é novidade, e como diz o guerreiro Willian, como é gostoso fazer gol lá.

20ª Rodada – começa o returno

Tite respira e Roth reclama – foi no sufoco, com dois jogadores a menos, mas o time paulista da Globo conseguiu segurar o imortal gaúcho, que pelo jeito, vai continuar namorando a beirada do poço. Te cuida Roth. Bom pra nós.

Trem da colina segue firme mesmo sem o maquinista – a vitória foi dedicada ao comandante, que estava no hospital e o time carioca não teve dificuldade em passar pelo time cearense. Acho que agora não tem como não incluir o time de São Januário na lista dos favoritos ao título. Coisas do futebol. Bom resultado para nós, pois o time da terra do Padim Ciço não fica tão longe da gente.

Misto azul perde em casa – este time do Papai Joel é de uma irregularidade incrível. Tudo bem que estava desfalcado, mas perder de quatro para o Tombense foi demais. Eles voltaram a se achar os maiorais, mas acho que o cavalo paraguaio logo vai mostrar sua dentadura.

Dragão impossível – em mais uma vitória, o time de Goiás não para de subir na tabela e até ultrapassou o Coxa, que parece não saber vencer fora de casa (venceu só duas).

Galo vence e Cuca respira – seria a oitava partida sem vencer, mas gol um gol chorado do Mancini (que já deve ter pra lá de 35), o time mineiro venceu o Furação original em plena baixada. Renato Gaúcho pediu demissão, mas disse que não foi por causa disso. Será? Bom resultado para o Avaí, que está na frente dos dois.

São Paulo não é mais o mesmo – em outros campeonatos, quando o time do Morumbi chegava perto dos líderes, era questão de tempo para assumir a ponta e ser campeão. Agora, já não é mais assim. Já teve várias oportunidades e não aproveitou. Ainda está perto, mas não dá pinta que possa chegar lá. Já o time do Abel Braga continua daquele jeito, vencendo ou perdendo, mas nunca empatando.

O Fogão está chegando – e se bobear vai cozinhar os adversários. Dessa vez, o time do Harry Potter venceu o Verdão do Felipão. Que zaga ruim essa heim?

Que reação – num jogo de seis gols, o time da Vila conseguiu arrancar um empate contra o colorado gaúcho, depois de estar perdendo por 3x0. Quem desligou a TV quando Oscar fez o terceiro, aos 26 do segundo tempo, não podia imaginar na reação do Peixe, com dois gols de Borges.

Urubu é abatido pelo Leão – com grande atuação de Robinho e Lincoln, o Avaí não tomou conhecimento do time carioca da Globo e venceu mais uma.

Pituaçú dos empates – já é o sexto empate em casa, dessa vez contra o lanterna, o Coelho mineiro que vai ficar no fundo do poço até o final. A vitória mineira seria o melhor resultado para o Avaí, mas daí já era pedir demais.

Terminamos a rodada ainda no Z4, mas já tivemos o gostinho de sentar na beira do poço. Agora temos chances reais de sair da zona de uma vez por todas. Não sei se já vai ser na próxima rodada, mas vislumbro um futuro um pouco mais azul.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Tem uma luz no fim do túnel

Como escrevi antes, considerava o empate como um bom resultado, mas acreditava na vitória que veio. Além da vitória, muito importante é claro, foi bom ver um time já não tão desarrumado. O time rubro-negro até teve uma certa liberdade em alguns momentos do jogo, mas o Avaí não foi aquele time perdido de outros jogos.

O destaque de hoje fica para Robinho, que para a maioria, já devia ter sido mandado embora. Ele fez o primeiro gol, o cruzamento para o segundo e o lançamento para o terceiro. Se não foi o melhor jogador em campo, com certeza, foi muito importante.

Lincoln está mostrando que vale cada centavo gasto. Sabe prender a bola, tem muita qualidade no toque e é muito inteligente. Além disso tudo, ainda sabe fazer gol. Duas partidas, dois gols de cabeça.

Rafael Coelho, outro contestado, usou a melhor arma que tem, que é sua velocidade. Ganhou na corrida e conseguiu finalizar no canto do goleiro marrento deles.

Willian foi discreto, mas cumpre bem sua função de segurar os zagueiros.

Nossa defesa ainda está dando sustos, e Dirceu, novamente, pareceu assustado. Deu um passe de calcanhar incrível, cortou algumas bolas, mas junto com Welton Felipe, faz nosso coração palpitar de nervoso quando pega na bola. Quando é que o Gian volta? Gustavo Bastos é raça, e quase fez mais um gol de cabeça.

Pedro Ken foi bem, assim como Bruno e até Diogo Orlando, apesar de alguns passes errados.

Arlan novamente fez uma correria e ainda desarmou o RG algumas vezes. Romano esteve bem melhor hoje, mas ainda precisa melhorar muito.

Felipe fez boas defesas, mas não pode tomar um gol olímpico, por mais que tenha sido bem executado pelo RG.

Fabiano novamente entrou para amorcegar o jogo e até que fez bem seu papel.

Toninho Cecílio e Betinho estão surpreendendo. Quando ele tirou o Bruno, eu temi o pior, mas gostei da coragem dele. Quando colocou o Welton Felipe, novamente pensei que ia dar errado, apesar de entender a substituição, que por sinal, nem funcionou tão bem, já que eles fizeram o segundo gol justamente num cruzamento que a zaga perdeu a disputa na bola aérea.

Capítulo a parte para a transmissão. Como não pude ir ao estádio, por motivo de saúde, assisti em casa. Vou escrever para a Sportv para mandarem só os caras de fora para narrar e comentar. Que dupla horrível. Só que desta vez, o dublê de comentarista, torcedor do Joinville e pelo jeito, também do Flamengo, ganhou o troféu abacaxi com folga. Quando o Avaí fez o primeiro gol, logo falou que era cedo e que o time carioca poderia se recuperar. Quando fez o segundo, antes mesmo de comentar o gol, já disse que o rubro-negro ainda estava vivo no jogo. Só ficou desanimado quando “seu time” levou o terceiro. Nota zero para ele.

Agora com o time reanimado, é partir para Minas Gerais e tentar buscar pelo menos um empate contra o Galo, que apesar da vitória em Curitiba, ainda está tentando se rearrumar no campeonato.